domingo, 30 de agosto de 2015

Ocupar a Mercedes contra as demissões

Os trabalhadores da Mercedes estão de greve desde segunda-feira, dia 24 de agosto, em razão da demissão de 1.500 companheiros.

No dia 26, 10.000 operários fizeram manifestação na manhã na via Anchieta.

Foram demitidos lesionados com garantia de emprego, estabilidade, sendo que a direção do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC está com ilusão com relação ao Programa de Proteção do Emprego  (PPE), porque, segundo dizem os dirigentes sindicais, na Alemanha há um programa semelhante que ajudou à manutenção dos empregos, com a redução dos salários, sendo que o país germânico está se recuperando e saindo da crise antes que os demais países da Europa.

O movimento pela formação de um tendência socialista operária revolucionária do PT discorda de tal posição, entendendo que é uma ilusão muito grande para se dizer o mínimo. Em primeiro lugar, a Alemanha não é o Brasil. A Alemanha é um país capitalista avançado e imperialista (país que oprime outras nações), que juntamente com a França, domina a União Europeia, aliada dos Estados Unidos e flerta com os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Além, essa política do PPE derrota uma das principais bandeiras da classe trabalhadora, ou seja, a redução da jornada de trabalho, sem redução de salário; a qual se combina com a escala móvel de salários, o aumento do salário de acordo com a inflação.

Os operários da Mercedes devem aproveitar a greve para fazer uma assembleia e ocupar a fábrica.

“As greves, com ocupação de fábricas, escapam aos limites do regime capitalista normal. Independentemente das reivindicações dos grevistas, a ocupação temporária das empresas golpeia no cerne a propriedade capitalista. Toda greve com ocupação coloca na prática a questão de saber quem é o dono da fábrica: o capitalista ou os operários.” (Leon Trotsky).

Os metalúrgicos do ABC devem exigir da diretoria do Sindicato a convocação de uma Assembleia para deliberar a respeito da luta em solidariedade aos companheiros da Mercedes.

- Pela convocação da Assembleia Geral do Sindicado dos Metalúrgicos do ABC!
- Pela ocupação da fábrica da Mercedes-Benz!
- Todo apoio e toda solidariedade à luta dos operários da Mercedes!
- Organizar a greve geral!

Erwin Wolf

CUT faz aniversário lutando contra o golpe

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) foi fundada em 28 de agosto de 1983.

Debutou lutando pela derrubada da ditadura militar, sendo que recentemente, em 14 de agosto, sua executiva divulgou uma declaração contra o impeachment, contra o golpe de estado em marcha no Brasil.

A CUT é a mais poderosa arma dos trabalhadores brasileiros. Infelizmente, os pelegos e a esquerda pequeno-burguesa não tem consciência disso e trabalha no sentido da divisão do movimento operário.
O movimento pela formação de uma tendência socialista operária revolucionária do PT defende a  unidade do movimento sindical, com a integração das demais centrais à CUT.

Assim, defendemos a realização de um congresso de unificação do movimento sindical para que a CTBB, a INTERSINDICAL, a Força Sindical, CST-Conlutas e demais centrais passem a integrar a CUT.

Parabéns, CUT!

Por um Congresso de Unificação do Movimento Sindical!
Erwin Wolf
Ignácio Reis

Vitória da Chapa 1

Os jornalistas do Estado de São Paulo foram às urnas nos dia 18, 19 e 20 de agosto para eleger a nova diretoria de seu Sindicato.

O pleito foi vencido pela Chapa 1, Unidade e Luta, da atual diretoria.

A oposição sequer conseguiu o número necessário de candidatos para formar a sua chapa.

A Chapa 1 defende em sua plataforma a unidade da categoria, tendo como eixo a luta em defesa dos empregos e salários. Nessa luta, dá ênfase á valorização do salário, ao piso estadual unificado, às medidas para inibir as demissões, e à pressão para a aprovação da PEC do Diploma.

O nosso companheiro, o jornalista Cadu Bazilevski, da Regional do ABCD, colaborador do movimento pela formação de uma tendência socialista operária revolucionária (TSO) e membro da Juventude do PT, foi reeleito.

Desejamos que a atual diretoria siga a orientação dos grandes mestres:

“Naturalmente, essa direção deve e pode ser racional e assegurar aos sindicatos o máximo de democracia concebível sob as condições concretas atuais. Mas sem a direção política da IV Internacional a independência dos sindicatos é impossível.” (Leon Trotsky, “Os Sindicatos na época da decadência imperialista”, agosto-1940).

Parabéns, Chapa 1!

João Neto (Juca)

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

SBC realiza Seminário Internacional de Participação Cidadã

O prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, abriu o Seminário Internacional “Participação Cidadã, Gestão Democrática e as Cidades no Século XXI” na tarde desta sexta-feira (28), no Centro de Formação dos Profissionais da Educação (Cenforpe).

O evento, que acontece entre hoje e amanhã (29), reúne lideranças acadêmicas da Europa e América Latina e tem por objetivo discutir as perspectivas da participação pública na gestão das cidades.

