segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

PT 36 anos: Balanço e Perspectivas

O Partido dos Trabalhadores comemora os seus 36 anos numa verdadeira encruzilhada, em razão de sua política de colaboração de classes.

O PT surgiu da luta dos trabalhadores para derrubar a ditadura militar, tendo agrupado setores do movimento operário (como as oposições sindicais aos pelegos da ditadura), do movimento camponês, da igreja católica, dos autênticos do MDB, grupos da esquerda e do movimento estudantil.

O surgimento do partido sinalizava a caminhada  do movimento operário no sentido de sua independência de classe.

Todavia, a direção majoritária do PT enveredou pela política de colaboração de classes, o que fez com que o partido se tornasse uma agremiação preponderantemente eleitoral, passando a ser cooptado pelo parlamento burguês, transformando-se num partido burocratizado.

Com a burocratização, a esquerda partidária foi expulsa nos anos 1990, o que propiciou o fortalecimento e o ingresso de enorme quantidade de carreiristas e arrivistas no seio do partido, o que afastou a militância combativa e rebaixou sobremaneira o nível de politização dos quadros do PT.

A partir da adoção da política de colaboração de classes e eleitoral, em aliança com partidos burgueses, como PMDB, PDT, PSB, e outros, o PT foi ganhando eleições e integrando-se ao Estado burguês, surfando na alta dos preços da commodities (como minério de ferro, carne, soja, etc.), o que lhe propiciou governar desenvolvendo uma política assistencialista.

Atualmente, essa política é totalmente inviável, não havendo base material para sustentá-la. Agora não há outra alternativa, não há como “eliminar os males sociais sem causar nenhum prejuízo ao capital e ao lucro.” (Friedrich Engels, PREFÁCIO À EDIÇÃO ALEMÃ DE 1890 do Manifesto Comunista). Não dá para conciliar mais.

Neste momento, em que a crise mundial de 2008 chegou de forma retardatária ao Brasil em 2013, com a queda dos preços das chamadas “commodities”, produtos primários (carne, soja, minério de ferro, etc), provocando a queda da taxa de lucros dos bancos e das empresas, o imperialismo e a burguesia passaram a defender o golpe, visando adotar  uma política de “austeridade”, ou seja, de ajuste fiscal, de ataque brutal às condições de vida dos trabalhadores e da maioria oprimida nacional.

Todavia, a partir do momento em que a burguesia nacional e o imperialismo norte-americano colocaram em marcha o golpe de Estado contra Dilma, o PT adotou uma política de capitulação sistemática. 

O PT foi incapaz de defender seus militantes condenados sem prova pelo Supremo Tribunal Federal, com base na nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato”, repetindo a dose na nazi-fascista “Operação Lava-jato”, onde prisão cautelar é usada para obter a “confissão” e “delação premiada”, esta última um instituto nitidamente também nazi-fascista.

A direção majoritária do PT, a CNB (Construindo um Novo Brasil), a antiga Articulação, passa para os militantes que o “impeachment” está morto, que não haverá golpe, ou seja, desarma a militância para o enfrentamento do golpe que está em marcha, com ilusões institucionais e constitucionais (quando a cada decisão o Supremo rasga a Constituição, como quando acabou com a presunção de inocência. e o Congresso Nacional aprova a lei criminalizando os movimentos populares e sociais, a pretexto de “antiterrorismo”),  aplainando o caminho para a reação, ao invés de organizar e colocar a militância nas ruas.

A burguesia e o imperialismo devem pagar pela crise. Não se pode perder de vista nunca que a “A história de toda sociedade até nossos dias é a história da luta de classses”; que “A emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores.” E que essa “luta sem trégua, ora velada, ora aberta, luta que a cada etapa conduziu a uma transformação revolucionária de toda sociedade ou ao aniquilamento das duas classes em confronto” (Karl Marx e Friedrich Engels, no Manifesto Comunista).

Constatamos, pois, que embora digam que a gratidão seja a primeira das virtudes, não é um sentimento político. Tanto que apesar da política de colaboração de classes do PT ter beneficiado como nunca a burguesia, ela não tá nem aí nesse momento de crise, ou seja, está só preocupada em reverter a queda da taxa de lucros e para isso prepara-se para remover o PT do governo, por meio do serviçal do imperialismo norte-americano Eduardo Cunha, que recebeu milhões de dólares, para escravizar os trabalhadores e a maioria oprimida da nação com terceirização, fim das aposentadorias e pensões, e fins dos programas sociais.

Assim, a alternativa do Partido dos Trabalhadores é mobilizar a militância para as ruas, juntamente com a frente antigolpista com o PCdoB, PCO, CUT, CTB, MST, MTST, UNE, UBES e todos movimentos populares e sociais, rompendo com os partidos burgueses, para derrotar o golpe da burguesia nacional e o imperialismo norte-americano.

Ignácio Reis

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Mobilizar a militância: vêm aí os Encontros Setoriais do PT de 2016

Os Encontros Setoriais do PT de 2016 serão realizados a partir de abril, sendo que a organização dos mesmos irá começar brevemente.

Serão vários encontros estaduais e nacional, relativos aos Setoriais, como de Saúde, Combate ao Racismo, Juventude e Mulheres, etc.

Tendo em vista a crise vivida pelo Partido dos Trabalhadores, neste período, em razão da política de colaboração de classes da direção majoritária, a CNB (Construindo um Novo Brasil), é fundamental que os militantes classistas e da base do partido se levantem contra essa política em todas as instâncias e em todos os organismos e fóruns partidários, como agora nos Encontros Setoriais.

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista (TML) saúda a realização dos Encontros Setoriais do PT de 2016, transcrevendo o trecho abaixo, do Programa de Transição da IV Internacional, elaborado por Leon Trotsky, sobre a juventude e as mulheres, bem como renovamos a publicação de um artigo do companheiro David Zamory, da Juventude do PT, ex-dirigente do Diretório Municipal do PT de São Bernardo do Campo, hoje estudante de filosofia em Santa Catarina, “Qual é o  papel da Juventude do PT na atual conjuntura?”, pela relevância das questões colocadas e em razão de ter mantido a sua atualidade:

“A renovação do movimento faz-se pela juventude, livre de toda responsabilidade pelo passado. A Quarta Internacional dá uma excepcional atenção à jovem geração do proletariado. Toda sua política se esforça em inspirar à juventude para que confie em suas próprias forças e em seu futuro. Apenas o revigorante entusiasmo e o espírito ofensivo da juventude podem assegurar os primeiros sucessos na luta; apenas esses sucessos podem fazer voltar ao caminho da revolução os melhores elementos da velha geração. Sempre foi assim. Continuará sendo assim.

As organizações oportunistas, por sua própria natureza, concentram sua atenção principalmente nas camadas superiores da classe operária e, consequentemente, ignoram igualmente a juventude e as mulheres trabalhadoras. Entretanto, a época de declínio capitalista atinge cada vez mais duramente a mulher, tanto a assalariada quanto a dona- de-casa. As secções da Quarta Internacional devem procurar apoio nas camadas mais exploradas da classe operária e, consequentemente, entre as mulheres trabalhadoras. Encontrarão aí inesgotáveis fontes de devotamento, abnegação e espírito de sacrifício.

Abaixo a burocracia e o carreirismo!

UM LUGAR À JUVENTUDE E ÀS MULHERES TRABALHADORAS!
Estas são palavras de ordem inscritas com destaque na bandeira da Quarta Internacional.”



*Por David Zamory
Qual é o papel da Juventude do PT na atual conjuntura?

No próximo dia 20 de novembro começa o terceiro Congresso Nacional da Juventude do Partido dos Trabalhadores. Os filiados e filiadas jovens do Partido dos Trabalhadores, a chamada Juventude do PT(JPT), é um típico exemplo do dito popular “o todo maior do que a soma de suas partes”, isso porque enquanto as diversas correntes que compõe o PT disputam com outras forças politicas a hegemonia do movimento estudantil, o PT, enquanto partido de massas que é, sempre atraiu muito mais jovens do que a população universitária do país que na verdade ainda é muito pequena se comparada ao total de jovens brasileiros.

Durante muito tempo, estando ou não dentro da universidade, participando ou não do movimento estudantil, filiar-se ao PT tão logo completasse seus 18 anos, era sinônimo de ser politizado, andar com a camiseta do PT, bótons, adesivos, bandanas, fazer com a mão o L de Lula, tirar o titulo de eleitor aos 16 anos pra poder votar no PT, tudo isso era o simbolismo de que você acreditava na mudança e mais do que isso, de alguma forma queria fazer parte dessa mudança. A própria fundação do PT representou uma mudança de geração dentro da esquerda brasileira, só para citar um exemplo, Lula tinha apenas 30 anos quando se tornou presidente do Sindicato dos Metalurgicos do ABC e 35 anos quando o partido foi fundado.( Os coletivos de juventude dentro da Central Unica dos Trabalhadores, hoje são formados por trabalhadores na faixa etária entre 16 e 35 anos.)  

É bem verdade que, em um partido que ao longo dos anos foi se transformado, de um partido orgânico da classe trabalhadora, em uma maquina eleitoral, muitos desses jovens que não estavam interessados em carreiras politicas sentiram-se cada vez mais sem ter o que fazer no partido, mas o petismo sempre foi maior que o PT então, permanecer filiado ao menos parecia ser uma forma de ajudar. Para tentar organizar essa massa de jovens e transforma-la em uma energia de transformação para dentro e para fora do partido surge a Secretaria de Juventude do PT, porém, infelizmente a avaliação que podemos fazer é que de uma maneira geral, esta falhou miseravelmente.

