terça-feira, 31 de maio de 2016

Segue o golpe dentro do golpe: cai mais um ministro golpista

A CIA, o poder judiciário, o ministério público seguem desestabilizando a ditadura Temer/Cunha, com o “vazamento” da conversa (escuta telefônica) do ministro da Transparência (essa denominação só pode ser gozação) Fabiano Silveira, o qual foi destituído pelo Editorial do jornal “O Globo”, que passou a ser o Diário Oficial da União. É o segundo ministro golpista que cai em apenas duas semanas de governo.

Em 1968, com o AI-5 (Ato Institucional n. 5) também houve um golpe dentro do golpe.

Agora em 2016, o imperialismo norte-americano manobra para colocar de novo no poder setores abertamente entreguistas da burguesia nacional, representada pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), hoje liderado pelo ministro golpista José Serra, com apoio dos militares.

Os “vazamentos” deixaram claro o que o mundo inteiro já sabe, ou seja, o universo dos golpistas: mídia, Câmara dos Deputados, Senado Federal, o Poder Judiciário, Supremo Tribunal Federal, Ministério Público Federal e as Forças Armadas, ou seja, todas as instituições do estado burguês.

Hoje, o serviçal-mor do imperialismo norte-americano, o ministro Henrique Meirelles (BankBoston), com as medidas econômicas anunciadas já declarou guerra contra a população trabalhadora e o conjunto da nação oprimida. 

Isso lembra o golpe do Chile, de 1973, quando a CIA para impor o plano econômico da Escola de Chicago, foi preciso o Pinochetazzo, o golpe do General Pinochet.

O capitalismo mundial e o brasileiro vivem uma grande crise, sendo que as medidas econômicas visam salvar o capitalismo brasileiro, jogando todos os ônus da crise sobre as costas da população trabalhadora e oprimida da nação.

O imperialismo norte-americano, que vem quebrando o País, assim como fez no Iraque, na Líbia, Ucrânia, etc. etc., quebrando as empreiteiras e as empresas que apoiaram os governos de Lula e Dilma do Partido dos Trabalhadores (PT) , quebrando a Petrobrás, para entregá-la à Chevron e à Shell, com a farsa da “Operação Lava Jato”, promovida por um juiz suspeito de ser agente da CIA,  com condenações sem provas (caso do companheiro Zé Dirceu, só para exemplificar), baseadas em prisões/torturas, “confissões” e “delações premiadas”, como na época de Hitler, prisões e torturas na Nova Guantánamo, que se tornou Curitiba, no Estado do Paraná.

Todavia, o programa do imperialismo norte-americano inevitavelmente vai se chocar contra os operários, os trabalhadores, os camponeses, e os jovens e os estudantes, o conjunto da nação oprimida, em razão dos ataques às conquistas sociais.

O movimento operário e popular deve protagonizar as manifestações marcadas para o dia 10 de junho pela Frente Brasil Popular, rumo à derrubada revolucionária da ditadura Temer/Cunha. 

- Abaixo a repressão aos movimentos populares e sociais!

- Pelas liberdades democráticas!

- Pela liberdade de manifestação e expressão!

- Pela liberdade dos presos políticos!

- Pelo fim da polícia federal (a polícia política do golpe) e das polícias militares!

- Abaixo a ditadura Temer/Cunha!

- Por um governo operário e camponês!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

domingo, 29 de maio de 2016

A posição dos revolucionários no 2º Turno das eleições no Peru

A Tendência Marxista-Leninista publica abaixo o artigo da organização Revolución Permanente, do Peru, sobre o segundo turno das eleições, que ocorrerá na próxima semana.

Revolución Permanente faz parte do Coletivo Revolução Permanente (CoReP), juntamente com o Gruoupe Marxiste Internationaliste, da França, o Gruppe Klassenkampf, da Aústria, e o Movimento ao Socialismo, da Rússia (em processo de integração ao CoReP). A TML é simpatizante do CoReP.

A tradução do artigo é de responsabilidade exclusiva da TML. Para maior segurança, em razão da nossa insuficiência linguística, solicitamos seja consultado o Blog  Revolución Permanente. 



Contra a fraude e seus cúmplices

Há algumas semanas, um Júri Nacional de Eleições notório por sua propensão para Apra e Fujimorismo autorizou a continuar candidatando a força popular, apesar da evidência de compra de apoiadores. E então dessa maneira transformou-se em eleições fraudulentas. Por seu lado, todas as candidaturas que não renunciaram repudiando a JNE tornaram-se cúmplices na fraude.

Desde o campo do movimento popular, as direções burocráticas da CGTP e CUT, que se renderam por anos na luta contra o governo de Humala, mais uma vez abandonaram os direitos e demandas do povo trabalhador para apoiar as listas de candidaturas alheias e contrárias à classe. Como já fizeram com Humala, Fujimori e Toledo, as cúpulas PC, Pátria Vermelha e os outros voltaram para pulverizar a independência política dos explorados, desta vez em favor do pequeno-burguês e do oportunismo eleitoral neoliberal da Frente Ampla, lamentavelmente também sustentado pela direção da Rede de Solidariedade dos Trabalhadores.

No atual segundo turno, com o propósito subalterno de explorar o repúdio popular à máfia fujimorista, essas mesmas camadas políticas agora chamaram abertamente a votar no plutocrata Kuczynski, bem como os líderes da Frente Ampla o fazem hipocritamente. Kuczynski, gerente da BCR e Ministro da Belaúnde, Ministro e Premier de Toledo, tem sido parte da elite do Banco Mundial e chefiou transnacional de energia e bancos ao longo de sua vida. Mas para o reformismo stalinista tradicional, pró-neoliberal de hoje, já nenhuma traição é suficiente. 

Os honestos trabalhadores e os estudantes ativistas da Frente Ampla e aparelhos de pequeno porte esquerdistas são confrontados com o dilema de ficar prostrados perante a burguesia servilmente ou romper com demagogia capitalista de seus movimentos, abandonando-os e defendendo os princípios mais básicos do classismo. Para o nossa futura vitória perante o próximo governo da classe dominante, devemos lutar por um programa anti-capitalista, pela auto-organização produtores em assembleias populares, para aumentar a união greves por prazo indeterminado sindical, estadual e regional, para construir um partido revolucionário de todos os trabalhadores e uma nova Internacional Comunista. Este é o único caminho para a libertação dos oprimidos: a via da Revolução Socialista.

Contra a fraude da burguesia, as suas candidaturas e todos os seus cúmplices: Vote Clasista, Vote Nulo!

10 de maio de 2016

Revolução Permanente

http://luchamarxista.blogspot.com

sábado, 28 de maio de 2016

CIA, Moro e STF preparam a prisão de Lula e dos dirigentes do PT

O jornalista Cláudio Humberto, da Rádio Bandeirantes, em seus comentários, que foram reproduzidos agora de madrugada, neste sábado, dia 28/5, disse que está ocorrendo uma longa (em várias sessões) “delação premiada” de Marcelo Odebrecht, o ex-presidente da Construtora Noberto Odebrecht, contra o presidente Lula e os dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT).

Indagado pela radialista Thays Freitas, sobre uma eventual “delação premiada” de Zé Dirceu, o jornalista Cláudio Humberto disse não acreditar, porque Zé Dirceu é um guerrilheiro, preparado para situações adversas, que não entrega os companheiros nem sob tortura. Olha, esse jornalista sabe o que fala!

Muito significativa e interessante essa resposta do jornalista Cláudio Humberto, porque também confirma, indiretamente, o que vem dizendo a Tendência Marxista-Leninista sobre a “República do Paraná”, ou seja, que Curitiba tornou-se  a Nova Guantánamo, onde as pessoas são presas, sem culpa formada (isto é, sem nenhuma acusação), um verdadeiro centro de tortura, que será lembrado como no novo DOI-CODI, o da ditadura de 2016.