Em sua intervenção, Marinho disse esperar que o seminário “contribua com o debate de ideias” e fez uma relação do tema com sua administração à frente do município.

“A política, assim como a participação popular é um construir de relacionamentos sociais. A vida política não esta restrita ao estado. Pode ser feita entre amigos, familiares e colegas de serviço”, disse.

Participação cidadã, cidades e insurgências urbanas
Após a abertura com a presença do prefeito Luiz Marinho, o secretário de Serviços Urbanos, Tarcisio Secoli, moderou uma mesa em que foram discutidos assuntos sobre ‘Participação cidadã, cidades e insurgências urbanas’.

A mesa foi composta pelo munícipe Jeronimo de Almeida Neto; presidente do Conselho Nacional do SESI, Gilberto Carvalho; Jeroen Klink, da Universidade Federal do ABC (UFABC); Sérgio Lírio, da revista Carta Capital; e Antonio Bonfatti, governador da província de Santa Fé, na Argentina.

2ª mesa de debate
Desafios e perspectivas da participação no século XXI, estes foram os temas da segunda mesa no Seminário Internacional, que contou com a moderação de Jeroen Klink. Angela Alves, da sociedade civil; Giovanni Allegretti, da Universidade de Coimbra; Evelina Dagnino, da Universidade de Campinas; Jairo Jorge da Silva, da Rede Brasileira de Orçamento Participativo; e Yves Cabannes, da University College London, fizeram suas intervenções.

Palestra com Haddad
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, encerrou o primeiro dia de atividades no Seminário Internacional “Participação Cidadã, Gestão Democrática e as Cidades no Século XXI” realizando uma palestra. Sob o tema ‘Sociedades Dissidentes, Futuro e Construções Coletivas’, Haddad fez uma explanação por quase uma hora, onde abordou sua experiência no governo Federal e agora, na Prefeitura de São Paulo; falou sobre a crise de representatividade que vivem os governos hoje no Brasil; e abordou a interatividade e contradições das redes sociais.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

A importância do voto nestas eleições do Sindicato

Publicado em Terça, 18 Agosto 2015 11:31
Escrito por Paulo Zocchi (*)

As eleições para a diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo acontecem num momento de grandes dificuldades para a categoria. Desde abril, enfrentamos demissões em massa em importantes empresas de comunicação, como Editora Abril, Grupo Estado, portal Terra, A Tribuna (de Santos) e Rede Anhanguera de Comunicação (de Campinas). Nas campanhas salariais em curso, os patrões pressionam para que os salários não recebam a reposição integral da inflação, impondo aos jornalistas um duplo castigo: o aumento da carga de trabalho, resultado do corte nas equipes, e uma redução do salário real.

A diretoria do Sindicato, que tomou posse em 15 de abril, passou seu tempo desde então em uma atividade incessante para ajudar a categoria a enfrentar esse cenário terrível. Fizemos idas às empresas, reuniões com jornalistas, protestos nas portas de veículos de comunicação, passagens em redações para debater com os colegas e iniciamos ações judiciais visando bloquear demissões em massa. Em diferentes situações, nesse curto período, obrigamos o Estado de S. Paulo, a Abril, a Tribuna e a RAC a negociar no Tribunal Regional do Trabalho, numa linha de defesa dos empregos. Nestes dias de eleição, o jornal Correio Popular, de Campinas, está proibido pela Justiça de demitir jornalistas.

Em meio a essa tempestade, somos obrigados a refazer a eleição no Sindicato. Havíamos realizado a eleição em março, com chapa única. Nosso Sindicato tem uma forma democrática de condução do processo eleitoral: ele se abre com uma assembleia, aberta a todos os sindicalizados, que elegem livremente uma Comissão Eleitoral, composta por jornalistas que não serão candidatos. Naturalmente, a comissão encaminha o processo tendo como base o estatuto do sindicato.

Em março, colegas de oposição tentaram inscrever uma chapa, que ficou longe de atender às exigências do estatuto: na lista apresentada, havia diversas pessoas com atraso nas mensalidades (o que impede a candidatura), várias sem tempo mínimo de sindicalização, número insuficiente de candidatos em sete das dez regionais do Sindicato no interior e litoral e havia um integrante que sequer era sindicalizado. A chapa não foi registrada. O grupo de oposição, porém, não concordou. Recusando-se a levar o problema a uma assembleia (direito que o estatuto prevê), para resolver a questão internamente ao Sindicato, a oposição fez uma queixa ao Judiciário. Com base no fato de que, em 2012, a então Comissão Eleitoral aceitou uma chapa que não atendia às exigências do estatuto, a Justiça anulou a eleição, determinou um novo pleito, e explicitou que sua base seria o estatuto (agora, todos estariam avisados, segundo a sentença). Isso foi feito, mas, novamente, a oposição não conseguiu formar uma chapa que atendesse ao estatuto. Resultado: de novo, temos uma eleição com chapa única.