Na prática a secretaria de juventude do PT apenas reproduz em menor nível a burocracia partidária, onde a corrente majoritária( CNB ) se utiliza da estrutura e dos recursos dos cargos parlamentares e  de governos municipais e estaduais que exercem em nome do partido, para produzir maiorias pouco politizadas, que mantém uma cúpula formada em sua maioria por jovens assessores destes mesmos parlamentares. O que é ótimo para esses vereadores e deputados estaduais e federais, já que enquanto seus jovens auxiliares mantém seu desejo de protagonismo contido nessa inócua estrutura partidária, podem manter-se como meros coadjuvantes em seu trabalho nos gabinetes.

Já as correntes que compõe a chamada esquerda petista, apesar de alguns discursos críticos, pouco conseguem fazer além de legitimar essa burocracia principalmente porque quando se sente ameaçada, a corrente majoritária se apressa em distribuir alguns cargos, a velha estratégia de ceder alguns anéis para não perder os dedos, e muitos que compõe essa dita esquerda se apressam em pegar esses cargos, como pombas se estapeando pelo farelo que cai da mesa.

Se podemos dizer que “toda generalização é burra” é preciso destacar que em todo o país existem algumas valorosas exceções, mas o status quo da juventude do PT é essa.

O resultado disso, é que a JPT ao longo de sua existência pouco fez além de ajudar a esmagar os sonhos de mudança dessa juventude que se filiava espontaneamente ao partido e criou um fosso entre o PT e a juventude que desde 2013 vai as ruas em busca daquela mudança que o PT prometia.

Porém, todos nós temos a oportunidade de viver em um momento de virada histórica, no Brasil e no mundo, fruto da crise que se iniciou em 2008 e que vem promovendo os maiores ataques a classe trabalhadora e a juventude em mais de 70 anos, e por consequência, também as maiores lutas. Para estar a altura desse momento histórico, é preciso reconectar a juventude do PT com a juventude que está disposta a lutar em todo o país e que está cansada da velha politica e dos velhos políticos. E não se faz isso defendendo a colaboração de classes da direção do partido e do governo e muito menos, defendendo a burocracia partidária, já que foi exatamente isso que nos levou a essa conjuntura atual que ameaça destruir o partido e reconduzir a direita reacionária de volta ao comando central do governo federal no Brasil. É preciso romper com tudo isso.

No Congresso Nacional da JPT, aqueles realmente dispostos a lutar ao lado da juventude combativa desse país, devem demarcar posição contra a colaboração de classes, defendendo o rompimento da aliança com o PMDB e demais partidos capitalistas, todos aqueles que encamparem essa luta, independente da corrente de que façam parte devem se organizar para romper com a burocracia e isola-la, constituindo um comite nacional de luta da juventude em defesa do PT e de sua carta de princípios. Esse comitê deverá iniciar um amplo processo de mobilização de todos aqueles jovens filiados insatisfeitos com os rumos do partido, para reconquistar o PT para os trabalhadores.

Na atual situação politica, só ha duas possibilidades para a JPT, ou afundar junto com o partido, ou se tornar a força capaz de transformá-lo.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Plenário da Câmara aprova Estado de Sítio Permanente e criminaliza movimentos populares

Os deputados e senadores aprovaram  sob pressão, ou seja, “em meio ameaça de  organismos internacionais de aplicar sanções ao país,” leia-se principalmente o imperalismo norte-americano, “o plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta (24) projeto de lei que tipifica o crime de terrorismo no Brasil, com a pena que vai de 12 a 30 anos de prisão.” (Folha de S. Paulo, 25/2).

Estabeleceu-se definitivamente o “apartheid” no Brasil, pois uma pessoa pode ficar presa até mais que  Nelson Mandela, que ficou 26 anos preso na África do Sul.

Conforme informado, pela imprensa, o “O texto, de autoria do Poder Executivo, mas alterado pelo Congresso, irá agora para a sanção da presidente Dilma Rousseff. A votação foi simbólica (sem registro nominal dos votos).” (Idem).

O texto proíbe a manifestação de rua, abrindo espaço para maior repressão aos movimentos sociais e populares, estimulando o aparato repressivo mantido intacto pela Constituição Federal de 1988, com a não dissolução das polícias militares, denunciado à época pelo Partido dos Trabalhadores, que se recusou a assinar a mencionada Constituição, sendo que tal aparato repressivo hoje foi aumentado com a criação da "Força Nacional", as guardas civis e metropolitanas, e a proliferação das “empresas de segurança”, o que tem propiciado o verdadeiro genocídio da população jovem e negra das periferias das cidades.

O PSOL e o PCdoB mantiveram-se contra a lei afirmando que: “Apesar disso, PSOL e PDdoB afirmam que a lei tem o objetivo, na verdade, de criminalizar os movimentos sociais, levando-se em conta a ausência de histórico terrorista no país.”  e “‘É um ato de sabujismo do governo’, criticou o líder do PSOL, Ivan Valente (RJ)”.  (Idem).

Além disso, o objetivo imediato da lei é dar continuidade à guerra civil contra a população pobre dos morros do Rio de Janeiro: “Devido à proximidade da Olimpíada, a ser realizada em agosto no Rio de Janeiro, o governo federal pediu nesta semana aos líderes dos partidos aliados que priorizassem a votação do projeto.”

A gravidade da “lei antiterrorismo” fica demonstrada também pela atitude do líder do MTST:
“O coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) Guilherme Boulos apresentou ao ministro Jaques Wagner (Casa Civil), momentos após a aprovação da lei antiterrorismo, um pedido para que a presidente Dilma Rousseff vete ao menos três pontos do texto que, segundo ele, podem criminalizar os movimentos sociais.
São os artigos que permitem qualificar o dano ao patrimônio como terrorismo e os que dispõem sobre “apologia ao terrorismo” e “atos preparatórios”. Para Boulos, sobretudo nesses pontos, a lei abre brecha para o arbítrio do juiz e do delegado de polícia. “Apresentamos a ele [Wagner] nosso repúdio à lei. A presidente foi presa na ditadura, qualificada como terrorista. É lamentável que ela patrocine esse projeto”, disse.” (Idem).

Além especialistas se pronunciaram, como Rafael Custódio, da ONG Conectas:
“Não existe consenso sobre o que é terrorismo e como identificá-lo. Diante de uma lei subjetiva, operadores da Justiça podem criminalizar movimentos como os de estudantes ou de reforma agrária”. (Idem).

O problema é agravado ainda pelo fato de que a direção majoritária do Partido dos Trabalhadores, a CNB (Construindo um Novo Brasil), sob pressão da burguesia e imperialismo norte-americado, perdeu completamente o rumo neste período, inclusive aprovando a lei entreguista do pré-sal de José Serra, ou seja, a direção majoritária do PT está levando ao extremo a política de colaboração de classes, que poderá liquidar com o partido.

Assim sendo, para combater essa política liquidacionista, as demais tendências internas do PT e os militantes de base, neste momento dramático para a existência da nossa agremiação partidária, é necessário que façamos a convocação de um Congresso Extraordinário do Partido dos Trabalhadores o mais rápido possível, com a seguinte pauta mínima  (podendo logicamente ser acrescida de outros pontos):  1) Conjuntura Nacional e Internacional;  2) Elaboração de um novo programa para o partido, rompendo com a política de colaboração de classes; 3) Organização da Luta contra o Golpe e 4) Eleição uma nova direção para o partido.  

Ignácio Reis

Dilma faz acordo com o PSDB e Senado aprova lei entreguista de Serra do pré-sal

A presidente Dilma fez acordo com o PSDB para aprovação no Senado da lei entreguista de Serra do pré-sal, demonstrando, assim, que a direção majoritária do Partido dos Trabalhadores parece que perdeu totalmente o rumo, levando ao extremo a política de colaboração de classes, agravando a situação de encruzilhada em que vive o partido.

Como noticiou a Folha de S. Paulo de ontem, 25/2: 

“Com o aval do governo, o Senado aprovou, nesta quarta-feira (24), o fim da obrigatoriedade da Petrobras de manter uma participação mínima de 30% nos consórcios de exploração do pré-sal.
O texto, que agora segue para a Câmara, retira a condição da Petrobras de ser a operadora única do pré-sal. Na prática, ele cria condições para que empresas estrangeiras participem sozinhas dos próximos leilões.”

Embora a lei aprovada tenha constado que: “Diferentemente do texto inicial, a Petrobras vai precisar fazer uma defesa técnica no CNPE (Conselho Nacional de Política Energética), que submeterá a decisão final à presidente Dilma.”  (Idem). Isso não é garantia de nada, tendo em vista política de concessões de Dilma e da direção majoritária do Partido dos Trabalhadores.

O Senador Lindemberg Farias do PT ficou revoltado, dizendo que foi traído, assim como parte da bancada petista no Senado demonstrou descontentamento. 

A própria presidenta Dilma havia se pronunciado contra o projeto anteriormente, “Em conversas recentes, a petista classificou o projeto como “absurdo” e considerou que não era hora de alterar as regras de exploração de campos do pré-sal diante da volatilidade do mercado internacional do petróleo.” (Idem).

A Folha de S. Paulo demonstrou parte das desvantagens da lei aprovada:
“DESVANTAGENS
- A Petrobras pode deixar de apostar em áreas que depois se mostrem altamente produtivas. Caso o preço do barril volte a subir, seria uma oportunidade perdida de aumentar seus lucros
-  A mudança pode inviabilizar o desenvolvimento de tecnologia nacional para a extração de petróleo em águas profundas”

O problema é agravado ainda pelo fato de que a direção majoritária do Partido dos Trabalhadores, a CNB (Construindo um Novo Brasil), sob pressão da burguesia e imperialismo norte-americano, perdeu completamente o rumo neste período, inclusive  além de aprovar a lei entreguista do pré-sal de José Serra, aprovou também a “lei antiterrorismo”, que criminaliza os movimentos sociais e populares.

A direção majoritária do PT está levando ao extremo a política de colaboração de classes, que poderá liquidar com o partido.