Assim, fica mais uma vez confirmada a farsa da "Operação Lava Jato", provavelmente uma operação patrocinada diretamente pelos Estados Unidos e a CIA, com prisões “temporárias” e “preventivas”, “delações premiadas”, “confissões”, enfim torturas e procedimentos nazi-fascistas, apenas para quebrar os empreiteiros e empresários que apoiaram os governos de Lula e Dilma do PT e colocar todos na cadeia, principalmente os dirigentes petistas, como fizeram com a condenação sem prova de Zé Dirceu pelo Supremo e por Moro, com base na nazi-fascista "Teoria do Domínio do Fato", e depois seguir perseguindo os movimentos sociais e populares, para impor a escravização da classe trabalhadora e entregar as riquezas nacionais, como a Petrobrás (pré-sal) para Chevron e Shell, programa esse de “combate à corrupção” que o imperialismo norte-americano vem tentando desde a época da União Democrática Nacional (UDN) de Carlos Lacerda, passando pela Aliança Renovadora Nacional (ARENA) e o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (antigo MDB), ambos partidos da ditadura militar de 1964, sendo que o PMDB segue sendo o partido da ditadura Temer/Cunha de 2016, exata e precisamente para colocar os corruptos no poder para atender aos interesses norte-americanos.

Portanto, segue a escalada golpista e ditatorial, visando a prisão de Lula e dos dirigentes do PT.

O movimento operário e popular precisa ir para as ruas, utilizando-se dos seus métodos próprios, a ação direta das massas, para derrubar de forma revolucionária a ditadura Temer/Cunha, colocando abaixo todas as instituições golpistas do Estado burguês, como o Poder Judiciário, o Supremo Tribunal Federal, o Ministério Público Federal, o Congresso Nacional fantoche, dissolvendo a Polícia Federal (a polícia política do golpe) e as polícias militares estaduais.

Para tanto, é fundamental que a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo convoquem uma greve geral, com comandos eleitos nas fábricas, empresas, bancos, repartições públicas, nos campos, nas empresas agrícolas, nas escolas e nas universidades. Além disso, é importante a formação de comitês de autodefesa, as milícias operárias e populares a partir dos sindicatos.

- Não à prisão de Lula e dos dirigentes do PT!

- Pelas liberdades democráticas!

- Pela libertação dos presos políticos!

- Pela liberdade de manifestação e expressão!

- Pela liberdade de organização e associação!

- Pela dissolução da Polícia Federal (a polícia política do golpe) e das polícias militares estaduais!

- Abaixo a ditadura Temer/Cunha!

- O povo na rua derruba a ditadura Temer/Cunha!  

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Imperialismo também ataca na Venezuela para derrubar o presidente Maduro

O imperialismo norte-americano, a exemplo do que está fazendo no Brasil, também ataca o governo eleito da Venezuela do presidente Nicolás Maduro, do Partido Socialista Unido de Venezuela (PSUV).

A oposição burguesa pró-imperialista do MUD (Mesa de la Unidad Democrática), liderada por Henrique Caprilles, “colheu” (deve ter forjado) as assinaturas para o referendo revogatório, exigidas pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), visando derrubar o governo nacionalista burguês, bolivariano, do presidente Maduro.

A Venezuela depende demais do petróleo, sendo que com a crise mundial está numa situação econômica muito grave, com inflação galopante e desabastecimento, etc.

O imperialismo norte-americano patrocina golpes em quase toda América do Sul neste momento. Na Argentina, com Macri, que embora eleito, governa por decreto, passando por cima do parlamento; no Brasil, com a ditadura Temer/Cunha; no Chile, na Venezuela, etc. Os Estados Unidos buscam recuperar o terreno perdido para os imperialismos da China e a Rússia, o que vai aumentar as disputas, o que poderá provocar até a III Guerra Mundial (a TML entende que não se deve falar em Guerra Fria, porque a China e Rússia não são mais estados operários, mas sim imperialistas, e a Guerra Fria era entre países imperialistas e o bloco soviético, na época estados operários, sendo que a situação de hoje assemelha-se mais à da época da I Guerra Mundial, onde havia disputa de blocos de países imperialistas, como bem observou Rui Costa Pimenta, presidente do Partido da Causa Operária – PCO, em suas análises políticas da semana).

A Tendência Marxista-Leninista não tem ilusões com relação ao governo nacionalista burguês, bolivariano, de Nicolás Maduro, entendendo que programa bolivariano não ultrapassa os marcos do capitalismo, constituindo numa alternativa burguesa de gerência do capitalismo em profunda crise, não apontando para nenhuma ruptura revolucionária. O nacionalismo burguês é incapaz de levar uma luta contra o imperialismo até o fim, e a tendência é sempre capitular. Apenas o proletariado, organizado politicamente de forma independente, em seu partido político, é capaz de liderar, com o apoio dos camponeses e do conjunto da nação oprimida, a luta contra o imperialismo e a burguesia.

A TML apesar das diferenças com relação ao governo Maduro, faz frente única com o mesmo, lutando contra o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano, porém defende a organização independente do proletariado venezuelano, no sentido da construção imediata de um partido operário revolucionário, para que este levante o programa da revolução proletária, lute por um governo operário e camponês, liderado pela classe operária, em alianças com os camponeses pobres e a maioria oprimida nacional, colocando o armamento do proletariado para realização das tarefas democráticas de expulsão do imperialismo e reforma e revolução agrária, ou seja, em defesa da expropriação da burguesia, das fábricas, das empresas, dos bancos, expropriação do campo, dos latifúndios, das empresas agrícolas, monopólio do comércio exterior, economia planificada, rumo ao socialismo. 

Ignácio Reis

quinta-feira, 26 de maio de 2016

O silêncio ensurdecedor e estrondoso do Supremo golpista

A Tendência Marxista-Leninista denunciou que o afastamento de Eduardo Cunha pelo Supremo Tribunal Federal foi uma medida golpista (apenas formal, na prática Cunha segue atuando e agindo) para aplainar o caminho da ditadura Temer, maquiando ou fazendo uma cirurgia estética na monstruosidade da face golpe, hoje desmascarada com o ministério da ditadura Temer/Cunha e as revelações da escuta de Romero Jucá, envolvendo todas as instituições do estado burguês, como Congresso Nacional, Câmara dos Deputados, Senado Federal, Poder Judiciário, Supremo Tribunal Federal, Ministério Público Federal e as Forças Armadas.

O caráter golpista do Supremo hoje é evidente, basta lembrarmos que no episódio do Senador Delcídio, líder do governo do Partido dos Trabalhadores (PT), os ministros do Supremo fizeram o maior barulho, determinaram a prisão de Delcídio.

Agora, no caso de Romero Jucá, o Supremo ficou em silêncio. Quem cala, consente! 

Outra coisa importante, bem observada e demonstrada pela colunista do Portal 247, Tereza Cruvinel, foi a concatenação das ações do juiz Sérgio Moro, provavelmente (como ele gosta de escrever) agente da CIA, e o procurador do Ministério Público Federal, Rodrigo Janot. A colunista tem total razão, geralmente as ações se dão na segunda-feira, com grande estardalhaço, com ações midiáticas, etc. etc.  
Mas essa farsa da Operação Lava Jato, com prisões “temporárias” e “preventivas”, “delações premiadas”, “confissões”, enfim torturas e procedimentos nazi-fascistas, apenas para quebrar os empreiteiros e empresários que apoiaram os governos de Lula e Dilma do PT e colocá-los todos na cadeia, como fizeram com a condenação sem prova de Zé Dirceu pelo Supremo e por Moro, e depois seguir perseguindo os movimentos sociais e populares, para impor a escravização da classe trabalhadora e entregar as riquezas nacionais, como a Petrobrás (pré-sal) para Chevron e Shell, programa esse de “combate à corrupção” que o imperialismo norte-americano vem tentando desde a época da União Democrática Nacional (UDN) de Carlos Lacerda, passando pela Aliança Renovadora Nacional (ARENA) e o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (antigo MDB), ambos partidos da ditadura militar de 1964, sendo que o PMDB segue sendo o partido da ditadura Temer/Cunha de 2016, exata e precisamente para colocar os corruptos no poder para atender aos interesses norte-americanos.

A TML defende que o movimento operário e popular não deposite a mínima ilusão nas instituições burguesas e priorize as ações diretas, manifestações, protestos, de forma organizada e centralizada, porque têm havido muitas manifestações espontâneas contra a ditadura Temer/Cunha, as quais devem ser organizadas pela Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo, sobretudo a preparação e organização de uma greve geral, com comando eleitos democraticamente nas fábricas, empresas, bancos, repartições públicas, no campo, nas empresas agrícolas, nas universidades e escolas.