Felizmente, algo de bom saiu dessa situação: a Chapa 1 - Unidade e Luta, conseguiu se reforçar com dez novos membros. Isso permite melhores condições à próxima diretoria do Sindicato para desenvolver o seu trabalho. Queremos prosseguir na construção de uma entidade aberta, democrática, que seja uma ferramenta útil aos jornalistas para defenderem sua profissão: um espaço de debate e reflexão, e também de organização e mobilização da categoria.

Mesmo com chapa única, o voto dos sindicalizados é essencial para fortalecer o Sindicato em seu papel de defesa dos interesses coletivos. Compareça às urnas nestes dias 18, 19 e 20 de agosto. Vote nas eleições por um Sindicato mais forte, mais atuante, mais presente. Nos próximos anos, estaremos juntos, em defesa dos jornalistas e do bom jornalismo.

(*) Presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Agenda Renan Calheiros é o maior ataque à classe trabalhadora

A semana passada o Senador Renan Calheiros apresentou à presidenta Dilma a chamada Agenda Brasil, a qual é um verdadeiro presente de grego para a classe operária porque ataca as conquistas sociais, corta a aposentadoria, acaba com o uso obrigatório de verbas na Saúde e na Educação, implementa a terceirização (precarização/escravidão da classe trabalhadora em geral), ataca os vencimentos dos funcionários públicos, favorece o setor ruralista e os planos de saúde privados e visa privatizar o Sistema Único de Saúde , o SUS.

Conforme Ricardo Melo, na Folha de São Paulo de ontem, dia 17/8:

“Dilma obteve algum fôlego do ponto de vista da maldita governabilidade, com o adiamento de decisões dos tribunais que fazem cerco ao Planalto. O fantasma do golpismo paraguaio recolheu-se momentaneamente. Mas a que custo?

Pedra filosofal em cartaz, a Agenda Brasil é um programa de destruição de conquistas sociais de causar inveja à antiga UDN. Exemplos: mexe na aposentadoria, libera o uso obrigatório de verbas na Saúde e Educação, promete sacramentar a terceirização selvagem, favorece o setor ruralista, ameaça rendimentos do funcionalismo. Também afaga os planos de saúde com mais benesses. Pensou-se até em começar a privatização do SUS. Um desastre social.

Publicamente, o padrinho do monstrengo reacionário é o presidente do Senado, Renan Calheiros. Seu currículo político dispensa maiores comentários. Mais importante são os bastidores. A Agenda Brasil surge simultaneamente à movimentação do Planalto em direção ao grande capital.

Ao que já se sabe, e pelo que talvez nunca venha a público, no mesmo período multiplicam-se reuniões de emissários do governo com presidentes de grandes bancos, empresários graúdos e magnatas das telecomunicações. A governabilidade passou a ser defendida pelo presidente do Bradesco, o vice-presidente do Grupo Globo, mandatários da Fiesp e da Firjan e outros tantos plutocratas. (...).

Muita água vai correr por baixo desta ponte (para desespero de Geraldo Alckmin, exceto na Cantareira e adjacências). Mas a saída à direita decididamente enfraquece o governo. Ninguém tem dúvida: Dilma, Lula e o PT prosseguem na linha de tiro, ainda que somente para imobilizá-los.”

Assim, o movimento pró-formação de uma tendência socialista operária revolucionária (TSO) do Partido dos Trabalhadores chama o conjunto dos companheiros a travarem uma luta feroz contra a chamada Agenda Brasil de Renan Calheiros, inclusive aproveitando o Ato do dia 20 de agosto, na quinta-feira, na Avenida Paulista, para lutar contra o golpismo da direita e do imperialismo norte-americano, para defender a eleição de comandos de greve nas fábricas, nas empresas agrícolas, nos bancos e nos demais locais de trabalho, nas escolas e nas universidades,  para a organização da greve geral contra a Agenda Renan Calheiros.

- Todos na Avenida Paulista, dia 20 de agosto, contra o golpe da direita!
- Abaixo o golpe da direita e do imperialismo norte-americano, da CIA e do FBI!
- Abaixo a Agenda Renan Calheiros!
- Pela defesa das conquistas sociais!
- Contra os cortes na aposentadoria!
- Verbas para a Saúde e a Educação!
- Abaixo a terceirização, precarização e escravidão da classe trabalhadora!
- Pela defesa dos vencimentos dos funcionários públicos!
- Pela Saúde Pública e gratuita! Pela defesa do SUS!
- Reforma e Revolução agrária! Expropriação das empresas agrícolas, sob controle dos trabalhadores do campo, e dos latifúndios. Terra para quem nela trabalha!

Ignácio Reis

domingo, 16 de agosto de 2015

CUT contra o golpe

A Direção Nacional da CUT, reunida em Brasília no dia 14 de agosto, manifesta seu mais veemente repúdio a qualquer tentativa de impeachment da presidenta Dilma, eleita democraticamente pela população brasileira, ao mesmo tempo em que expressa sua posição contrária à atual política econômica, que leva o país à recessão e penaliza a classe trabalhadora com o desemprego e a perda de direitos.