Assim sendo, para combater essa política liquidacionista, as demais tendências internas do PT e os militantes de base, neste momento dramático para a existência da nossa agremiação partidária, é necessário que façamos a convocação de um Congresso Extraordinário do Partido dos Trabalhadores o mais rápido possível, com a seguinte pauta mínima  (podendo logicamente ser acrescida de outros pontos):  1) Conjuntura Nacional e Internacional;  2) Elaboração de um novo programa para o partido, rompendo com a política de colaboração de classes; 3) Organização da Luta contra o Golpe e 4) Eleição uma nova direção para o partidária.  

Ignácio Reis

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Nota política da Frente Resistência contra a política neoliberal de Sartori, no Rio Grande do Sul

A TML publica abaixo a Nota Política da Frente Resistência contra o governo neo-liberal Sartori, no Rio Grande do Sul:

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Contra a política neoliberal do governo Sartori! Em defesa da população e dos servidores do RS!

Nota política da Frente Resistência
20 de fevereiro de 2016

A atual administração do governo do Estado do Rio Grande do Sul, sob o PMDB com Ivo Sartori, a pretexto de déficit das finanças públicas, tem congelado salários, atrasado pagamentos (inclusive à União), causando estancamento das receitas do Estado e diminuindo o número dos servidores públicos ao não repor as vagas abertas com aposentadorias. 

Na visão formada pela mídia, há duas possibilidades: a incompetência do governador que colocou o Estado entre um dos mais violentos por falta de segurança pública, ou de um governo herdeiro e amarrado pela dívida do antecessor, Tarso Genro do PT, que “irresponsavelmente” deu um reajuste de 76,68% ao magistério ao longo de seu governo.

O que ocorre na verdade é a implantação da cartilha neoliberal de redução do tamanho do Estado, repassando à sociedade civil parte das atribuições estatais. Exemplo disso é o Projeto de Lei (PL) 103/2015, Programa Estadual “Escola Melhor: Sociedade Melhor”, sancionado em 2015, que prevê a possibilidade de fornecimento, por parte da iniciativa privada, de serviços ou suprimentos às escolas em troca de espaço para propaganda.

Outro exemplo é o que vem ocorrendo na segurança pública. Apesar de existir um número de aprovados pelo concurso feito na época de Tarso, aguardando a nomeação, Sartori impede que os candidatos aprovados assumam suas vagas, mesmo ante um quadro de servidores defasados. Entre suas últimas propostas está a contratação de reservistas do Exército, não concursados, para as polícias. Isso representa uma economia para o Estado, vide que na remuneração do contratado não incide plano de carreira. Nós da Frente Resistência não temos nenhuma solidariedade para com as polícias bem como denunciamos seu inerente papel repressivo, ao contrário da esquerda pequeno-burguesa que enxerga os agentes do aparato de segurança como “trabalhadores”. Todavia, também nesse caso -a substituição de um capataz por outro capataz, mas precarizado- fica evidente a ótica de desmanche neoliberal promovido pelo governo peemedebista.

É fundamental que todas as forças de esquerda, populares e progressistas se unam para combater o desmantelamento estatal e a privatização do interesse público. Seja no RS ou em qualquer canto do país, a nefasta e antioperária política neoliberal tem recrudescido sua sanha cada vez mais, e merece a resposta adequada.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Faleceu o Mestre Internacional Hélder Câmara, um dos precursores do moderno xadrez brasileiro

O Mestre Internacional de Xadrez Hélder Câmara faleceu no sábado, dia 20 de fevereiro, aos 79 anos.

Hélder nasceu no dia 7 de fevereiro de 1937, sendo que começou a se destacar no xadrez com  a idade de 17 anos, quando foi campeão cearense. Depois foi tri-campeão carioca e paulista, chegando a ser campeão brasileiro em 1963 e 1968 e quatro vezes vice-campeão brasileiro (1961, 1964, 1966 e 1969), ou seja, praticamente liderou o xadrez brasileiro na década de 1960.

Além disso, disputou as olimpíadas de xadrez de Lugano, na Suiça, em 1968; Siegen, na Alemanha, em 1970; Skopie, na Iugoslávia, em 1972; Nice, na França, em 1974;  La Valetta, em Malta, em 1980; e Thessaloniki, na Grécia, em 1984.

Criou uma defesa no xadrez, que passou a se chamar Defesa Câmara, em sua homenagem (1. e4, e6; 2. Cf3; De7), repetindo o feito de um antigo enxadrista campeão brasileiro, Octávio Trompowsky, que antes dele havia criado a Abertura Trompowsky. 

Manteve colunas nos principais jornais, como a última (que eu me lembro), no Diário de São Paulo, bem como era escritor, com duas obras que se destacaram, como Caissa: 64 Crônicas de Xadrez (2006) e Diagonais: crônicas de xadrez (1996). Além disso, tinha um Blog sobre xadrez simplesmente maravilhoso.

Era um amante da nobre arte, o boxe, sendo que, se não estou enganado, chegou a praticar. 

Conheci Hélder quando tinha 14 anos e passei a frequentar o Clube de Xadrez São Paulo no início da década de 1970, mais precisamente em 1972, quando participei do meu primeiro Campeonato Paulista de Xadrez. Hélder obteve o título de mestre internacional no Sul-Americano realizado no Brasil nesse ano. Na época, Hélder concorria com Henrique da Costa Mecking, o Mequinho, que havia se tornado a nosso maior astro, ganhando, em 1973, o Interzonal de Petrópolis. Mequinho veio a ser logo depois o terceiro melhor jogador do mundo, atrás apenas de Anatoly Karpov e Victor Kortchnoi. 

Em uma oportunidade, num daqueles torneios abertos que o Clube de Xadrez São Paulo promovia, enfrentei Hélder, que de brancas, jogou o Sistema Cole, sendo que joguei um c5 e contra-ataquei de forma arriscada pela coluna “c”, conseguindo uma boa posição, que causou preocupação ao meu grande adversário, no entanto, ainda no meio-jogo, Hélder jogou um Bh6, iniciando um ataque demolidor. No clube, por ser de Osasco, na época, a partida foi acompanhada com um certo interesse, porque senão me engano o Nivaldo Freixeda ou Sílvio Cunha Pereira, que também eram de Osasco, um deles havia ganho do Hélder, há algumas semanas. Depois que terminou o jogo, Hélder meio que justificou a partida, de certo modo, disputada, perante o pessoal do clube, dizendo: “Pô, o Aragão é piolho do clube.” 

Outra lembrança do Hélder, já em São Bernardo do Campo, a cidade que adotei, foi em 1973 ou 1974, quando passei a integrar a equipe da cidade e ele representava a equipe principal da cidade nos Jogos Abertos,  juntamente com Alan Nailly (não me recordo ao certo a grafia), Sérgio Aranha e um terceiro que não mais recordo o nome. Eles chegaram atrasados e perderam por W.O. em uma das rodadas (foram almoçar e se perderam na cidade), o que prejudicou a equipe de São Bernardo duplamente, porque vigorava um sistema em que a equipe vencedora ganhava 3 pontos, empate 2 e derrota 1, sendo que, em caso de W.O., a equipe ficava com zero ponto. Hélder não se conformava, dizendo que era torneio de xadrez e não torneio de “bom comportamento”.

Reencontrei Hélder, quando estudava na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, no Largo São Francisco, na Sala do Estudante, quando ele compareceu para assistir uma palestra de seu tio, Dom Hélder Câmara.

A última lembrança de Hélder é de mais ou menos uns três anos, quando participei num torneio aberto da Liga de Xadrez de São Paulo, no Centro Acadêmico Osvaldo Cruz, da Faculdade de Medicina da USP. Na última rodada, perdi uma partida totalmente ganha, num final onde tinha enorme vantagem, por causa do tempo. Hélder acompanhou a partida e depois que ela terminou demonstrou que havia uma “rede de mate”. 

O xadrez é uma grande paixão, sendo que desde o início convivemos com perdas, como a do Antônio José França Garcia, do Colégio Antônio Raposo Tavares, o Ceneart, de Osasco, bi-campeão paulista universitário, e depois a de Lígia Abreu Carvalho, colega da USP, campeã brasileira e ativista revolucionária. Depois, perdemos o Antônio Rocha, o mestre internacional, campeão paulista e brasileiro, as campeãs de São Bernardo do Campo, Dona Otília e Dona Margareth, e o Maurício Murubayashi. Mas no último período está sendo demais, porque perdemos o Rômulo Berê, o André Cajal e seu companheiro da equipe romena infantil, Alexandru Sorin Segal, que ganhou até do grande Robert Hubner, um dos maiores enxadristas da década de 1970. Perdemos recentemente também outro colega de USP, o enxadrista Raul Gerson Kopenhagen Feld. 

Agora com a perda do Hélder não deu para segurar.

J. Aragão

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Maurício Soares: a saída de um oportunista do PT de S. Bernardo

Os militantes do PT de São Bernardo do Campo receberam, sem nenhuma surpresa, a notícia da saída do militante e ex-prefeito de São Bernardo do Campo, Maurício Soares, para ingressar no PSDB.

Não foi a primeira vez que Maurício Soares saiu do PT. Esse notório oportunista já havia rompido com o partido em outros momentos.

Nesta Administração petista, em São Bernardo do Campo, presidiu, oportunisticamente, durante quase todo o mandato do PT à frente da Prefeitura, a Fundação Criança, tendo, infelizmente para a Fundação e a Cidade, substituído o jovem, talentoso e jurista reconhecido nacionalmente como um dos maiores conhecedores da temática da criança e do adolescente, assim como dos Direitos Humanos, Dr. Ariel de Castro Alves, que na gestão anterior havia presidido a Fundação Criança de São Bernardo do Campo com a maior dedicação e abnegação.