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário  


terça-feira, 24 de maio de 2016

Estados Unidos manobram para a volta da ditadura militar no Brasil

Os Estados Unidos, ao que tudo indica, passaram a manobrar contra a ditadura Temer/Cunha (afastado apenas formalmente pelo STF golpista), uma espécie de golpe dentro do golpe, com o “vazamento” da conversa (escuta telefônica, "grampo judicial") do ministro do planejamento, Romero Jucá, com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. É fogo amigo!

Em 1968, com o AI-5 (Ato Institucional n. 5), também houve um golpe dentro do golpe. 

O “vazamento” deixou claro o que o mundo inteiro já sabe, ou seja, o universo dos golpistas: mídia, Câmara dos Deputados, Senado Federal, o Poder Judiciário, Supremo Tribunal Federal, Ministério Público Federal, Polícia Federal e as Forças Armadas, ou seja, todas as instituições do estado burguês.

Hoje, o serviçal-mór do imperialimo norte-americano, o usurpador ministro Henrique Meirelles, fará o anúncio das medidas econômicas contra a população trabalhadora e o conjunto da nação oprimida. 

Isso lembra o golpe do Chile, de 1973, quando para impor o plano econômico da Escola de Chicago, foi preciso o Pinochetazzo, o golpe do General Pinochet.

O capitalismo mundial e o brasileiro vivem uma grande crise, sendo que as medidas econômicas visam salvar o capitalismo brasileiro, jogando todos os ônus da crise sobre as costas da população trabalhadora e oprimida da nação.

O imperialismo norte-americano, que vem quebrando o País, assim como fez no Iraque, na Líbia, Ucrânia, etc. etc., quebrando as empreiteiras e as empresas que apoiaram os governos do PT, quebrando a Petrobrás, para entregá-la à Chevron e à Shell, com a farsa da “Operação Lava Jato”, promovida por um juiz suspeito de ser agente da CIA,  com condenações sem provas (caso do companheiro Zé Dirceu, só para exemplificar), baseadas em “confissões” e “delações premiadas”, como na época de Hitler, prisões e torturas na Nova Guantánamo, que se tornou Curitiba, no Estado do Paraná, deve ter chegado a um consenso de que a ditadura Temer/Cunha é frágil para impor as medidas econômicas e preparam a entrada em cena abertamente das Forças Armadas que são um instrumento preparado contra o povo.

O comandante do Exército no Brasil se disse indignado com o Partido dos Trabalhadores, em razão do profissionalismo e do respeito à Constituição pelas Forças Armadas, mas ousamos discordar General, recentemente, foi divulgado na imprensa que "As Forças Armadas deixaram claro que estão prontas", ou seja, "que "apenas" intervirão se caos social se instalar." Além disso, também recentemente o comandante do III Exército, no Rio Grande do Sul, conforme também noticiado na imprensa, havia sido transferido porque havia criticado o governo da Presidenta Dilma, e por causa de ter permitido homenagens póstumas, em Santa Maria, ao coronel Brilhante Ustra, ex-comandante do DOI-CODI, do II Exército, em São Paulo, onde dezenas de pessoas foram torturadas até à morte e algumas sobreviveram, como a própria presidenta Dilma, na época da outra ditadura, a de 1964. É assim, submissão ao poderio econômico e militar estrangeiro e repressão do inimigo interno, o povo.

Como nos ensinou o falecido médico, historiador e dirigente do Partido Comunista Brasileiro, Leôncio Basbaum, em sua obra “História Sincera da República, de 1961 a 1967”, pág. 121, Editora Alfa-Omega, 1977:

“Até há poucos anos, a segurança nacional era antes de tudo a segurança da pátria contra um possível inimigo externo. As manobras militares imaginam um inimigo vindo do exterior, por mar ou por terra e toda a estratégia de defesa era então revista, pelo menos teoricamente. Era uma estratégia defensiva. Mas nestes últimos anos, sobretudo depois que as personalidades civis e militares norte-americanas começaram a fazer conferência na ESG (Escola Superior de Guerra – Nota de Ignácio Reis), o conceito de “segurança nacional” se refere sobretudo a um inimigo interno”.

Essa é a doutrina da “Segurança Nacional”, elaborada pelo General Golbery do Couto e Silva, do “Grupo da Sorbonne” a dita “inteligentsia” do Exército, teoria essa baseada no nazista Hermann Goering, que trata o povo brasileiro como inimigo interno.

Assim, as chamadas “forças de segurança”, ao invés de se colocarem para a defesa da pátria, são aliadas de nossos inimigos externos, os imperialismos norte-americanos, europeus e asiáticos e da burguesia nacional entreguista, estando voltadas contra o povo brasileiro, o inimigo interno.

A equipe econômica, para justificar as medidas de ataque aos trabalhadores, superestimou o deficit nas contas públicas, chamando-o de rombo, dobrando de 97 bilhões para 170,5 bilhões de reais.

Todavia, o Brasil não tributa dividendos e não tem imposto sobre grandes fortunas (está na Constituição Federal, mas não foi regulamentado). Nos Estados Unidos, este imposto é de 20% a 40%; na Inglaterra de Margareth Tchatcher era de 38%. O imposto sobre herança no Brasil é de 3%, enquanto no Chile,  tradicionalmente, desde da ditadura de Pinochet,  paraíso neo-liberal da Escola de Chicago, é de 12%. Economistas fazem cálculos de que se o Brasil tivesse imposto sobre grandes fortunas, taxando apenas 5%, conseguiria fácil, fácil, 90 bilhões de reais, quantia bem superior aos 18 bilhões que o ex-ministro Joaquim Levy queria retirar do sangue e suor dos trabalhadores. Mas o problema é que esse tipo de solução implicaria tirar dinheiro da burguesia! O negócio do capitalismo é o lucro, é a exploração dos trabalhadores! Agora os golpistas querem tirar o couro dos trabalhadores e da nação oprimida! 

As medidas estão de acordo com o plano do imperialismo norte-americano, apresentado pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB, partido que vem desde a ditadura militar), chamado de “Uma ponte para o futuro” (provavelmente outra ditadura militar), visando recuperar o terreno perdido para a China e Rússia (principalmente agora como anunciou a Folha de S. Paulo, dia 21/5, que “Com mais carnes, balança comercial do Brasil com China melhora”) e implementar a recolonização do Brasil, com o fim da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), fim do salário mínimo (será mantido formalmente, como, por exemplo, é hoje o salário família), arrocho do funcionalismo público, generalização da terceirização/precarização do trabalho, redução brutal das aposentadorias e pensões, aumento do trabalho escravo tanto na cidade como no campo, fim dos programas sociais (Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Pronatec, Pró-uni, Fies, etc., privatização da Petrobrás (entrega para a Chevron e a Shell), da Caixa Econômica Federal, Correios, etc. etc., aumento da população carcerária (hoje em torno de 700.000 pessoas), achacamento dos estados da federação para implementarem política semelhante, com arrocho do funcionalismo público estadual, fim do ensino público, laico e gratuito, ataque e destruição da cultura e a ciência e tecnologia porque estas são revolucionárias, com o fim dos respectivo ministérios (foram restabelecidos apenas formalmente, em razão dos protestos da população, é apenas uma manobra, na prática estão destruídos até porque os novos ministros nazi-fascistas são contra a cultura e a ciência e tecnologia), o aumento do genocídio da população jovem, pobre e negra nas periferias das grandes cidades pelas polícias militares estaduais, etc. etc., e sobretudo repressão, como estão fazendo com os estudantes, os quais, neste momento ocupam escolas pelo país inteiro, demonstrando que as massas trabalhadoras, populares e estudantis são mais poderosas do que todos os aparatos repressivos, como a Polícia Federal (a polícia política do golpe), a Força Nacional, as polícias militares estaduais, aparatos esses que precisam ser dissolvidos, e as Forças Armadas, sendo que estas últimas, o Exército, a Marinha e a Aeronáutica, em confronto com as massas se dividem, porque são formadas na base principalmente por filhos de trabalhadores e de camponeses, e também de estudantes.