Resistiremos ao golpe junto com os movimentos sociais e com o povo na rua no dia 20 de agosto em defesa dos direitos, da liberdade e da democracia. Faremos das campanhas salariais em curso neste semestre uma trincheira na defesa dos reajustes dos salários dos trabalhadores, dos direitos trabalhistas e contra qualquer tipo de golpe e, se for necessário, paralisaremos o país com a greve geral em defesa da democracia.

Lutaremos contra a pauta conservadora imposta pelo Congresso, que promove o retrocesso político, o preconceito e a intolerância, retira direitos e  entrega o patrimônio público a empresas estrangeiras. Somos contrários à agenda proposta pelo presidente do senado Renan Calheiros-Levy que promove a agenda neoliberal no país. Nossa agenda é outra, em torno dela mobilizaremos a classe trabalhadora. Queremos mudança da atual política econômica. Faremos a defesa intransigente da Petrobrás, contra o projeto do Senador José Serra que altera o regime de partilha na exploração do Pré-Sal. Estaremos nas ruas e no Congresso contra o PLC 30/15 que permite a terceirização da atividade-fim, contra a lei antiterrorismo e contra a redução da maioridade penal.

No lugar da atual política econômica recessiva, que cria condições para a restauração neoliberal e para um novo ciclo de reestruturação produtiva das empresas, que utilizará, entre outros instrumentos, a redução de postos de trabalho, a CUT defende a retomada do crescimento com base no investimento, no fortalecimento da indústria e da agricultura familiar, na ampliação do emprego, na redistribuição de renda, no combate à desigualdade e na inclusão social.

A saída da crise é com o povo nas ruas defendendo a democracia, as reformas populares e uma política econômica coerente com o projeto vitorioso nas urnas.

São Paulo, 14 de agosto de 2015. 

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT

Votar na Chapa 1 nas eleições do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo

Os jornalistas do Estado de São Paulo irão às urnas nos dia 18, 19 e 20 de agosto para eleger a nova diretoria de seu Sindicato.

O pleito terá a Chapa 1, Unidade e Luta, da atual diretoria, porque a oposição sequer conseguiu o número necessário de candidatos para formar a sua chapa.

A Chapa 1 defende em sua plataforma a unidade da categoria, tendo como eixo a luta em defesa dos empregos e salários. Nessa luta, dá ênfase à valorização do salário, ao piso estadual unificado, às medidas para inibir as demissões, e à pressão para a aprovação da PEC do Diploma.

A oposição à atual diretoria sequer conseguiu o número de candidatos necessários, exigidos pelo Estatuto do Sindicato, para formar uma chapa para concorrer às eleições. Pior ainda, a oposição vem defendendo o boicote às eleições, uma posição extremamente grave, que não se contrapõe à atual diretoria, mas ataca diretamente a própria entidade sindical, ou seja, adota um posição de direita, contribuindo para rebaixar o nível de conscientização da categoria, ao enfraquecer o Sindicato com a abstenção.

Fosse uma posição apenas em oposição à atual diretoria, à Chapa 1, o que numa democracia é normal, o máximo admissível, seria o voto em branco, e não o boicote às eleições, que é um boicote à democracia e ao Sindicato, um posição direitista, ainda mais num momento como este em que os patrões estão demitindo os membros da categoria.

Aos companheiros da oposição, para que reflitam de forma mais cuidadosa, transcrevemos o ensinamento do companheiro de Lênin sobre os sindicatos:

“Toda organização, todo partido, toda fração que se permita ter uma posição ultimatista com respeito aos sindicatos, o que implica em voltar as costas à classe operária, somente por não estar de acordo com sua organização, está destinada a acabar. E é bom frisar que merece acabar.”  Leon Trotsky, “Sindicatos na Época da Decadência Imperialista.”, 1940.

Integra a Chapa 1, o nosso companheiro, o jornalista Cadu Bazilevski, da Regional do ABCD, colaborador do movimento pela formação de uma tendência socialista operária revolucionária (TSO) do Partido dos Trabalhadores. A TSO apoia a Chapa 1.

- Jornalistas, votar na Chapa 1, Unidade e Luta!
- Em defesa dos empregos e salários e sua valorização;
- Piso estadual unificado;
- Contra as demissões; e
- Aprovação da PEC do Diploma.

João Neto (Juca)

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Dissolver a polícia SS nazista de Ferguson

Mais um atentado contra um jovem negro

A Polícia SS nazista de Ferguson nos Estados Unidos feriu gravemente, mais um jovem negro, Tyrone Harris Jr, de apenas 18 anos, que protestava, nessa segunda-feira, 10 de agosto, contra a morte de outro jovem negro, Michael Brown, há um ano.

Os EEUU é um país racista. Como disse Malcolm X, não existe capitalismo sem racismo. É necessário acabar com o capitalismo, com o imperialismo americano, para que consigamos por fim ao racismo. Não conseguimos mais respirar! Enquanto não fizermos isso, mais jovens negros morrerão como em Ferguson, como em Baltimore e nas diversas cidades americanas.