Maurício fazia parte do setor direitista mais conservador e reacionário de nosso partido, com prática meramente assistencialista, eleitoreira e de colaboração de classes, contrário a uma política de independência de classe, dedicado a atacar a esquerda partidária, responsável por expulsar os antigos e históricos militantes da esquerda do PT nos anos 90, o que propiciou o curso direitista de nosso partido a partir de então, com o abandono da luta pela independência de classe e consequente adoção da política de colaboração de classes que levou o PT a esta encruzilhada que vivemos hoje, em razão de ter aplainado o terreno para a burguesia e o imperialismo norte-americano, que agora colocaram o “empeachment”, o golpe em marcha contra o governo Dilma. 

Maurício Soares sai do PT e desembarca exatamente no partido da burguesia pró-imperialista, o PSDB, para atacar o governo da presidente Dilma Rousseff, o governo do PT. Fica claro, assim, o trabalho de sapa que ele fazia na Administração petista de São Bernardo, a qual conclamamos, juntamente com os companheiros do partido de São Bernardo, a adotar a partir de agora tolerância zero com seus conhecidos aliados no seio do partido e da Administração petista, para que não soframos mais uma vez o “fogo amigo” e  para que não sejamos mais uma vez apunhalados pelas costas.

Erwin Wolf

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Tendência de virada à esquerda da classe operária nos EUA e na Grã-Bretanha

A dificuldade de crescimento dos Estados Unidos e a crise na Grã-Bretanha,  com a possibilidade de retirar-se da União Europeia, juntamente com o surgimento da candidatura de Bernie Sanders e a eleição de Jeremy Corbyn para a direção do Partido Trabalhista, ameaçam aprofundar a crise imperialista.

O Federal Reserve, o Banco Central americano, prevê um crescimento moderado e um aumento gradual da taxas de juros, quedas das ações e que a inflação subirá a 2%, conforme notícia no Blog em.com.br Internacional:

“FED: Situação econômica global dificulta crescimento dos EUA 
 postado em 10/02/2016 12:31
 AFP /Agence France-Presse
A presidente do Federal Reserve, o banco central americano, Janet Yellen, afirmou nesta quarta-feira sua preocupação com o impacto da desaceleração da economia global no desempenho dos Estados Unidos, que faz com que ela preveja um crescimento moderado e um aumento gradual das taxas de juros.
"A evolução econômica global supõe riscos para o crescimento dos Estados Unidos", afirmou Yellen.
Ela também assinalou que "as incertezas sobre a política cambiária na China aumentam a volatilidade dos mercados financeiros".
Falando ante o Congresso americano, a titular do Fed considerou também a existência de condições financeiras menos favoráveis nos Estados Unidos ante a queda das ações e o aumento do dólar, o que pode "pesar na atividade e no mercado de trabalho".
"O Comitê Monetário acompanha de perto os acontecimentos econômicos", assinalou, reiterando o que foi destacado no último comunicado do FOMC no final de janeiro, quando manteve sem alterações a taxa básica de juros.
O Fed aumentou levemente as taxas em dezembro, depois de sete anos de taxa zero para indicar a recuperação econômica americana.
Yellen evitou fechara explicitamente a porta para uma nova alta na reunião de março próximo.
"O Comitê prevê que as condições econômicas evoluam de tal forma que apenas se requer uma alta gradual das taxas".
Ela reiterou ainda sua confiança que a inflação, muito reduzida há tempos devido aos baixos custos da energia, subirá a 2% em médio prazo.
Da mesma forma, destacou os notáveis progressos no mercado de trabalho.”

A volta da inflação, ainda que no patamar de 2%, é considerável, sendo que os “notáveis progressos no mercado de trabalho” é um exagero, pois os EUA, em dezembro de 2014, tinham 156 milhões de trabalhadores, sendo que 8,7 milhões de desempregados, enquanto em agosto de 2015 sua taxa de desemprego era de 5,1%, tendo passado para 4,9% em janeiro de 2016, o que demonstra uma redução pequena do desemprego, provavelmente, os desempregados nos Estados Unidos sejam 8 milhões de trabalhadores, o que não deixa de ser um absurdo porque é a nação mais rica do planeta, que explora a maioria dos países, não consegue uma política de pleno emprego, comprovando a decadência do capitalismo na era imperialista. Além do que o racismo nos Estados Unidos segue com os assassinatos dos negros, como em Baltimore e Ferguson, e o encarceramento dos mesmos. Os EUA têm uma das maiores populações carcerárias do mundo, sendo que a maioria são negros. Dizem que na América do Norte hoje há mais negros presos do que havia escravos antigamente. Ainda, o direito ao aborto vem sendo atacado, com a criminalização das mulheres, conforme artigo que reproduzimos no nosso Blog, escrito pelos camaradas do Communist Workers Group (CWG/EUA), ao qual remetemos os leitores.

Por outro lado, a Grã-Bretanha cogita até em romper com a União Europeia, agravada pela “crise migratória” (provocada pelos próprios países imperialistas europeus, como Inglaterra e França que se aliam aos Estados Unidos e despejam milhões de bombas nos países semi-coloniais do Norte da África e Oriente Médio, como Mali, Líbia, Iraque, Síria, etc., com objetivos "estratégicos" e "nobres", como, por exemplo, de se apoderar, roubar petróleo, derrubar governos nacionalistas, numa prática verdadeiramente pirata, com sua aviação e seus marines), consoante o Blog G1:

“19/02/2016 06h28 - Atualizado em 19/02/2016 06h52
UE avança com Grã-Bretanha, 'mas resta muito por fazer', diz Tusk
Presidente do Conselho Europeu notou avanço nas negociações desta 5ª.
Bloco tenta evitar saída do Reino Unido.
Da France Presse
As negociações para oferecer à Grã-Bretanha um acordo que evite sua saída da União Europeia (UE) registraram avanços nesta quinta-feira (18), em Bruxelas. "Mas resta muito por fazer",  segundo o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.
"Fizemos avanços, mas resta muito por fazer", afirmou Tusk, ao fim do primeiro dia desta
cúpula que continua amanhã entre os líderes europeus.
Nas próximas horas, haverá várias reuniões bilaterais para avançar no tema, disse Tusk, acrescentando que a UE convocou uma reunião especial para março, dedicada à crise migratória.

UE realiza cúpula para evitar saída do Reino Unido do bloco
Negociações sobre saída do Reino Unido da UE entram em sua reta final
O presidente francês, François Hollande, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, e seu colega tcheco, Bohuslav Sobotka, participarão desses encontros, juntamente com Tusk e com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.
O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, disse estar otimista quanto às chances de um compromisso. "Eu acho que as coisas vão bem. Espero que tenhamos um acordo amanhã (sexta-feira)", afirmou Rajoy.
Ainda segundo Donald Tusk, a UE convocou, para o início de março, uma reunião especial com a Turquia dedicada à crise migratória. "Antes desta reunião havia alguns que questionavam a necessidade de resolver o problema da crise dos refugiados junto com a Turquia", comentou Juncker, na mesma entrevista coletiva.
Porém, “não há alternativa”, na avaliação dele.  Há a necessidade de ter uma "boa, inteligente e sábia cooperação com a Turquia". Após a coletiva, Tusk e Juncker teriam uma reunião com Cameron.
Pressão
O primeiro-ministro britânico, David Cameron, pressionado pela ala eurocética de seu partido e pelas formações antieuropeias, prometeu organizar um referendo sobre a permanência do Reino Unido na UE, e pediu reformas a seus 27 sócios, que colocaram em evidência suas divisões.
Caso não se alcance um acordo, Cameron disse que tudo será possível, inclusive que seu país se transforme no primeiro a abandonar o bloco.
Entre as exigências do Reino Unido, está a de obter salvaguardas para os países que não usam o euro e que as decisões dos 19 países que usam a moeda única não sejam tomadas em detrimento dos outros, assim como aumentar a competitividade e uma opção de se manter à margem de uma maior integração da UE.
Cameron também pediu que sejam limitadas as ajudas sociais aos estrangeiros na Grã-Bretanha, e esta é a exigência mais controvertida.”
O premiê britânico também quer implementar um prazo de quatro anos antes que os migrantes de outros países do bloco possam ter acesso a ajudas sociais e subsídios habitacionais.
Outros países europeus, particularmente os emissores de migrantes, consideram que esta prática é discriminatória e contrária ao princípio da livre circulação na UE.”

A crise vivida pela imperialismo norte-americano e britânico é agravada pela candidatura do senador norte-americano Bernie Sanders e pela eleição de Jeremy Corbyn, em setembro do ano passado, para liderar o Partido Trabalhista britânico.

Bernie Sanders concorre nas primárias do Partido Democrata (um dos principais partido do imperialismo americano, o outro é o Partido Repúblicano, que tem como principal candidato Donald Trump) com a senadora americana Hillary Clinton, mulher dos ex-presidente Bill Clinton, representante do capital financeiro norte-americano, do imperialismo americano.

Bernie elegeu-se senador sem partido. Agora surpreende ao conseguir algumas vitórias frente a Hillary Clinton.