O imperialismo norte-americano patrocina golpes em quase toda América do Sul neste momento. Na Argentina, com Macri, que embora eleito, governa por decreto, passando por cima do parlamento; no Brasil, com a ditadura Temer/Cunha; no Chile, na Venezuela, etc. Como dissemos, o imperialismo norte-americano busca recuperar o terreno perdido para os imperialismos da China e a Rússia, o que vai aumentar as disputas, o que poderá provocar até a III Guerra Mundial (a TML entende que não se deve falar em Guerra Fria, porque a China e Rússia não são mais estados operários, mas sim imperialistas, e a Guerra Fria era entre países imperialistas e o bloco soviético, na época estados operários, sendo que a situação de hoje assemelha-se mais à da época da I Guerra Mundial, onde havia disputa de blocos de países imperialistas, como observou Rui Costa Pimenta, presidente do Partido da Causa Operária – PCO, em suas análises políticas da semana).

O programa do imperialismo norte-americano inevitavelmente vai se chocar contra os os operários, os trabalhadores, os camponeses, e os jovens e os estudantes, o conjunto da nação oprimida, em razão dos ataques às conquistas sociais, sendo imprescindível neste momento a luta contra a ditadura Temer, por liberdades democráticas, pela liberdade de manifestação e expressão, liberdade de organização, liberdade dos presos políticos, pois os militantes e lutadores da classe trabalhadora e dos movimentos sociais e populares estão sendo condenados sem provas, como o companheiro Zé Dirceu, os camponeses estão sendo assassinados, os estudantes sendo reprimidos e presos, e ocorre o genocídio da população jovem, pobre e negra das periferias das cidades pelas polícias militares nos estados da federação.   

Esse confronto, com certeza levará à guerra civil contra os trabalhadores e a nação oprimida, podendo abrir uma situação revolucionária, com a ação direta das massas, derrubando de forma revolucionária a ditadura do capital, a ditadura Temer/Cunha, destruindo o estado burguês, sendo imprescindível para essa hipótese a construção desde já de uma partido operário marxista revolucionário e a construção de uma Internacional operária e revolucionária, que defenda a instauração de um governo revolucionário operário e camponês, para a expulsão do imperialismo, expropriação das fábricas, bancos, empresas, reforma e revolução agrária, fim dos latifúndios, expropriação das empresas agrícolas, monopólio do comércio exterior, economia planificada, rumo a socialismo.

Todavia, no momento atual há necessidade de unificar a luta, porque as manifestações espontâneas, que estão acontecendo pelo País inteiro, precisam ser organizadas e centralizadas, por meio da Frente Brasil Popular e da Frente Povo Sem Medo, preparando-se a greve geral, com comandos eleitos nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas empresas agrícolas, nas escolas e nas universidades. Além disso, os trabalhadores precisam organizar comitês de autodefesa a partir dos sindicatos, as milícias operárias e populares. 

- Abaixo a repressão aos movimentos populares e sociais!

- Pelas liberdades democráticas!

- Pela liberdade de manifestação e expressão!

- Pela liberdade dos presos políticos!

- Pelo fim da polícia federal (a polícia política do golpe) e das polícias militares!

- Abaixo a ditadura Temer/Cunha!

- O povo na rua derruba a ditadura!

- Por um governo operário e camponês!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Podres Poderes do Brasil

A Folha de S. Paulo de hoje, segunda-feira, dia 23, noticia uma gravação, escuta telefônica do ministro do planejamento, Romero Jucá, onde veio à tona toda a trama deste com o Supremo Tribunal Federal, os militares, o que envolve todos os podres poderes do País.

Ao longo do dia estaremos acompanhando o noticiário e faremos uma análise mais aprofundada da repercussão da escuta.

Os operários, a classe trabalhadora e a maioria oprimida do Brasil têm que preparar e organizar a derrubada revolucionária da ditadura Temer/Cunha e destruir todos os poderes burgueses constituídos. 

Para tanto, devemos o mais breve possível construir uma partido revolucionário marxista revolucionário e a construção de uma Internacional operária e revolucionária, que defenda a instauração de um governo revolucionário operário e camponês, para a expulsão do imperialismo, expropriação das fábricas, bancos, empresas, reforma e revolução agrária, fim dos latifúndios, expropriação das empresas agrícolas, monopólio do comércio exterior, economia planificada, rumo a socialismo. 

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

domingo, 22 de maio de 2016

Ditadura no Brasil prepara-se para deflagrar guerra civil contra os trabalhadores

No início da semana, provavelmente, na terça-feira, a ditadura da burguesia pró-imperialista de Michel Temer/Eduardo Cunha (embora afastado apenas formalmente pelo Supremo Tribunal Federal, composto por usurpadores, ou seja, membros que não foram eleitos, não se submeteram a sufrágio universal, ao controle do povo,  e golpistas) fará o anúncio das medidas econômicas contra a população trabalhadora e o conjunto da nação oprimida.

O capitalismo mundial e o brasileiro vivem uma grande crise, sendo que as medidas econômicas visam salvar o capitalismo brasileiro, jogando todos os ônus da crise sobre as costas da população trabalhadora e oprimida da nação.

A equipe econômica, para justificar as medidas de ataque aos trabalhadores, superestima o deficit nas contas públicas, chamando-o de rombo, dobrando de 97 bilhões para 170,5 bilhões de reais.

Todavia, o Brasil não tributa dividendos e não tem imposto sobre grandes fortunas (está na Constituição Federal, mas não foi regulamentado). Nos Estados Unidos, este imposto é de 20% a 40%; na Inglaterra de Margareth Tchatcher era de 38%. O imposto sobre herança no Brasil é de 3%, enquanto no Chile,  tradicionalmente, desde da ditadura de Pinochet,  paraíso neo-liberal da Escola de Chicago, é de 12%. Economistas fazem cálculos de que se o Brasil tivesse imposto sobre grandes fortunas, taxando apenas 5%, conseguiria fácil, fácil, 90 bilhões de reais, quantia bem superior aos 18 bilhões que Levy queria retirar do sangue e suor dos trabalhadores. Mas o problema é que esse tipo de solução implicaria tirar dinheiro da burguesia! O negócio do capitalismo é o lucro, é a exploração dos trabalhadores! 

As medidas estão de acordo com o plano do imperialismo norte-americano, apresentado pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), chamado de “Uma ponte para o futuro”, visando recuperar o terreno perdido para a China e Rússia (principalmente agora como anunciou a Folha de S. Paulo de ontem, dia 21/5, que “Com mais carnes, balança comercial do Brasil com China melhora”) e implementar a recolonização do Brasil, com o fim da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), fim do salário mínimo (será mantido formalmente, como, por exemplo, é hoje o salário família), arrocho do funcionalismo público, generalização da terceirização/precarização do trabalho, redução brutal das aposentadorias e pensões, aumento do trabalho escravo tanto na cidade como no campo, fim dos programas sociais (Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Pronatec, Pró-uni, Fies, etc., privatização da Petrobrás (entrega para a Chevron e a Shell), da Caixa Econômica Federal, Correios, etc. etc., aumento da população carcerária (hoje em torno de 700.000 pessoas), achacamento dos estados da federação para implementarem política semelhante, com arrocho do funcionalismo público estadual, fim do ensino público, laico e gratuito, ataque e destruição da cultura e a ciência e tecnologia, com o fim dos respectivo ministérios (foram restabelescidos apenas formalmente, em razão dos protestos da população, é apenas uma mabobra, na prática estão destruídos até porque os novos ministros nazi-fascistas são contra a cultura e a ciência e tecnologia), como foi demonstrou a  aumento do genocídio da população jovem, pobre e negra nas periferias das grandes cidades pelas polícias militares estaduais, etc. etc., e sobretudo repressão, como estão fazendo com os estudantes, os quais, neste momento ocupam escolas pelo país inteiro, demonstrando que as massas trabalhadoras, populares e estudantis são mais poderosas do que todos os aparatos repressivos, como a Polícia Federal (a polícia política do golpe), a Força Nacional, as polícias militares estaduais, aparatos esses que precisam ser dissolvidos, e as Forças Armadas, sendo que estas últimas, o Exército, a Marinha e a Aeronáutica, em confronto com as massas se dividem, porque são formadas por filhos de trabalhadores e de camponeses, e também de estudantes.