Os trabalhadores americanos negros e brancos precisam, nesta conjuntura, com os ataques nazi-fascistas da polícia americana, como em Ferguson e Baltimore, discutir e organizar grupos de autodefesa. O Socialist Workers Party (Partido Socialista dos Trabalhadores) dos Estados Unidos, no final dos anos 1930, numa conjuntura semelhante a que vivemos hoje, discutiu com Trotsky a formação de grupos de autodefesa. Trotsky ensinou que:

“As palavras de ordem do Partido devem ser lançadas lá onde possuímos simpatizantes e operários que nos defenderão. Mas um partido não pode criar uma organização de defesa independente. A tarefa consiste em criar esses organismos nos sindicatos. Devemos possuir grupos de camaradas bem disciplinados, com dirigentes prudentes...”

Os operários e trabalhadores americanos brancos e negros devem, a partir de suas entidades sindicais e populares, organizar grupos de autodefesa, espalhando-os pelas cidades americanas, visando à dissolução da polícia SS racista e nazista americana.

A classe trabalhadora americana precisa organizar o seu partido operário marxista revolucionário e a Internacional Operária para lutar pela Revolução Socialista Americana e Mundial, as quais colocarão na ordem do dia a dissolução da polícia SS nazista de Baltimore, Ferguson e demais cidades americanas, e sepultará para sempre o capitalismo e o racismo, como nos ensinou Malcolm X, não só nos Estados Unidos, mas impulsionará a derrubada do capitalismo em nível mundial.

Cláudia Coutinho

Plenária dos veteranos do PT de São Bernardo

Os veteranos do Partido dos Trabalhadores de São Bernardo do Campo realizaram, no sábado, dia 9 de agosto, a sua primeira Plenária este ano.

Compareceram aproximadamente 200 militantes, o Prefeito Luiz Marinho, vários vereadores da bancada do PT, o ex-dirigente dos Sindicato dos Químicos do ABC, Expedito, a ex-dirigente do Sindicatos dos Servidores Públicos do Município de São Bernardo do Campo, Simone Bazilevski, dentre outros.

Inicialmente, houve um exposição do vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, Aroaldo.  Este apresentou dados sobre a situação da economia e da classe operária do Grande ABC e São Bernardo em particular. Informou que o PIB do ABC é 7% do PIB nacional, em torno de 50,2 bilhões de reais, com 2,7 milhões de habitantes. Informou que São Bernardo do Campo possui uma população de 811 mil habitantes. Possui 6 montadoras de automóveis (Ford, Karmann Ghia, Mercedes, Scania, Toyotani e Volks).

A cidade de São Bernardo é a quarta cidade exportadora do Brasil, sendo 25% de veículos e 55% de caminhões, além do que importou 617 mil carros de luxo (valor superior a R$ 120.000), um aumento de 20% no último período. Anteriormente São Bernardo havia alcançado o pico de 800 mil empregos formais, antes da era FHC. Antigamente, antes do governo Fernando Henrique Cardoso chegou a ter 363.333 trabalhadores na indústria, sendo que caiu para 192.724 no governo FHC, antes de Lula assumir em 2002.

Hoje houve um recuperação, com 233.000 na indústria (30%) e 331.000 no setor de serviços (41%). Atualmente fecharam 18,7% de empregos formais no ABC, sendo 10,3% na indústria, 3,3% no comércio, 3,2% no setor de serviços e 1,5% na construção civil.  Informou, ainda, que o desemprego na era FHC chegou a 22,5%, enquanto atualmente encontra-se em 13%.

Aroaldo falou das demissões da Mercedes-Bens, empresa em que trabalha. Disse que foram demitidos lesionados com garantia de emprego, estabilidade, tendo manifestado esperança com relação ao Programa de Proteção do Emprego do governo Dilma, porque, segundo ele, na Alemanha há um programa semelhante que ajudou à manutenção dos empregos, com a redução dos salários, sendo que o país germânico está se recuperando e saindo da crise antes que os demais países da Europa.

O movimento pela formação de um tendência socialista operária revolucionária do PT discorda de tal posição, entendendo que é uma ilusão muito grande para se dizer o mínimo. Em primeiro lugar, a Alemanha não é o Brasil. A Alemanha é um país capitalista avançado e imperialista (país que oprime outras nações), que juntamente com a França, domina a União Europeia, aliada dos Estados Unidos e flerta com os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Além, essa política do PPE derrota uma das principais bandeiras da classe trabalhadora, ou seja, a redução da jornada de trabalho, sem redução de salário; a qual se combina com a escala móvel de salários, o aumento do salário de acordo com a inflação.

Depois, o Prefeito Luiz Marinho de São Bernardo fez uma longa exposição da sua experiência como ministro da Previdência Social, enfatizando a conquista histórica do aumento real do salário mínimo.
Ao final, por proposta do companheiro Dogival, ficou deliberado que será marcada uma nova Plenária dos Veteranos do PT para o prosseguimento das discussões dos problemas que afligem os aposentados, como o fator previdenciário, o reajuste das aposentadorias e muitos outros.