Bernie apresenta-se como “socialista democrata”,  defendendo o “Socialismo democrático significa que nós devemos criar uma economia que funcione para todos, não apenas para os muito ricos”. “O debate acabou. As mudanças climáticas são reais e causadas por atividade humana.” “Ele quer taxar as emissões de carbono, cortar os subsídios aos combustíveis fósseis e investir em tecnologias para energia limpa.” “A universidade é o novo ensino médio.” “...a igualdade de classes será impossível se a maioria dos americanos não tiver acesso ao ensino universitário.” “Ele montou um plano para tornar gratuitas as mensalidades por intermédio da taxação dos mercados financeiros em Wall Street.” Defende a posse de armas. “‘Vidas de negros importam’. Embora Sanders tenha sido vaiado em um evento de sua própria campanha por membros do grupo Black Lives Matter, ele vem se encontrando com ativistas e concorda que a alta taxa de desemprego e encarceramento entre afro-americanos é uma evidência de racismo sistêmico nos Estados Unidos. Ele defende a reforma da Justiça criminal como saída para o problema. “Ele não aceita recursos dos chamados super PACs. Sanders se orgulha de que os doadores de sua campanha são majoritariamene indivíduos, que contribuem, em média, com US$ 27. Ele chama de “desastrosa” a decisão da Suprema Corte Americana que deu aos supers PACs, comitês que recolhem doações em nome dos candidatos, o direito de arrecada dinheiro de corporações e sindicatos. “Não acho que bilionários devam ter o poder de comprar políticos”, ele disse. “‘O salário mínimo deveria ser US$ 15 por hora (aproximadamente R$ 60 reais – Nota de Ignácio Reis), em vez dos atuais US$ 7,25. Sanders afirma que ninguém que trabalhe 40 horas por semana deveria viver em condição de pobreza.’” “‘Americanos estão cansados do bipartidarismo’. Por décadas, Sanders tem criticado tanto o partido Republicano quanto o Democrata, afirmando que os dois estão atados ao dinheiro das corporações. Sanders foi eleito para o Senado como independente, e muitos disseram que a rejeição do senador aos dois partidos o deixa isolado e sem força. Sanders argumenta que seu perfil é que faz crescerem suas bases.” “‘Ele prefere viajar de classe econômica.” “‘Os EUA deveriam adotar o sistema universal de saúde, pago pelo governo federal’. Sanders regularmente expões sua admiração pelos sistemas de saúde do Canadá e dos países escandinavos.” “‘US$ 1 trilhão de gastos em infraestrutura’.Sanders quer criar empregos com pesados investimentos em estradas, pontes, sistemas de tratamento de água, ferrovias e aeroportos, que gerariam, segundo ele, 13 milhões de novos postos em cinco anos.” “‘Taxar os ricos’. Sanders quer pagar a maior parte de suas propostas com a criação de uma série de impostos e taxas, a maioria dos quais incidindo sobre os americanos ricos: gestores de fundos hedge, especuladores em Wall Street e grandes empresários. “‘A invasão ao Iraque jamais deveria ter acontecido’. Sanders votou contra a guerra iniciada em 2002 e afirma que não mudou de opinião. Ele chama a invasão de “a pior estupidez da política externa na história do país.” “‘Nada de tropas em terra na Síria ou no combate ao Estado Islâmico’. Sanders acredita que a diplomacia deve sempre vir primeiro na política externa e afirma que os países do Oriente Médio devem liderar o combate na região contra o Estado Islâmico.” (BBC, em 15/01).

Já Jeremy Corbyn, na Grã-Bretanha, defende investimentos industriais pelo Estado e a renacionalização das ferrovias e o apoio financeiro à segurança social, sendo que manifestou-se pelo fim da OTAN, entendendo que esta deveria ter sido extinta juntamente com a Guerra Fria, bem como manifestou-se contrário à renovação do armamento nuclear britânico.

Os “fenômenos” Sanders e Corbyn, pela magnitude, sinalizam, para o próximo período,  uma gigantesca crise do imperialismo. Um surge como candidato a liderar um dos principais partidos dos Estados Unidos, o principal país do planeta, enquanto o outro já lidera o principal partido inglês. 

Logicamente que não representam nenhuma tendência revolucionária, mas demonstram a crise do imperialismo, de seus principais partidos, indicando que há uma forte tendência da classe operária norte-americana e britânica de darem um giro à esquerda, sacudindo o  imperialismo norte-americano, do falcão Obama, que tem patrocinado uma média de 1 golpe por ano no seu governo (Honduras,Paraguai, Ucrânia - neste país, os nazistas foram apoiados pelos israelenses - Egito, Líbia, Síria, etc.), bem como o imperialismo comparsa da União Europeia.

O imperialismo, como dizia Vladimir Lênin, é o estágio superior do capitalismo, é a época dos monopólios, do capital financeiro (fusão do capital industrial com o bancário). É a época da reação em toda linha (OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte, marines, drones, golpes de estado etc.), de guerra e revoluções.

Abre-se, pois, uma enorme perspectiva do desenvolvimento de um poderoso movimento da classe operária norte-americana e britânica, as quais poderão construir poderosos partidos operários marxistas revolucionários e independentes, seções de uma futura Internacional Operária Revolucionária.  

Nos Estados Unidos, a Tendência Marxista-Leninista simpatiza com o trabalho dos companheiros do Communist Workers Group (CWG/EUA).

Ignácio Reis

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

120 anos de André Breton e da Arte Revolucionária

Há 120 anos nascia o poeta surrealista André Breton,  no dia 19 de fevereiro de 1896, em Tinchebray (Orne).

Embora tenha iniciado os estudos de medicina, por pressão de sua família modesta, foi mobilizado pelo exército, como enfermeiro para a cidade de Nantes em 1916, onde travou contato com Jacques Vaché, um jovem sarcástico e niilista, que morreu aos 24 anos. Este jovem influenciou muito a André Breton, fazendo com que diminuísse a influência de  Paul Valéry (“enfraquecendo a influência de Paul Valéry e, deste modo, determinando tanto a sua concepção de “Poète” (Le Pohète segundo Vaché) como a de humor e de arte.”) (Wikipédia).

Breton foi escritor, poeta, teórico do surrealismo e revolucionário marxista.

Em seguida, “Em 1919, Breton funda com Louis Aragon e Philippe Soupault a revista Littérature e entra também em contato com Tristan Tzara, fundador do Dadaismo.” (Idem).

Depois, “Em Les Champs magnétiques (escrito em colaboração com Soupalt), coloca em prática o princípio da escrita automática. Breton publica o Primeiro Manifesto Surrealista, em 1924.” (Idem).

Reproduzimos abaixo um trecho:

“Só com muita fé poderiam nos contestar o direito de empregar a palavra SURREALISMO no sentido muito particular em que o entendemos, pois está claro que antes de nós esta palavra não obteve êxito. Defino-a pois uma vez por todas. SURREALISMO, s.m. Automatismo psíquico puro pelo qual se propõe exprimir, seja verbalmente, seja por escrito, seja de qualquer outra maneira, o funcionamento real do pensamento. Ditado do pensamento, na ausência de todo controle exercido pela razão, fora de toda preocupação estética ou moral. ENCICL. Filos. O Surrealismo repousa sobre a crença na realidade superior de certas formas de associações desprezadas antes dele, na onipotência do sonho, no desempenho desinteressado do pensamento. Tende a demolir definitivamente todos os outros mecanismos psíquicos, e a se substituir a eles na resolução dos principais problemas da vida. Deram testemunho de SURREALISMO ABSOLUTO os srs. Aragon, Baron, Boiffard, Breton, Carrive, Crevel, Delteil, Desnos, Eluard, Gerard, Limbour, Malkine, Morise, Naville, Noll, Péret, Picon, Soupault, Vitrac.” (Idem).

Os poetas citados acima formaram o grupo de liderado por Breton.

“A Revolução surrealista – Nadja – Adesão ao Partido Comunista – Primeiras rupturas

Em 1º de dezembro de 1924, era lançado o primeiro número de a Revoução surrealista, o órgão do grupo que Benjamin Péret e Pierre Naville dirigem.” (Idem) (Pierre Naville viria a ser dirigente da IV Internacional fundada por Leon Trotsky, num subúrbio de Paris, na França, em setembro de 1938 – Nota João Neto).

Depois, em 1927, Breton ingressa no Partido Comunista Francês (PCF), “No afã de juntar a ideia de “Mudar a vida de Rimbaud e  de “Transformar o mundo de Marx” (Wikipédia). Em 1933, Breton é excluído do PCF.

Em seguida, “Breton radicaliza sua ação e sua posição política. Sua leitura da obra de Léon Trotski sobre Lênin e a guerra colonial feita pela França em Rife o aproxima dos intelectuais comunistas. Com os colaboradores das revista Charté e Philosophie, os surrealistas formam um comitê e redigem um panfleto comum, “A Revolução no começo e sempre”. (Idem)

Breton visitou Trotsky, em 1938, em seu exílio no México, na época em que morava na Casa Azul de Diego Rivera e Frida Khalo, pintores muralistas revolucionários e comunistas, época em que escreveu o Manifesto “Por uma arte revolucionária independente”, assinado por André Breton e Diego Rivera, mas que teve a colaboração de Leon Trotsky, onde se constatou que: 

“Se para o desenvolvimento das forças produtivas materiais, cabe à revolução erigir um regime socialista de plano centralizado, para a criação intelectual ela deve, já desde o começo, estabelecer e assegurar um regime anarquista de liberdade individual. Nenhuma autoridade, nenhuma coação, nem mesmo o menor traço de comando!,” (André Breton, Diego Rivera e Leon Trotsky, “Manifesto por uma arte revolucionária independente.”), México, 25 de julho de 1938.

André Breton, “Viveu sobretudo da venda de quadros em sua galeria de arte. Sob seu impulso, o surrealismo torna-se um movimento europeu que abrange todos os domínios da arte e coloca profundamente em questão o entendimento humano e o olhar dirigido às coisas ou acontecimentos. Inquieto por causa do governo de Vichy, Breton  se refugia em 1941 nos Estados Unidos da América e retorna a Paris em 1946, onde permaneceu até sua maorte a animar um segundo grupo surrealista, sob a forma de exposições ou de revistas (La Brèche, 1961-1965). (Idem) Breton morreu em Paris, no dia 28 de setembro de 1966.

Fica aqui a nossa lembrança e homenagem a esse grande artista e revolucionário marxista.

João Neto

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

STF rasga mais uma vez a Constituição e decreta o fim da presunção de inocência

O Supremo Tribunal Federal, em 17/2, votou o fim da presunção de inocência por 7 votos a 4.