O imperialismo norte-americano patrocina golpes em quase toda América do Sul neste momento. Na Argentina, com Macri, que embora eleito, governa por decreto, passando por cima do parlamento; no Brasil, com a ditadura Temer/Cunha; no Chile, na Venezuela, etc. Como dissemos, o imperialismo norte-americano busca recuperar o terreno perdido para os imperialismos da China e a Rússia, o que vai aumentar as disputas, o que poderá provocar até uma III Guerra Mundial (a TML entende que não se deve falar em Guerra Fria, porque a China e Rússia não são mais estados operários, mas sim imperialistas, e a Guerra Fria era entre países imperialistas e o bloco soviético, na época estados operários, sendo que a situação de hoje assemelha-se mais à da época da I Guerra Mundial, onde havia disputa de blocos de países imperialistas, como observou Rui Costa Pimenta, presidente do Partido da Causa Operária – PCO, em suas análises políticas da semana).

O programa do imperialismo norte-americano inevitavelmente vai se chocar contra os os operários, os trabalhadores, os camponeses, e os jovens e os estudantes, o conjunto da nação oprimida, em razão dos ataques às conquistas sociais, sendo imprescindível neste momento a luta contra a ditadura Temer, por liberdades democráticas, pela liberdade de manifestação e expressão, liberdade de organização, liberdade dos presos políticos, pois os militantes e lutadores da classe trabalhadora e dos movimentos sociais e populares estão sendo condenados sem provas, como o companheiro Zé Dirceu, os camponeses estão sendo assassinados, os estudantes sendo reprimidos e presos, e ocorre o genocídio da população jovem, pobre e negra das periferias das cidades pelas polícias militares nos estados da federação.   

Esse confronto, com certeza levará à guerra civil contra os trabalhadores e a nação oprimida, podendo abrir uma situação revolucionária, com a ação direta das massas, derrubando de forma revolucionária a ditadura do capital, a ditadura Temer/Cunha, sendo imprescindível para essa hipótese a construção desde já de uma partido operário marxista-revolucionário e a construção de uma Internacional operária e revolucionária, que defenda a instauração de um governo revolucionário operário e camponês, para a expulsão do imperialismo, expropriação das fábricas, bancos, empresas, reforma e revolução agrária, fim dos latifúndios, expropriação das empresas agrícolas, monopólio do comércio exterior, economia planificada, rumo a socialismo. 

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Justiça golpista da ditadura Temer condena Zé Dirceu

O juiz federal e suposto agente da CIA, Sérgio Moro, condenou Zé Dirceu novamente sem provas, agora a 23 anos de prisão, a exemplo do que fizera o Supremo Tribunal Federal.

Mais uma vez essa instituição burguesa, ocupada por usurpadores que não se submeteram ao sufrágio universal, ao voto,  ou seja ao controle do povo, que permanentemente defendem os interesses da burguesia e do imperialismo norte-americano, age politicamente, como quando entregou Olga Benário a Hitler, como quando sequestrou Lula e o ex-ministro Guido Mantega.

Além disso,  Polícia Federal (PF) tornou-se a polícia política do golpe, adquirindo as características das SS nazistas, a exemplo do que vem fazendo não só em São Paulo como, por exemplo, no Paraná, onde Curitiba tornou-se a Nova Guantánamo, com as pessoas sendo presas sem culpa formada (ou seja, sem acusação), por meio de prisões “preventivas” e “provisórias”, para obtenção de “confissões” e “delações premiadas” sob clara tortura, a exemplo do que ocorre na prisão norte-americana em Guantánamo e ocorreu na época nazista de Hitler.

Ainda hoje, o juiz Sérgio Moro reconheceu as mentiras das “delações premiadas”, transformando-as em “confissões”, num caso específico. É trapalhada em cima de trapalhada em razão do açodamento em perseguir o Partido dos Trabalhadores (PT) e criminalizar os movimentos operários, populares e sociais!

Zé Dirceu é preso político, sendo que a Tendência Marxista-Leninista, apesar das divergências com o companheiro, expressa total e incondicional solidariedade com o mesmo.

A justiça da ditadura Temer não tem legitimidade para condenar ninguém, pelo contrário os golpistas e o ditador Temer é que serão julgados pela História e por Tribunais populares, no futuro, onde pagarão por seus crimes.

Deputados golpistas tiveram a cara de pau de acionar o STF para que a presidenta Dilma fosse notificada para prestar esclarecimento sobre o por quê se diz vítima de golpe, o que foi deferido pela Corte.

A luta contra o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano segue firme, tanto em nível nacional porque ontem dia 17/5 houve uma enorme manifestação na Avenida Paulista, que seguiu em passeata para a região dos Campos Elísios, onde fica a sede da Fundação Nacional de Artes (Funarte), em razão dos protestos contra a extinção do Ministério da Cultura e do obscurantismo dos golpistas, como também em nível internacional, com a atriz Sônia Braga organizando um protesto no Festival de Cannes, na França.

- Liberdade para os presos políticos!

- Pelas liberdades democráticas!

- Abaixo a repressão!

- Pela dissolução da polícia militar e da polícia federal!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- Fora Temer!

Ignácio Reis

Ontem, dia 17/5, grande manifestação contra a ditadura Temer na Avenida Paulista

Ontem, dia 17/5, aconteceu uma grande manifestação, com milhares de pessoas, contra a ditadura Temer na Avenida Paulista, onde os manifestantes concentraram-se inicialmente para protestar contra o fechamento do Ministério da Cultura.

Os manifestantes protestaram contra o obscurantismo da ditatura Temer.

Depois, os manifestantes seguiram até a região dos Campos Elísios, onde fica a sede da Fundação Nacional de Artes (Funarte).

A Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo precisam deliberar um calendário de lutas, visando unificar as manifestações e os protestos contra a ditadura Temer que estão se dando de forma bastante espontânea, visando a luta por liberdades democráticas e a derrubada revolucionária de Temer.

Ignácio Reis

Flávia Piovesan: professora golpista na “Secretaria de Direitos Humanos”

A professora e procuradora do Estado de São Paulo Flávia Piovesan foi indicada para a “Secretaria de Direitos Humanos”.

A professora é especialista em direitos humanos como muitos "mestres" policiais que dão aulas nas “academias de polícia” por aí afora, ministrando os ensinamentos da doutrina de Jimmy Carter, ex-presidente do monstro imperialista norte-americano, assim como  da ONU (Organização das Nações Unidas), que, como disse Vladimir Lênin de sua antecessora, a Sociedade das Nações, não passa de um covil de bandidos.

Flávia Piovesan é uma conhecida professora tida como progressista, no entanto quando foi criada a carreira de defensor público no Estado de São Paulo (carreira para a defesa judicial da população pobre), com bastante atraso com relação aos demais estados da federação, neste reacionário ninho tucano do PSDB, onde é promovido um genocídio da população jovem, pobre e negra das periferias das cidades pela Polícia Militar, muitos procuradores do estado que optaram pela carreira de defensor público tinham expectativa e ilusão que a agora golpista optasse pela carreira de defensor público, o que ela não fez, preferindo continuar como advogada do comitê executivo da burguesia e do imperialismo (conforme Lênin também), que é o governo burguês paulista.  

Flávia vai ser parceira de Michel Temer, outro procurador do estado, e do chefe de polícia Alexandre Moraes, eufemisticamente chamado de Ministro da Justiça. Não precisa dizer mais nada!


Rosália Luxemburgo da Silva

terça-feira, 17 de maio de 2016

Reagrupar a vanguarda: construir um partido operário marxista revolucionário

A Tendência Marxista-Leninista reuniu-se no final de semana e discutiu a situação política nacional, isto é, a consumação do golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano e a instauração da ditadura Temer.

A Reunião da TML aprovou um documento sobre a conjuntura, para reorientar a nossa intervenção, que publicaremos nos próximos dias.

Uma das principais alterações da nossa política para o próximo período foi a constatação de que o nosso “entrismo” no Partido dos Trabalhadores está esgotado, ou seja, que ele foi importante para a luta contra o golpe (tendo em vista as nossas forças, isto é, o fato de sermos apenas uma tendência), mas que no próximo período devemos dar um salto de qualidade, buscando a luta intransigente pela independência de classe, buscando a formação e construção de um partido do proletariado brasileiro.