Seminário Internacional
Durante a Plenária dos Veteranos do PT de São Bernardo foi divulgado o Seminário Internacional “Participação Cidadã, Gestão Democrática e as Cidades no Século XXI, que será realizado em São Bernardo do Campo nos dias 28 e 29 de Agosto de 2015, com a participação dentre outros, do Prefeito Luiz Marinho, do Secretário de Serviços Urbanos do Município de São Bernardo do Campo, Tarcisio Secoli, do ex-presidente Lula e do ex-presidente do Uruguai, senador da República Oriental José Mujica.

João Neto (Juca)

domingo, 9 de agosto de 2015

Em ataque xenofóbico, haitianos são baleados em SP

Agressores teriam dito, antes do ataque, que os haitianos roubam os empregos. As vítimas tiveram atendimento recusado em ao menos duas unidades de saúdeEm ataque xenofóbico, haitianos são baleados em SP

Por: Agência PT, em 8 de agosto de 2015 às 20:04:13

No último sábado (1º), seis haitianos viveram momentos de terror em São Paulo. Em um ataque motivado por xenofobia, segundo a Polícia Civil, eles foram baleados na Baixada do Glicério, região central da capital paulista.

Os feridos estão internados, com balas alojadas nas pernas e quadris. Quatro dos haitianos foram feridos na escadaria da igreja que acolhe os imigrandes da cidade de São Paulo.

“Haitianos, vocês roubam os nossos empregos”, teria gritado um dos agressores, segundo pessoas que estavam no local.

“Vemos todas as características de um atentado motivado por xenofobia”, disse o coordenador de políticas para migrantes da Prefeitura de São Paulo, Paulo Illes.

De acordo com um haitiano que ajustou no socorro, os colegas tiveram atendimento médico recusado em, ao menos, duas unidades de saúde.

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos, que tem à frente ao petista Eduardo Suplicy, informou que apura as denúncias de negligencia médica e acompanha as investigações.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações do jornal “Extra”

“Esquerda” pega carona com a direita golpista: traidores da democracia!

Publicado em 8 de agosto de 2015por socialistalivre

O PSTU e alguns setores do PSOL pegaram carona com a palavra de ordem dos coxinhas e da direita golpista. Qual palavra de ordem? A palavra de ordem que diz FORA DILMA. Tentam fingir, dizendo que vão também pedir FORA AÉCIO, pois sabem que é o PSDB é quem deve voltar ao poder, caso Dilma caia. Mas, na prática, não existe AÉCIO NEVES para ser derrubado nesse momento. Aécio Neves não é o governo. Está de olho no governo, caso prevaleça o golpe do FORA DILMA.

A verdade é que essa “esquerda” oportunista pegou carona na palavra de ordem dos coxinhas e da direita e ficam mentindo que quem luta contra o golpe, e quem vai lutar contra o golpe, no dia 20 de agosto, por exemplo, não é de esquerda e que está apenas blindando o governo do PT. Ora, o governo do PT, sempre vai merecer nossas críticas e enfrentamentos, quando atacarem os direitos dos trabalhadores, mas, quer gostemos ou não, o governo do PT foi eleito democraticamente. É quem deve governar. Não foi o Aécio Neves (PSDB), não foi Luciana Genro (PSOL), não foi Zé Maria (PSTU) que foram eleitos. Setores que se dizem de esquerda ficar repetindo o FORA DILMA da direita golpista é um crime contra a democracia brasileira. PSTU e setores do PSOL estão traindo a democracia brasileira, quando pegam carona na palavra de ordem da direita golpista, direita, esta, que, desde o primeiro dia da sua derrota eleitoral, não aceitou que perdeu a eleição e passou a sabotar a democracia brasileira.

PSTU, e setores do PSOL: é um crime que vocês estão cometendo contra a democracia brasileira, ajudando, com o FORA DILMA, a direita a propagandear o GOLPE na presidente eleita Dilma Rousseff. Zé Maria (PSTU) chegou aplaudir, nas redes sociais, dizendo “BEM FEITO”, o panelaço da direita pelo FORA PT.

Só falta essa falsa esquerda parar de fingir e ir para os atos da direita no dia 16 de agosto gritar FORA DILMA e avisar lá que é para gritar FORA AÉCIO NEVES (PSDB) também. Mas não vão. É uma esquerda que pegou carona na palavra de ordem do “FORA DILMA” da direita, só que é covarde e não tem consequência política de se juntar de cara, com suas bandeirinhas vermelhas, com a banda da direita golpista.

Como querem fingir de “diferentes” do golpismo, fazem pior, preferem ajudar os golpistas nos bastidores, no seio do movimento operário, enganando os trabalhadores, ensinando a classe trabalhadora que democracia é coisa menor e que não precisa ser respeitada. Não estão nem aí para a dor que a classe trabalhadora brasileira sofreu durante 20 de anos de ditadura militar no Brasil. Cavam, com esse apoio indireto ao golpismo da direita, o fosso do fascismo e da volta da ditadura no Brasil. Traidores da democracia, é o que o PSTU e alguns setores do PSOL são.