Agora, a partir da votação e decisão de um Tribunal de Justiça de qualquer estado da federação, uma pessoa inocente poderá ser presa, por causa de uma decisão de segunda instância, de segundo grau, que ainda não é definitiva, porque cabe recurso aos tribunais superiores (recurso especial para o Superior Tribunal de Justiça e recurso extraordinário para o Supremo Tribunal Federal) e a pessoa poderá ser declarada inocente, poderá ser absolvida.  Ou seja, uma pessoa pode ser presa sem trânsito em julgado, sem condenação definitiva.

O poder judiciário não é um órgão neutro, porque seus membros são conservadores e reacionários, que invariavelmente defende os interesses da burguesia nacional e do imperialismo, sobretudo o norte-americano. É o único poder em que seus membros não são eleitos, não se submetem ao sufrágio universal, não se submetem ao controle do povo, são ocupados por usurpadores, espalhados pelos estados da federação, muitos notórios neo-nazistas, colocados em evidência pela mídia sensacionalista, antidemocrática e golpista.

O Supremo Tribunal Federal é o mesmo historicamente que entregou Olga Benário aos nazistas e a Hitler e que recentemente condenou os nossos companheiros do Partido dos Trabalhadores sem provas, com base na nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato.”

Com um Supremo desses a burguesia e o imperialismo norte-americano não precisam de um Armando Falcão (o ministro da Justiça da Ditadura militar)! 

Como dizia o cantor e poeta Cazuza:

“A burguesia fede,

A burguesia quer ficar rica,

Enquanto houver burguesia,

Não vai existir poesia.”


Anita Garibaldi

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Ato em Defesa do ex-presidente Lula, dia 17/2, às 10 h. no Fórum Criminal da Barra Funda

As instituições burguesas seguem preparando o golpe pró-imperialista, via “empeachment”.

Agora é a vez do Ministério Público de São Paulo, vinculado ao governo tucano do PSDB, do governador Geraldo Alckmin, interrogar Lula a pretexto de um suposto sítio, que sequer é do ex-presidente, e sobre um apartamento que Lula apenas demonstrou interesse visitando, mas não chegou a comprar. 

Na verdade, essas instituições golpistas, como o Judiciário e o Ministério Público, onde os seus membros não são eleitos, não se submetem ao sufrágio universal, ou seja, não se submetem ao povo, defendem sempre os interesses da burguesia e do imperialismo, principalmente o norte-americano.

Os golpistas atacam ao Lula e ao PT, como condição para a consumação do golpe pró-imperialista, para impor a política de austeridade, de ajuste fiscal, da terceirização, de redução das pensões e das aposentadorias, fim do seguro desemprego, do fim dos programas sociais, como Bolsa, Minha Casa Minha Vida, Pronatec, Fies, etc., e privatização da Petrobrás, com o objetivo de reverter a queda da taxa de lucros, jogando a crise nas costas dos trabalhadores e da maioria oprimida nacional.

Assim sendo, é fundamental que todos compareçam no  Ato em Defesa do ex-presidente Lula, no dia 17 de fevereiro de 2016, a partir das 10 horas, no Fórum Criminal da Barra Funda, na Avenida Doutor Abrahão Ribeiro, 313.


Anita Garibaldi

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Estados Unidos: o direito ao aborto atacado

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista (TML) no PT, reproduz abaixo o artigo dos companheiros do Communist Workers Group dos Estados Unidos, publicado no periódico
Revolution Communiste n. 15, publicação do Groupe Marxiste Internationaliste, da França, que
juntamente com o Gruppe Klassenkampf, da Aústria, Revolução Permanente, do Peru, e o Movimento ao Socialismo, da Rússia (em processo de integração ao CoReP). Outrossim, ressalvamos que a TML não faz parte do CoReP, sendo apenas simpatizante do mesmo, assim como é simpatizante do Communist Workers Group dos Estados Unidos e do Comitê de Ligação dos Comunistas. A tradução portuguesa é de nossa responsabilidade exclusiva, ou seja, da TML. Para maior segurança, sugerimos aos leitores que acessem o Blog do GMI.

Estados Unidos: o direito ao aborto atacado

Abandonar as acusações contra Anna Yocca! Tennessee Yoca Anna, de 31 anos, enfrenta uma acusação de tentativa de homicídio, com a possibilidade de uma sentença de prisão perpétua, depois de falta de estrutura hospital, tentou auto-aborto usando um cabide quando ela estava grávida de 24 semanas. Esta é apenas a ponta do iceberg da guerra do Estado capitalista contra os direitos das mulheres. O capitalismo em declínio e crise social é uma reação contra os direitos democráticos, em particular a duramente conquistada por conquistas do movimento de mulheres.

comentários sexistas do candidato presidencial Donald Trump ataques terroristas contra clínicas de aborto, o enfraquecimento e a proibição do direito das mulheres ao aborto, a situação das mulheres está se deteriorando sob o capitalismo global.

Anna Yoca não se declarou culpada em 22 de dezembro, quando ativistas chegaram a apoiar no tribunal, vestindo adesivos "aborto a pedido e sem desculpas." A ela foi concedido um defensor público porque os advogados caros e a defesa jurídica dos sistemas sofisticados são em grande parte inacessível para a classe trabalhadora. No Tennessee, 96% dos distritos não têm serviços de aborto.

Tennessee tem uma das leis mais restritivas sobre o aborto no país e os planos Legislativo para pior. Em 2014, uma emenda à Constituição estadual esclareceu que ele não iria proteger o direito das mulheres ao aborto e proibiu seu financiamento público, que já exige a lei federal. O custo médio de um abortamento ascenderam a 475-680 dólares. O clínico Tennessee não praticar o aborto após 16 se-Maines. (Mother Jones, 22 de dezembro de 2015)

Liberdade para Purvi Patel!

Em um caso tão escandalosa, uma mulher de Indiana, Purvi Patel, foi condenada a 20 anos de prisão por "foeitcide" para causar seu próprio aborto. Em os EUA, 38 estados aprovaram leis de homicídio fetal. O capitalismo em sua agonia perde qualquer pretensão de racionalismo e do Iluminismo, que mostra a acusação no caso em que Patel usou um "teste" legal do Século XVII, uma época cheia de superstições e caça às bruxas.

O relatório do processo enfatizou o uso de Prahlow "teste de flutuação de pulmão" para seu julgamento. A ideia por trás do teste é datada do Século XVII. Se vazar, em seguida, o feto está morto antes de sair. Isso soa como o teste por bruxaria - se uma pessoa acusada de ser uma bruxa flutuava, ela era condenada; se ela afundava, ela era inocente - esta ideia é  quase tão antiga, quanto tão desacreditada. (New York Times, 02 de abril de 2015).

A CWG exige que as acusações contra Anna Yoca sejam imediatamente retiradas e que Purvi Patel tenha sua condenação anulada imediatamente e seja liberada. A CWG apoia o aborto livre, a pedido, bem como serviços de saúde reprodutiva abrangentes como parte de um sistema de saúde socializado gratuito e de qualidade para todos! Chamamos ao movimento dos trabalhadores para abraçar a causa da libertação das mulheres, para lutar pelo direito ao aborto e mobilizar para se defender as clínicas contra os terroristas antimulheres.

Communist Workers Group (Grupo Comunista de Trabalhadores/Estados Unidos)

Nota política da Frente Resistência: Não às demissões dos professores da Lei 100 de Minas Gerais

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista no PT, que integra a Frente Resistência, juntamente com o Espaço Marxista, Coletivo Lênin e Coletivo Socialista Livre, publica abaixo a Nota Política referente à Lei 100 do Estado de Minas Gerais.

Educação de MG: não às demissões da Lei 100, aposentadoria de todos que adoeceram em serviço e posse para os concursados!


Nota política da Frente Resistência
06 de fevereiro de 2016

Trabalhadores em educação de Minas Gerais, efetivados pela Lei 100 na época do governo de Aécio Neves, sofrem uma grande piora econômica de suas condições de vida no final de 2015. Foram demitidos cumprindo-se determinação do STF que julgou inconstitucional essa lei criada pelo governo PSDBista. O governo atual, de Fernando Pimentel do PT, sem contestação, acatou a decisão do Supremo e cerca de 60 mil trabalhadores foram destituídos de seus cargos até então ocupados.


Julgamos justificável priorizar o concurso público em detrimento de outras formas precárias de ingresso no serviço público, porém depois de tantos anos prestando serviço ao Estado de Minas Gerais tampouco é justa a demissão sumária dos trabalhadores da extinta Lei 100.


Sabemos que Aécio Neves e Anastasia (PSDB) usaram da prerrogativa da Lei 100 para, de forma desonesta, jogar politicamente com a boa vontade de tais trabalhadores, dizendo que bastaria votar nesses políticos que seus empregos estariam garantidos, aliás, não é demais lembrar que os governos mineiros do PSDB da época inclusive orientaram os trabalhadores da Lei 100 a não prestarem concurso público, em nome dessa falácia.


De qualquer modo, a questão da Lei 100 agora é uma contradição a ser enfrentada por todos os setores de alguma forma relacionados à educação mineira. Manifestamos nossa solidariedade aos trabalhadores da Lei 100 e conclamamos ao atual governador do Estado que nomeie todos os aprovados dos concursos públicos vigentes e que efetive todos os trabalhadores da Lei 100 e aposente os que adoeceram em serviço.


Por fim, que o Sind-UTE/MG preste todo o apoio jurídico possível aos trabalhadores da Lei 100, bem como construa a luta para que nenhum trabalhador em educação, seja Lei 100 ou não, fique no desemprego ou em condição de contrato precário.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Retirar as tropas imediatamente do Haiti

Pretextando o adiamento sem data do segundo turno das eleições presidenciais e a incerteza política no Haiti, a ONU diz que vai adiar a retirada das tropas do Haiti.