A necessidade da construção do Partido Operário Marxista Revolucionário é enorme nesta conjuntura, quando a burguesia entreguista e o imperialismo norte-americano anunciam ataques sem precedentes contra o proletariado e o conjunto da nação oprimida, como a supressão da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), uma conquista de mais de 70 anos, no sentido da ampla terceirização, com a precarização/escravização do trabalhador, e consequente aumento do trabalho escravo tanto na cidade como no campo, assim como a privatização do que restou do patrimônio público, como a Petrobrás, a Caixa Econômica Federal, Correios, etc. etc.

O programa da ditadura Temer “Um ponte para o futuro”, uma aberração neo-liberal é uma tentativa desesperada de salvação do capitalismo brasileiro moribundo, promovendo uma verdadeira guerra civil contra o movimento operário e popular, as centrais, os sindicatos, os movimentos populares e sociais.

A necessidade do Partido Operário Marxista Revolucionário deve-se também ao fracasso da política de colaboração de classes do PT (“frente populista”), que levou a sua direção a capitular e a trair a luta contra o golpe, o que desorientou a sua combativa militância. O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) joga um papel coadjuvante na frente de colaboração de classes, fazendo apologia da democracia burguesa.

Além disso, a necessidade do Partido Operário deve-se à traição do (PSTU), que defendia o “Fora Todos”, que na verdade era o Fora Dilma; de setores do Partido do Socialismo e Liberdade (PSOL), os quais flertaram com o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano; ao Partido Comunista Brasileiro (PCB) que não participou da luta contra o golpe, somando mais essa traição à sua história.

Também, deve-se aos centristas como a Liga Bolchevique Internacionalista (LBI) que enxergou o golpe apenas no último momento, não tendo travado nenhuma luta, pouco se diferenciando, na prática, da direção do PT, assim como o Movimento Revolucionário dos Trabalhadores – Liga Estratégica Revolucionária (MRT/LER-QI) que também somente viu o golpe na última hora.

Ainda, deve-se mencionar uma excrescência, ou seja, a posição do Movimento Negação pela Negação (MNN) que chegou a participar das manifestações da burguesia entreguista, pedindo até a prisão de Lula. 

Por último, é necessário observar que há uma vanguarda operária marxista revolucionária bastante dispersa, a qual a proposta de formação e construção de um Partido Operário Marxista Revolucionário visa reagrupar, no sentido da organização independente do proletariado, para que este busque liderar a nação oprimida, em aliança com os camponeses pobres e lute por um governo operário e camponês, para a realização das tarefas democráticas como expulsão do imperialismo, reforma e revolução agrária, ou seja, expropriação das fábricas, empresas, bancos, universidades, escolas, empresas agrícolas, expropriação dos latifúndios e do campo, monopólio do comércio exterior e economia planificada, bem como  por uma Internacional operária e revolucionária, rumo ao socialismo.

O objetivo da formação do Partido Operário Marxista Revolucionário não é a formação de um “partido de novo tipo”, como defendem os intelectuais pequeno-burgueses, não queremos uma reedição do PT, do PSOL, do PSTU, do PCB, PCdoB, etc., nosso objetivo é a formação de um partido bolchevique, ou seja, um partido marxista-leninista revolucionário, um partido de quadros, que seja formado, construído e financiado pela própria militância, que defenda a independência da classe operária e lute por sua emancipação, superando e dando um salto de qualidade com relação às duas tentativas históricas fracassadas da classe operária de construir um partido operário independente, que foram o PCB e o PT.  

Agora com o golpe consumado, com a instauração da ditadura Temer, a resistência tem de dar um salto de qualidade, com a formação e construção do Partido Operário Marxista Revolucionário, com um trabalho paciente de explicação aos operários, aos trabalhadores, aos camponeses, aos jovens e aos estudantes, preparando-os para a luta pelas liberdades democráticas, como também para enfrentar os ataques que virão do “programa econômico” da ditadura Temer, sempre utilizando os métodos de luta da ação direta das massas, motivo pelo qual o movimento operário e popular deve preparar e organizar, uma greve geral por tempo indeterminado, com a eleição dos comandos de greve, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas empresas rurais, nas escolas e nas universidades para derrubar a ditadura Temer.

Assim, somente com a formação e construção do Partido Operário Marxista Revolucionário a ditadura Temer será um curto episódio no sentido de um governo revolucionário operário e camponês.   

- Não ao golpe!

- Abaixo a ditadura Temer!

- Fascistas não passarão!

- Preparar e organizar a greve geral!

- Fora Temer! 

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

Ignácio Reis

sábado, 14 de maio de 2016

Unasul e 5 países latino-americanos condenam o golpe no Brasil

A União de Nações Sul-Americanas, a Unasul, assim como Bolívia, Cuba, Equador, Nicarágua e Venezuela condenaram o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano e manifestaram preocupação com a liberdades democráticas no país.

Por outro lado, José Serra, representante da ultra-reacionária burguesia paulista e agora usurpador do Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty, repudiou a atitude da Unasul e desses países.

É aquela história, os golpistas acham ruim de que os outros falem que eles são golpistas e de que é golpe, que o governo Temer é uma ditadura. 

Anita Garibaldi

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Ditadura Temer, as mulheres, os negros, os homossexuais e os pobres

Muitos analistas políticos demonstraram uma surpresa com o gabinete do golpe, todavia de forma ingênua.

Os golpistas são contra até o ingresso das mulheres no mercado de trabalho.

Cotidianamente matam, em seus estados de origem, a população adolescente, pobre e negra das periferias da cidade e do campo, promovendo um verdadeiro genocídio.

Quase todo dia espancam e matam homossexuais.

E deram o golpe para acabar com os direitos dos trabalhadores.

Como imaginar que no ministério da ditadura Temer houvesse algum representante dessas vítimas?

Aparecida Garibaldi 

Avança ditatura em SP: estudantes secundaristas são presos e levados para delegacia de polícia

A Polícia Militar prendeu os estudantes secundaristas que ocupavam as escolas técnicas por causa da máfia da merenda do governo Alckmin.

O procurador geral do Estado, Elival da Silva Ramos, deu parecer favorável à intervenção truculenta da PM, que prendeu os adolescentes e os levou à delegacia de polícia, dentro de ônibus.

No parecer da Procuradoria Geral do Estado falou-se em autotutela, ou seja, o direito do ente público de agir imediatamente em legítima defesa, o que claramente não foi o caso, pois as escolas estavam ocupadas há vários dias, o que obrigava o governo estadual a requerer a reintegração de posse na Justiça, visando um mandado judicial, uma ordem do juiz.

Acontece que com a instauração da ditadura Temer, que nomeou o truculento ex-secretário de segurança pública do Estado de São Paulo, Alexandre de Moraes, como ministro da justiça (na verdade ele deve se sentir como chefe de polícia em razão de sua truculência), “coincidentemente” a Procuradoria Geral do Estado, que antes ajuizava pedidos de reintegração de posse, agora mudou seu entendimento, liberando geral a repressão no Estado de São Paulo, começando, covardemente, pelos adolescentes, reduzindo na prática a maioridade penal, sabendo também que o Supremo Tribunal Federal rasgou a Constituição, com condenações sem prova dos companheiros do PT, com o fim da presunção de inocência e por ter participação ativa no golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano, dando cobertura aos golpistas.

Além disso, o truculento Alexandre de Moraes está prometendo perseguir os movimentos populares e sociais, a exemplo do que fez Fernando Capez (promotor de justiça, presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, acusado de ser ladrão de merenda escolar) com as torcidas organizadas.  

O movimento operário e popular deve preparar e organizar a sua autodefesa, formando as milícias operárias e populares, a partir dos sindicatos, para enfrentar esses golpistas nazi-fascistas.

Erwin Wolf

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Golpe derruba a presidenta Dilma: Ditadura no Brasil

O Senado Federal aprovou por 55 a 22 (com 2 ausências) o afastamento da presidenta Dilma Rousseff do Partido dos Trabalhadores (PT), por meio de golpe parlamentar, eufemisticamente chamado de “empeachment”.

O golpe foi dado a pretexto de “pedaladas fiscais” (uma espécie de empréstimo do governo junto aos bancos públicos para pagar as contas referentes aos programas sociais da população mais pobre, como Bolsa Família, por exemplo), um prática comum de todos os governos, inclusive o governo burguês neo-liberal de Fernando Henrique Cardoso, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), assim como dos governadores e prefeitos. Como se diz no Brasil: uma desculpa esfarrapada.