Por: Gílber Martins Duarte – Militante SOCIALISTA LIVRE – Sind-UTE/Uberlândia/MG – Doutor em Análise do Discurso/UFU – Professor da Rede Estadual de Minas Gerais –EDITOR DO BLOG www.socialistalivre.wordpress.com

sábado, 8 de agosto de 2015

Populares protestam contra atentado à bomba ao Instituto Lula

© foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Milhares de trabalhadores dos movimentos sociais e sindicatos de operários realizaram nesta sexta-feira, dia 7 de agosto, um ato contra o atentado a bomba ao Instituto Lula, em São Paulo. Os manifestantes abraçaram o Instituto e espalharam fumaça vermelha, sendo que a rua onde se localiza o Instituto Lula ficou totalmente tomada.

Às 22 horas do dia 30 de julho uma bomba de fabricação caseira foi jogada contra o Instituto Lula fazendo um buraco na garagem. Por sorte não houve feridos. É o quarto atentado ao Partido dos Trabalhadores. O primeiro foi em Jundiaí. O segundo foi em Salvador, quando os militantes do PT que participavam do V Congresso foram atacados. O terceiro foi o ataque ao Diretório do Centro.

Os trabalhadores brasileiros precisam, nesta conjuntura, com ataques nazi-fascistas, discutir e organizar grupos de autodefesa. O Socialist Workers Party (Partido Socialista dos Trabalhadores) dos Estados Unidos, no final dos anos 1930, numa conjuntura semelhante a que vivemos hoje, discutiu com Trotsky a formação de grupos de autodefesa. Trotsky ensinou que:

“As palavras de ordem do Partido devem ser lançadas lá onde possuímos simpatizantes e operários que nos defenderão. Mas um partido não pode criar uma organização de defesa independente. A tarefa consiste em criar esses organismos nos sindicatos. Devemos possuir grupos de camaradas bem disciplinados, com dirigentes prudentes...”

Esses ataques nazi-fascistas são promovidos pelos golpistas, organizados pelo imperialismo americano (Departamento de Estado/CIA/FBI/embaixadas/consulados) e pelos seus capangas brasileiros, por meio das “instituições” permanentes, ocupadas por usurpadores, que não são eleitos, não se submetem ao sufrágio universal, ou seja, não se submetem à vontade do povo, como o judiciário, o ministério público, o tribunal de contas e a polícia federal. Essas “instituições”  prenderam o vice-almirante da reserva Othon Luiz Pinheiro da Silva, considerado o pai do programa nuclear brasileiro, presidente licenciado da Eletronuclear, empresa que trabalha na construção de Angra 3 e prenderam o ex-dirigente do PT, José Dirceu, que foi condenado sem provas, com base na nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato”, pelo Supremo Tribunal Federal, o mesmo que entregou Olga Benário para Hitler! A História nunca se esquece e é implacável.

O objetivo dos golpistas e do imperialismo americano é claro no sentido de quebrar o Brasil, intimidar o setor nacionalista das forças armadas, aplainando o terreno para a consumação do golpe em curso, para assaltarem as nossas empresas estatais, como fizeram no Iraque e na Líbia, só para exemplificar. É por isso que Zé Dirceu foi preso, por causa do ódio da burguesia nacional e do imperialismo ao Partido dos Trabalhadores, tentativa de expressão consciente da classe operária que, nos últimos anos, conseguiu conquistas, embora limitadas nos marcos do capitalismo, mas mesmo assim a burguesia nacional e o imperialismo, os exploradores, não se conformam e tentam suprimir tais conquistas, com a terceirização (precarização/escravidão), redução das aposentadorias, das pensões e do seguro-desemprego.

Por outro lado, a Central Única dos Trabalhadores, através de sua executiva, sob pressão da bases, aprovou um calendário de lutas contra o golpe e o pacote de maldades do ministro Levy.

A principal mobilização está marcada para o dia 20 de agosto, na Avenida Paulista, em São Paulo.

Para o mês de agosto, nos dia 11 e 12, a CUT, o MST, a Contag (Confederação dos Trabalhadores  da Agricultura) , sindicatos e o movimentos sociais e populares estão organizando a Marcha das Margaridas, em defesa da reforma e revolução agrária (terra aos camponeses, expropriação das empresas agrícolas e expropriação dos latifúndios).

O movimento pró-formação de uma tendência socialista operária revolucionária do Partido dos Trabalhadores (TSO/PT) defende a frente única anti-golpista e anti-imperialista do PT com o PCdoB, PSOL,  PCB, e PCO e demais partidos de esquerda, a CUT, a CTB,  e demais centrais e os movimentos populares, como MST e MTST, visando a preparação da greve geral contra a terceirização, contra as MPs 664 e 665 (redução de pensões, redução da aposentadoria, etc.) e contra o golpe da direita e do imperialismo.

Todos dia 20, na Avenida Paulista!