A situação do Haiti continua explosiva, sendo que têm ocorrido conflitos e manifestações nas ruas, sendo que a oposição liderada por Jude Célestin, alega fraude nas eleições, por parte do candidato governista, Jovenel Moise, o que é até admitido pelos observadores da ONU.

O atual presidente do Haiti, Michel Martelly, anunciou deixar o poder imediatamente.

O Haiti foi o primeiro país da América Latina e do Caribe a se tornar independente, em 1804.

O ex-chanceler e ex-ministro da Defesa, Celso Amorim, disse que “Erramos em querer nos livrar do problema depressa” (Folha de São Paulo, 6/2).

Na verdade, erramos lá atrás, quando desrespeitamos o direito à autodeterminação do povo do Haiti, participando da intervenção da ONU, liderada pelo imperialismo dos Estados Unidos, que impõe ainda a Doutrina Moroe (“América para os americanos”).

É sempre bom lembrar o que disse Lênin da antecessora da ONU, a Sociedade das Nações: “é um covil de bandidos.”

O Brasil entrou nessa fria por causa da insana pretensão do Itamaraty, da diplomacia brasileira, de conseguir um assento no Conselho de Segurança da ONU.

Além disso, visou adquirir know-how para as tropas brasileiras, usando o Haiti como laboratório para “treinamento”, visando atacar o povo pobre e negro das favelas do Rio de Janeiro, como fizeram durante a Copa do Mundo de 2014 e pretendem fazer nas Olimpíadas do Rio de Janeiro de 2016, dando continuidade ao genocídio do povo carioca que assistimos diariamente, o que é imitado nos demais estados da federação.

Assim, defendemos a imediata retirada das tropas brasileira dos Haiti e o direito à autodeterminação dos povos.

- Pelo direito à autodeterminação do povo do Haiti!

- Retirada imediata das tropas brasileiras do Haiti!

- Abaixo o imperialismo!


Anita Garibaldi

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

França: “O estado de emergência dá armas à burguesia”

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista (TML) no PT, reproduz abaixo o artigo dos companheiros do Groupe Marxiste Internationaliste, da França, que juntamente com o Gruppe Klassenkampf, da Aústria, Revolução Permanente, do Peru, e o Movimento ao Socialismo, da Rússia (em processo de integração) formam o Coletivo Revolução Permanente (CoReP). Outrossim, ressalvamos que a TML não faz parte do CoReP, sendo apenas sua simpatizante. A tradução portuguesa é de nossa responsabilidade exclusiva, ou seja, da TML. Para maior segurança, sugerimos aos leitores que acessem os blogs do CoReP das seções de língua espanhola e francesa. 

O estado de emergência dá armas à burguesia

O estado de emergência foi aprovado em Novembro pelas lideranças sindicais CGT, FO, FSU ..., PS (pelos opositores e não opositores do presidente Hollande e do primeiro ministro Valls), o PdG e o PCF, como uma medida excepcional justificada. Como esperado, ela é renovada pelo governo. O primeiro-ministro anunciou a mesma em Davos que "não será levantada, como Daech (EI – Estado Islâmico – nota de E. W) não será destruído" (Valls, BBC, 22 de janeiro). Como o Governo francês procura legitimar Daech (Estado Islâmico – nota de E.W.) para bombardear a Síria e o Iraque, ao discriminar os árabes, tal regime de exceção pode durar anos.

Apresentado ao Conselho de Ministros em 23 de dezembro de 2015, a proposta de emenda constitucional, que visa colocar o estado de emergência na Constituição, está prevista para o debate, a partir de 03 de fevereiro de 2016. Assim, qualquer governo, ao mesmo tempo que vai estender o estado de emergência, pode confiar à polícia, sem a necessidade de um controlo de identidade de circunstâncias específicas que justifiquem o risco para a ordem pública, a inspeção de veículos e abrir baús, a detenção administrativa da pessoa em casa ou no local sujeito a uma pesquisa administrativa, apreensão administrativa de objetos ou computadores para pesquisas administrativas, escoltar até em vez de prisão ...

Em 18 de janeiro, Hollande resumiu ao Conselho Econômico, Social e de Meio Ambiente, a meca da colaboração de classes - em que servem 18 CGT, CFDT 18, 14, FO, CFTC, 6, 6 CFE, UNSA 4, 2 USS (SUD) , 1 FSU- todos os ataques que pretende implementar este ano. A lista, impressionante, responde ponto por ponto às exigências dos empregadores:

• o crédito fiscal para a Competitividade e Emprego (CICE) será transformado, com permanente declínio das contribuições dos empregadores,
•   o   crédito de procura de trabalho (CIR) vai entretanto ser perpetuado,
•  prêmio de 2 000 euros para a contratação nas pequenas e médias empresas de um empregado até 1,3 SMIC é renovado,
• a quantidade e duração das prestações de seguro-desemprego devem ser revistas para baixo,
• 500.000 desempregados precisam de treinamento, que deve ter o efeito de desinflar mesmo o número de candidatos a emprego na categoria A.
• se espera que o número de aprendizes aumentem de 400 para 500 mil, sendo que os salários da juventude explorada serão totalmente suportados pelo Estado, durante o primeiro ano nas TPE (menos de 10 empregados), com certificados de formação emitidos pelo Ministério do Trabalho, para desmantelar o ensino técnico, uma conquista em 1945.

A "simplificação" do Código do Trabalho é anunciado para março. Isso é para facilitar as alterações de horários, noite e feriados incluídos, eliminando ou minimizando o custo de horas extras para os patrões, utilizando também os acordos de empresa, onde a pressão é mais forte por parte do empregador, que substituirá os acordos setoriais. O tribunal industrial está estudando uma compensação para a dispensa sem justa causa, sugerida pelos empregadores. Também está na agenda a reforma do Código do Trabalho.

Os líderes sindicais foram convidados a negociar tudo isso, sendo que ninguém se recusa a fazer. Eles já participaram da primeira fase de consulta sobre a reforma do Código do Trabalho, no outono, e estão prontos para ir para os próximos convites do governo, que não deve mais adiá-los.

A sentença de dois anos na prisão, incluindo 9 meses de prisão, para oito ex-funcionários da Goodyear que haviam detidos dois executivos, enquanto a sua planta de Amiens seria fechada, deixando na mão, desempregados, 1.143 funcionários, está revelando mais um ataque da mesma forma.

As organizações de trabalhadores, principalmente os sindicatos, devem unir-se a exigir:

• há um processo judicial contra os nossos companheiros de Goodyear e Air France!  levantamento das sanções patronais contra os trabalhadores da Air France!
• fim do estado de emergência!
• romper as negociações do projeto de lei Macron II!
• proibição de demissões! redução da jornada de trabalho e contratação de desempregados!
• parar a intervenção imperialista! livre entrada dos refugiados!

24 de janeiro de 2016”

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

PSTU e PCB: não indiquem apenas o fim

O PCB e o PSTU e organizações próximas têm defendido a bandeira  do “Fora todos”, recusando-se a participar da frente única anti-golpista, o que tem levado esses partidos ao isolamento.

Todavia, em razão do agravamento da situação política nacional, com a retomada da escalada golpista, com a tentativa de prisão de Lula pela burguesia pró-imperialista, visando a consumação do golpe, o Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista no PT insiste no chamamento aos companheiros para compor a frente anti-golpista.

Nesta, oportunidade, a TML transcreve os versos de Ferdinand Lassalle abaixo:

“Não indiques apenas o fim,
Mas mostra também o caminho
Pois o fim e o caminho
Tão unidos estão
Que um muda com o outro
E com ele se move
- e cada novo caminho
revela um novo fim”

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista batalha para ampliar a frente única anti-golpista do PT, PCdoB, PSOL, PCO, CUT, CTB, UBES, UNES, MTST, MST, movimentos populares e sociais, sendo que para tanto, renova  o chamamento especial às direções e aos militantes do PSTU, PCB, PPL, MRT/LER-QI, LBI, POR e do MNN, da CSP-Conlutas, Força Sindical, CGTB, que se somem à luta anti-golpista, levantando conosco bem alto as reivindicações transitórias da classe operária contra o ajuste fiscal, contra a reforma da previdência, e em defesa da Petrobras e da expropriação da Samarco (Vale + BHP Billiton).

Erwin Wolf

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Nota da CUT de repúdio ao assassinato de líder camponesa negra

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista no PT publica abaixo a Nota da CUT sobre o assassinato da jovem líder camponesa negra Francisca das Chagas Silva, do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Maranhão (STTR), brutalmente assassinada aos 34 anos de idade. 

O corpo foi encontrado com perfurações e marcas de tortura, sendo que provavelmente que Francisca também tenha sido estuprada.

Francisca, moradora do povoado quilombola Joaquim Maria, participou da Marcha das Margaridas, em 2015.

Cumpre ao governador do Estado do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB, e demais autoridades maranhenses, apurar o caso e prender os assassinos. 

Por outro lado, os trabalhadores e camponeses precisam organizar comitês de autodefesa a partir dos sindicatos, para fazer frente aos fazendeiros, latifundiários e seus jagunços, liderados pela UDR.

A luta pela reforma agrária, para a obtenção de terra para que nela trabalha, assim como pela revolução agrária, com a expropriação dos latifúndios e das grandes empresas agrícolas, combinando a luta dos camponeses com a dos operários agrícolas não pode parar, tem de seguir em frente. 

Assim, a CUT e o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) devem mobilizar os trabalhadores e camponeses e exigir a prisão dos assassinos e torturadores.