Assim, consumou-se o golpe de estado da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano.

O objetivo do golpe é reverter a queda da taxa de lucros da burguesia e do imperialismo norte-americano, em razão de que a crise do capitalismo mundial de 2008, que chegou de forma retardatária no Brasil em 2013, agravada pela queda dos preços das “commodities”, dos produtos primários brasileiros de exportação, como o petróleo, o minério de ferro, a carne, a soja, etc., agravada, ainda, em razão da concorrência dos imperialismos chinês e russo, que ganharam espaço na América Latina, com a crise norte-americana.

A crise do capitalismo é brutal. Nem a Inglaterra e a França conseguem manter uma fachada de democracia burguesa, pois, na última, François Hollande, presidente, e Manuel Valls, primeiro-ministro, governam com base no estado de emergência (espécie de estado de sítio, decerto modo um eufemismo jurídico).   

O imperialismo norte-americano, para superar a sua crise, além de oprimir ainda mais o seu povo, como os negros nas cidades americanas (por exemplo, os assassinatos da polícia em Baltimore e Ferguson) partiu para uma política de recolonização dos povos, e busca colocar no poder governos títeres, como a ditadura de Michel Temer.

Para tanto, a burguesia entreguista e o imperialismo norte-americano chegaram a um consenso em torno do vice-presidente Michel Temer, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) para substituir  Dilma Rousseff no poder. 

O PMDB foi um partido criado na ditadura militar (1964/1985) que deu sustentação ao ao bipartidarismo dos governos dos militares juntamente com a Aliança para Renovação Nacional (ARENA), o partido dos militares.

Temer elaborou um programa econômico, denominado “Uma ponte para o futuro”, uma verdadeira aberração neo-liberal, um verdadeira guerra civil contra os trabalhadores e a maioria oprimida nacional, que pretende suprimir os direitos dos trabalhadores, constante da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), uma conquista dos trabalhadores há mais de 70 anos, promovendo a terceirização (precarização/escravidão), reduzir ou acabar com a previdência social, com as aposentadorias, pensões, seguro-desemprego, o que deverá aumentar o trabalho escravo nas cidades e no campo, assim como os programas sociais do PT, como Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Pró-uni, Pronatec, etc. Além disso, o golpe visa entregar privatizar (apropriar) o que sobrou do patrimônio público da época do presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, assim como entregar a Petrobrás para a norte-americana Chevron, coisa que os Estados Unidos vem perseguindo desde que a petroleira brasileira foi fundada, no governo Vargas. 

Assim, é mais um golpe patrocinado pelo imperialismo norte-americano na América Latina, como o ocorrido anteriormente em Honduras, no Paraguai, na Venezuela (derrotado posteriormente com a volta do presidente Hugo Chavez) e Argentina, sem falar dos demais pelo mundo, como na Líbia, Síria, Tailândia, Egito, Ucrânia, etc.

O golpe na Argentina merece uma observação especial, pois embora a burguesia pró-imperialista tenha tomado o governo pelo voto, governa por decreto, ou seja, de forma ditatorial, prende as lideranças dos movimentos populares e sociais, como a líder indígena Milagro Sala, coloca como chanceler, como ministra de relações exteriores, Susana Malcorra, agente da CIA, e vincula-se ao Estado sionista e terrorista de Israel. Isso ocorreu também na Alemanha, onde a ascensão de Hitler foi de forma democrática, pois ele foi designado primeiro-ministro pelo presidente Paul von Hindenburg, mas logo, numa provocação, incendiou o Reichstag, o parlamento alemão, depois deu iniciou à II Guerra Mundial.

A liderança do golpe coube à embaixadora norte-americana Liliane Ayalde, golpista profissional, que havia organizado o golpe no Paraguai, a qual foi expulsa da Venezuela pelo presidente Maduro, mas que infeliz e desgraçadamente veio para o Brasil.

O golpe contou, ainda, com total colaboração das “instituições” burguesas permanentes, como o Poder Judiciário, Ministério Público Federal, Polícia Federal (a polícia política do golpe), porque tais “instituições” são controladas de forma permanente pelo burguesia pró-imperialista, por meio de usurpadores que não são eleitos, não são submetidos ao sufrágio universal, ao voto, isto é, não são controlados pelo povo.

A burguesia e o imperialismo utilizaram as “instituições”, como o Supremo Tribunal Federal, que rasgou a Constituição Federal, condenando os companheiros do PT sem provas, com base na nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato”, acabou com o devido processo legal e o direito do contraditório e da ampla defesa, instituindo em Curitiba, capital do Estado do Paraná, uma Nova Guantánamo, com as pessoas sendo presas sem culpa formada, as chamadas “prisões cautelares” (“prisões temporárias” e “ prisões preventivas”) para se obter  “confissões” e “delações premiadas”, e logo em seguida acabando com o princípio da presunção de inocência, como na Alemanha de Hitler também.

O golpe para a implantação da ditadura Michel Temer conta com a supressão da liberdades democráticas e dos direitos civis da população, com assassinatos de líderes populares e sociais, com os irmãos Jesser Batista Cordeiro, 29, e seu irmão, Nivaldo Batista Cordeiro, 32 anos, que foram assassinados, em Buritis, Rondônia, que pertenciam à Liga dos Camponeses Pobres (LCP), e estavam desaparecidos desde o dia 24 de abril, sendo que seus corpos foram encontrados boiando próximo a linha C-50, Km 25, Porte Rio Formoso. Eles eram do Acampamento 10/5; além disso, ainda a semana passada,a militante do Movimento dos Trabalhadores Sem TeBrto (MTST), Edilma Aparecida Vieira dos Santos, de 36 anos, foi baleada numa passeata, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo; ainda a líder indígena Kaiowá, Marinalva Manuel, de 27 anos de idade, que participou de um protesto no Supremo Tribunal Federal há 16 dias, reivindicando 1.500 hectares de terra para sua comunidade de 28 famílias, foi assassinada a golpes de faca, sendo que seu corpo foi encontrado no dia 1º de maio, em Dourados, Mato Grosso do Sul; no mês passado, a Polícia Militar do Paraná fez uma emboscada e massacrou mais de 20 sem-terras, militantes do MST, matando 2 e ferindo os demais, massacre promovido a mando da empresa Araupel, de reflorestamento e beneficiamento de madeira, que fica no sudoeste do Paraná, no município de Quedas do Iguaçu, o mesmo estado  que o ano passado massacrou professores, deixando muitos feridos, agora massacram os sem-terras; o presidente do PT da cidade de Mogeiro, Ivanildo Francisco da Silva neste ano; também recentemente, militantes do PT foram presos em Belo Horizonte e em Governador Valadares; por último, ontem mesmo, manifestantes contra o golpe foram duramente reprimidos pela Polícia Militar do Distrito Federal, em Brasília.

O golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano marca o fracasso da política de colaboração de classes do PT (“frente populista”), isto é, a política de alianças com os partidos burgueses como o próprio PMDB, PP, PSB, PDT, etc.

O desembarque dos partidos burgueses da frente de colaboração de classes impulsionou o golpe, sendo que restou apenas com o PT, no máximo, a sombra da burguesia, como dizia Trotsky.  

Essa política de colaboração de classes tem impedido o aprofundamento e a ampliação da luta contra o golpe, por semear ilusões parlamentares, constitucionais, legalistas, desarmando politicamente a luta contra o golpe.

O movimento operário e popular contra todas essas arbitrariedades dos golpistas tem promovido enormes e gigantescas mobilizações, mas em razão de sua direção conciliadora não conseguiu deter o golpe.

Agora com o golpe consumado, com a instauração da ditadura Temer, a resistência têm de dar um salto de qualidade, com um trabalho paciente de explicação aos operários, aos trabalhadores, aos camponeses, aos jovens e aos estudantes, preparando-os para a luta pelas liberdades democráticas, como também para enfrentar os ataques que virão do “programa econômico” da ditadura Temer, sempre utilizando os métodos de luta da ação direta das massas, motivo pelo qual o movimento operário e popular deve preparar e organizar, uma greve geral por tempo indeterminado, com a eleição dos comandos de greve, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas empresa rurais, nas escolas e nas universidade para derrubar a ditadura Temer. Além disso, para lutar por liberdades democráticas, deve impulsionar os comitês de luta contra o golpe e transformá-los em comitês de luta contra a ditadura Temer, bem como impulsionar os comitês de autodefesa e as milícias operárias e populares a partir dos sindicatos.