Cláudia Coutinho

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

O ritmo do golpe em marcha se acelera com a prisão de Zé Dirceu

Todos dia 20 de agosto, na Avenida Paulista, para barrar o golpe

A Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Justiça Federal, “instituições” golpistas, a serviço da burguesia nacional e do imperialismo americano, prenderam nessa segunda-feira, dia 3 de agosto, o ex-dirigente do Partido dos Trabalhadores, José Dirceu, acelerando o ritmo do golpe em marcha.
Seguem os ataques dos golpistas, organizados pelo imperialismo americano (CIA/FBI/embaixada/consulados) e pelos seus capangas brasileiros, agora com a prisão de Zé Dirceu, sendo que, na semana passada, foi preso o vice-almirante da reserva Othon Luiz Pinheiro da Silva, considerado o pai do programa nuclear brasileiro, presidente licenciado da Eletronuclear, empresa que trabalha na construção de Angra 3. Além do atentado a bomba ao Instituto Lula.

O objetivo dos golpistas e do imperialismo americano é claro no sentido de quebrar o Brasil, intimidar o setor nacionalista das forças armadas, aplainando o terreno para a consumação do golpe em curso, para assaltarem as nossas empresas estatais, como fizeram no Iraque e na Líbia, só para exemplificar. É por isso que Zé Dirceu está sendo preso, por causa do ódio da burguesia nacional e do imperialismo ao Partido dos Trabalhadores, tentativa de expressão consciente da classe operária que, nos últimos anos, conseguiu conquistas, embora limitadas nos marcos do capitalismo, mas mesmo assim a burguesia nacional e o imperialismo, os exploradores, não se conformam e tentam suprimir tais conquistas, com a terceirização (precarização/escravidão), redução das aposentadorias, das pensões e do seguro-desemprego.

Por outro lado, a Central Única dos Trabalhadores, através de sua executiva, sob pressão da bases, aprovou um calendário de luta contra o golpe e o pacote de maldades do ministro Levy.

A principal mobilização está marcada para o dia 20 de agosto, na Avenida Paulista, em São Paulo.

Para o mês de agosto, nos dia 11 e 12, a CUT, o MST, a Contag (Confederação dos Trabalhadores  da Agricultura) , sindicatos e o movimentos sociais e populares estão organizando a Marcha das Margaridas, em defesa da reforma e revolução agrária (terra aos camponeses, expropriação das empresas agrícolas e expropriação dos latifúndios).

O movimento pró-formação de uma tendência socialista operária revolucionária do Partido dos Trabalhadores defende a frente única anti-golpista e anti-imperialista do PT com o PCdoB, PSOL,  PCB, e PCO e demais partidos de esquerda, a CUT, a CTB,  e demais centrais e os movimentos populares, como MST e MTST, visando a preparação da greve geral contra a terceirização, contra as MPs 664 e 665 (redução de pensões, redução da aposentadoria, etc.) e contra o golpe da direita e do imperialismo.

Erwin Wolf

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Atentado a bombas ao Instituto Lula: e se fosse com um líder da burguesia?

Publicado em 2 de agosto de 2015 por socialistalivre

Nessa semana assistimos a um atentado terrorista-fascista à sede do Instituto Lula. Por quê? Simples. Depois que a mídia burguesa e os partidos de oposição de direita incrustaram, dia após dia, no imaginário popular o discurso de que a culpa de todos os males do Brasil é causada pela suposta “roubalheira” do PT, naturalmente o ódio político é um dos sintomas óbvios que iria acometer aos fascistas direitistas em crise econômica.

Ok. Mas não para aí. Quero destacar aqui o papel pífio, por exemplo, que a Rede Globo deu ao fato. No Jornal Hoje, o jornalista apenas relatou em 10 segundos o ocorrido, sem nenhuma imagem do estrago da bomba. No Jornal Nacional, houve 20 segundos mostrando uma rápida imagem e dizendo que advogados do Instituto Lula exigiam apuração do atentado. Óbvio, qual vítima iria não denunciar uma absurdidade dessas?

Em nenhum momento se mencionou, na Rede Globo, que se tratou de atentado político grave, mesmo que simbólico, já que não houve feridos. No ato terrorista-fascista praticado, o objetivo foi claro, intimidar a liberdade de expressão política no país das forças que tenham alguma conotação de esquerda. Em uma comparação tosca, o político britânico vestido de sutiã teve uma abordagem muito mais longa e mais comentada pela Rede Globo do que o atentado ao Instituto Lula, que representa nada mais nada menos do que um líder político operário que, quer o criticamos ou não, governou o Brasil por dois mandatos.

E se fosse um atentado ao Instituto FHC, seria a mesma pífia cobertura dada pela imprensa burguesa? Tenho certeza que não. O silêncio da mídia, a falta de uma condenação política clara ao ato terrorista-fascista praticado coloca a própria grande mídia burguesa como cúmplice da política fascista e do ódio que vem crescendo em nosso país.

Por: Gílber Martins Duarte – Militante SOCIALISTA LIVRE – Sind-UTE/Uberlândia/MG – Doutor em Análise do Discurso/UFU – Professor da Rede Estadual de Minas Gerais –EDITOR DO BLOG www.socialistalivre.wordpress.com