Segue abaixo a Nota da CUT:

“Nota da CUT de repúdio contra o assassinato da trabalhadora Francisca das Chagas Silva

Francisca era trabalhadora rural e sócia no Sindicato de Mirando do Norte
Escrito por: CUT Nacional • Publicado em: 05/02/2016 - 16:31 • Última modificação: 05/02/2016 - 17:11 Escrito por: CUT Nacional Publicado em: 05/02/2016 - 16:31 Última modificação: 05/02/2016 - 17:11 
Sindicato de Miranda do Norte 

A Central Única dos Trabalhadores vem a público manifestar seu repúdio contra o assassinato da Margarida Francisca das Chagas Silva, de 34 anos, que foi morta com requintes de crueldade, e sinais de violência sexual, na madrugada do dia 1º de fevereiro.

Quilombola do povoado Joaquim Maria, na zona rural do município maranhense, de Miranda do Norte, Francisca, era trabalhadora rural e sócia no Sindicato. Foi uma das muitas Margaridas que estiveram em agosto de 2015 em Brasília, reivindicando um Brasil e um mundo, com: “Desenvolvimento Sustentável com Democracia, Justiça, Autonomia, Igualdade e Liberdade”.

O assassinato da mulher e trabalhadora rural evidencia como ainda é assustadora a violência que é praticada contra as mulheres no Brasil, sobretudo as mulheres negras.

A CUT, que sempre lutou por políticas públicas para combater, enfrentar e denunciar qualquer tipo de violência, irá cobrar e acompanhar para que haja uma investigação rigorosa e que todos os envolvidos, mandantes e executores sejam punidos. Francisca foi mais uma vítima machismo e do ódio de classe em nosso país.”

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Até a ONU pede a libertação de Julian Assange

Até a ONU (Organização das Nações Unidas) , por intermédio do Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária da ONU (Lênin disse de sua antecessora, a Sociedade das Nações, que era um covil de bandidos) pediu ontem a liberdade imediata do australiano Julian Assange, fundador do WikiLeaks, assim como condenou o Reino Unido e a Suécia a pagarem indenização.

Assange encontra-se refugiado na Embaixada o Equador, em Londres, por fazer divulgação do banditismo praticado pelo imperialismo norte-americano (que, na verdade, é sabido por todo mundo e registrado pelos historiadores), sendo ameaçado de prisão, em razão de uma falsa acusação de abuso e estupro, pelo governo sueco, mancomunado e sob as ordens do imperialismo norte-americano do falcão Obama, o qual recentemente, por intermédio da CIA, espionou até a presidenta Dilma Rousseff.

“Em relatório divulgado nesta sexta (5), o grupo da ONU – formado por cinco especialistas em tribunais internacionais e direitos humanos e cujas decisões não têm poder de lei – considerou o cerco como uma prisão arbitrária feita pelos dois países e solicitou que sejam respeitadas a integridade física e a liberdade de movimento do fundador do Wikileaks.” (Folha de S. Paulo, 06/02).

Por outro lado, “Do balcão da embaixada, o australiano comentou a decisão: ‘Que momento doce. É uma vitória inegável. Pude suportar todo esse processo. Mas que direito têm os governos britânico, americano e sueco de negar a meus filhos o direito de verem o pai?’” (Idem).

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista no Partido dos Trabalhadores participa da luta pela libertação imediata de Julian Assange e faz frente única com o governo do Equador, o qual deu guarida à Assange, enfrentando os imperialismos norte-americano, britânico e sueco.

- Liberdade imediata para Julian Assange!
- Liberdade de manifestação e expressão!
- Liberdade de informação!
- Liberdade de imprensa!
- Abaixo o imperialismo!


Ignácio Reis

Uber: reflexo da sociedade dividida em classes antagônicas

O editorial da Folha de São Paulo de hoje, sábado, dia 6 de fevereiro,  “Na carona do Uber” saúda a proposta do Prefeito do PT de São Paulo,  Fernando Haddad, inclusive o encaminhamento que ele tem dado para solução do impasse criado com os taxistas, submetendo-a à consulta pública .

O Movimento pró-formação de uma Tendência Marxista-Leninista no PT entende que isso é progressivo transitoriamente, tendo em vista os trabalhadores envolvidos na questão.

Por outro lado, a TML quer destacar que a questão do “Aplicativo Uber” é reflexo da sociedade capitalista, dividida em classes sociais antagônicas, sendo as principais a burguesia e o proletariado, onde há a exploração do homem pelo homem, o que assinala que vivemos ainda na Pré-história da humanidade.

O táxi justifica-se em razão da necessidade de um transporte mais urgente, em razão de um acontecimento imprevisto, o que não acontece com o Uber, que é um transporte elitista.

Assim, o Uber vem na contramão da luta pelo transporte, público, gratuito e de qualidade, ou seja, é o transporte da sociedade dividida em classes, é o transporte para a burguesia, o transporte para “os bacanas.”

Anita Garibaldi  

Segue a escalada golpista

A burguesia pró-imperialista, apoiada no judiciário e na polícia federal, segue sua escalada golpista, perseguindo Lula e seus familiares, na tentativa de prendê-lo como condição para a consumação do golpe, via “empeachment” ou até mesmo por meio de um golpe militar, já que no ano passado os militares justificaram sua entrada em cena, falando em caos.

Infelizmente, a direção do Partido dos Trabalhadores, a CNB (Construindo um Novo Brasil), com sua política de colaboração de classes, segue capitulando gradualmente, depois de ter deixado o ministro Joaquim Levy, representante dos banqueiros, do segundo maior banco privado do país, o Bradesco, solapar a economia durante um ano, atacando diretamente aos trabalhadores, com a política do ajuste fiscal, aplainando o caminho para o golpe.

O ex-ministro já ganhou um cargo de diretor do Banco Mundial, levando todos os dados sigilosos da nossa economia para o capital financeiro internacional, liderado pelo falcão Obama dos Estados Unidos, sem nenhuma quarentena (período de afastamento necessário de atividades particulares, que um ex-funcionário de um governo deve observar, para não traficar dados e elementos sigilosos)!

Agora o ex-ministro foi substituído pelo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, pretenso “desenvolvimentista”, o qual apresenta como moeda de troca com a burguesia e o imperialismo, a “Reforma da Previdência”, um dos pilares do ajuste fiscal da política golpista, com a ilusão de que conseguirá a aprovação da CPMF, do imposto do cheque, para obter recursos para continuar governando, com a expectativa de fazer a travessia até 2018, ou seja, uma visão meramente eleitoreira.

Assim, a direção do PT ao invés de enfrentar a burguesia e o imperialismo, semeia ilusões legalistas e constitucionalistas, depositando esperança num Congresso e num Judiciário golpistas, acreditando no jogo parlamentar, mas concretamente jogando areia nos olhos da classe trabalhadora, enquanto vai capitulando gradualmente, aplainando o caminho para o golpe, sem perceber que a política de colaboração de classes está esgotada e fadada ao fracasso, em razão da crise internacional ter chegado ao Brasil de forma retardatária em 2015, sendo certo que a burguesia aproveitará a “Reforma da Previdência” para tentar consumar o ataque aos trabalhadores, acabando com as aposentadorias, as pensões, o seguro-desemprego, os programas sociais, e recolonizando o país com a terceirização/precarização, ou seja, restaurando a escravidão dos trabalhadores. 

O que a burguesia e o imperialismo americano estão preparando é uma verdadeira guerra civil contra a população trabalhadora e oprimida do país, sendo Cunha, o juiz Moro e o PSDB os instrumentos dessa política. 

Por outro lado, a política de Dilma e da direção do PT é desesperada. 

Todavia, embora a situação seja dramática, ela não é perdida e nem sem saída para classe operária e a maioria nacional oprimida, pois  urge que a classe trabalhadora volte às ruas como no dia 16 de dezembro, consolidando a frente única anti-golpista do PT, PCdoB, PCO, CUT, CTB, e os movimentos populares e sociais, como MST, MTST e UNE, fazendo uma chamamento especial às direções e aos militantes do PSOL, PSTU, PCB, PPL, MRT/LER-QI, LBI, POR e do MNN, da CSP-Conlutas, Força Sindical, CGTB, para que se somem à luta contra o golpe, ampliando os comitês de luta contra o golpe e formando comitês de auto-defesa a partir dos sindicatos.

Nessa luta, estamos levantando bem alto as reivindicações transitórias da classe operária de barrar a terceirização e as MPs 664 e 665 (que reduzem pensões, aposentadorias, e o seguro-desemprego, etc.), escala móvel de salários (reajuste automático de salários de acordo com a inflação); redução da jornada de trabalho, sem redução de salários;  fim das demissões, estabilidade no emprego; não aos cortes dos programas sociais, e fim do congelamento dos vencimentos dos funcionários públicos, e em defesa da Petrobras e da expropriação da Samarco (Vale + BHP Billiton).

Toda essa luta, pode ser resumida, neste momento, nas palavras de ordem de: 

Fora Cunha!

Abaixo o ajuste fiscal!


Ignácio Reis

Belo show do Teatro Mágico em São Bernardo

Os meninos de Osasco estiveram em São Bernardo do Campo, dia 3 de fevereiro, e realizaram um belo show, liderados por Fernando Anitelli.

O show foi realizado no Centro de Formação dos Profissionais da Educação, Ceforpe, em São Bernardo do Campo, sendo que estiveram presentes o Secretário da Educação de São Bernardo do Campo, Paulo Dias, e o Secretário de Obras, Tarcisio Secoli.

Os próximos Saraus do Teatro Mágico serão:
- Porto Alegre, 18 de fevereiro, quinta-feira, às 21 horas, no ObahHostel, Rua Dinarte Ribeiro, 171, Moinhos de Vento;
- Rio de Janeiro, dia 20 de fevereiro, sábado, às 20 horas, no Pura Vida Hostel, Rua Saint Roman, 20, Copacabana; e
- Belo Horizonte, dia 21 de fevereiro, domingo, às 18 horas, no Nova Casa Hostel, Rua Paiva, 160, Pampulha.

Anita Garibaldi