Para tanto, a Tendência Marxista-Leninista entende que é urgente um reagrupamento da vanguarda operária revolucionária, no sentido de sua independência de classe, visando a formação e construção de um partido operário marxista revolucionário, que lute por um governo operário e camponês, rumo ao socialismo.

- Não ao golpe!

- Abaixo a ditadura Temer!

- Liberdades democráticas!

- Liberdade de manifestação e expressão!

- Liberdade de organização!

- Fascistas não passarão!

- Preparar e organizar a greve geral!

- Fora Temer! 

Tendência Marxista-Leninista

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Greve Geral 10/5 contra o golpe e a ditadura Temer

O novo presidente da Câmara Federal, Waldir Maranhão (que assumiu devido ao afastamento do deputado Eduardo Cunha, acusado de desviar milhões de dólares da Petrobrás) deferiu e atendeu ao recurso da Advocacia-Geral da União, anulando a farsa do processo de “impeachment” contra a Presidente Dilma Rousseff, em razão das inúmeras irregularidades, julgando-o procedente.

O presidente Waldir Maranhão determinou ainda que o processo que se encontra no Senado Federal retorne à Câmara dos Deputados.

Todavia, o presidente do Senado, Renan Calheiros, passou por cima da decisão do presidente da Câmara dos Deputados e deu seguimento ao golpe no Senado Federal, alegando que a decisão do presidente da Câmara foi intempestiva, ou seja, fora do prazo, estando preclusa (caduca no popular), o que não é verdade, porque a Advocacia-Geral da União interpôs (entrou) com o recurso dentro do prazo regulamentar, sendo que o problema foi o que o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, não apreciou, não julgou o recurso.

É importante assinalar que os deputados e senadores golpistas estão ameaçando cassar o mandato do presidente da Câmara, Waldir Maranhão, e prendê-lo. A imprensa golpista está fazendo o mesmo, como, por exemplo, o jornalista Cláudio Humberto, na tarde de hoje, na Rádio Bandeirantes. 

Os trabalhadores não devem ter ilusão nas “instituições” golpistas, como a Câmara dos Deputados e o Senado Federal, compostas na sua maioria por membros que foram eleitos com dinheiro dos banqueiros, dos grandes empresários e dos grandes empreiteiros, em eleições antidemocráticas e controladas, onde os candidatos dos partidos operários e populares não dispõem de um tempo mínimo razoável para defenderem seus programas e suas plataformas, assim como o Poder Judiciário, Ministério Público Federal, Polícia Federal, que servem de forma permanente a burguesia pró-imperialista, por meio de usurpadores que não são eleitos, não são submetidos ao sufrágio universal, ao voto, isto é, não são controlados pelo povo.

As mobilizações têm de dar um salto de qualidade, sempre utilizando os métodos de luta de ação direta das massas, motivo pelo devemos deflagrar a Greve Geral, amanhã dia 10/5, elegendo comandos de greve, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas empresas rurais, nas escolas e nas universidades, com o objetivo de paralisar os transportes públicos (ônibus, trens e metrô), fechando as estradas, as rodovias, os portos e aeroportos, impedindo, assim, a votação no Senado e eventual posse de Temer, que, com certeza, poderá atacar e retirar os direitos trabalhistas da população.

Assim, objetivo da Greve Geral de amanhã, dia 10/5, é paralisar totalmente o País, exatamente no dia antecederá à votação do golpe no Senado Federal, dando um importante passo, rumo à greve geral por tempo indeterminado para derrotar o golpe de Temer.

- Não ao golpe!

- Fascistas não passarão!

- Greve geral!

- Fora Temer! 

Tendência Marxista-Leninista

Justiça e Polícia Federal sequestram ex-ministro Guido Mantega

A Justiça Federal determinou a condução coercitiva do ex-ministro Guido Mantega hoje manhã para prestar depoimento na 7ª fase da chamada “Operação Zelotes”.

Mais uma vez essas instituições burguesas, ocupadas por usurpadores que não se submeteram ao sufrágio universal, ao voto,  ou seja ao controle do povo, que permanentemente defendem os interesses da burguesia e do imperialismo norte-americano, sem nenhuma necessidade, sem que tenha havido recusa em depor por parte do ex-ministro,  passando por cima da Constituição Federal, por cima do princípio da presunção de inocência agem arbitrariamente,  ditatorialmente, o que prenuncia o perigo que estamos passando com a possibilidade da ditadura do golpista Temer.

A PF seguem sequestrando, como havia feito com o ex-presidente Lula, e isso pode piorar daqui prá frente, pois está se tornando a polícia política do golpe, adquirindo as características das SS nazistas, a exemplo do que vem fazendo não só em São Paulo como, por exemplo, no Paraná, onde Curitiba tornou-se a Nova Guantánamo, com as pessoas sendo presas sem culpa formada (ou seja, sem acusação), por meio de prisões “preventivas” e “provisórias”, para obtenção de “confissões” e “delações premiadas” sob clara tortura, a exemplo do que ocorre na prisão norte-americana em Guantánamo e ocorreu na época nazista de Hitler.

- Abaixo a repressão!

- Pela dissolução da polícia militar e da polícia federal!

- Pelas liberdades democráticas!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- Fora Temer!

- Greve Geral amanhã, dia 10/5!

Erwin Wolf

Apesar de anulada a farsa do “impeachment”, não confiar nas instituições burguesas: Greve Geral amanhã, dia 10/5

O novo presidente da Câmara Federal, Waldir Maranhão (que assumiu devido ao afastamento do deputado Eduardo Cunha, acusado de desviar milhões de dólares da Petrobrás) deferiu e atendeu ao recurso da Advocacia-Geral da União, anulando a farsa do processo de “impeachment” contra a Presidente Dilma Rousseff, em razão das inúmeras irregularidades, julgando-o procedente.

O presidente Waldir Maranhão determinou ainda que o processo que se encontra no Senado Federal retorne à Câmara dos Deputados.

Os trabalhadores não devem ter ilusão nas “instituições” golpistas, como Câmara dos Deputados, Senado Federal, Poder Judiciário, Supremo Tribunal Federal, Ministério Público Federal, Polícia Federal (a polícia política do golpe), porque tais “instituições” são controladas de forma permanente pelo burguesia pró-imperialista, por meio de usurpadores que não são eleitos, não são submetidos ao sufrágio universal, ao voto, isto é, não são controlados pelo povo.

As mobilizações têm de dar um salto de qualidade, sempre utilizando os métodos de luta de ação direta das massas, motivo pelo qual estará preparando e organizando a Greve Geral do dia 10/5, defendendo a eleição dos comandos de greve, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas empresa rurais, nas escolas e nas universidades, com o objetivo de paralisar os transportes públicos (ônibus, trens e metrô), fechando as estradas, as rodovias, os portos e aeroportos, impedindo, assim, a votação no Senado e eventual posse de Temer.

Assim, objetivo da Greve Geral do dia 10/5, amanhã, é paralisar totalmente o País, exatamente no dia antecederá à votação do golpe no Senado Federal, dando um importante passo, rumo à greve geral por tempo indeterminado para derrotar o golpe de Temer.

- Não ao golpe!

- Fascistas não passarão!

- Preparar e organizar a greve geral!

- Fora Temer! 

Anulada a farsa do “impeachment”, mas não baixar a guarda: Greve Geral amanhã para derrotar o golpe

O novo presidente da Câmara Federal, Waldir Maranhão (que assumiu devido ao afastamento do deputado Eduardo Cunha, acusado de desviar milhões de dólares da Petrobrás) deferiu e atendeu ao recurso da Advocacia-Geral da União, anulando a farsa do processo de “impeachment” contra a Presidente Dilma Rousseff, em razão das inúmeras irregularidades, julgando-o procedente.

O presidente Waldir Maranhão determinou ainda que o processo que se encontra no Senado Federal retorne à Câmara dos Deputados.

Não baixar a guarda: apenas a ação direta dos trabalhadores deterá o golpe e a ditatura Temer

A Frente Brasil Popular, liderada pelo PT, PCdoB, PCO, CUT, CTB, MST, MTST, UNE e UBES e os movimentos populares e sociais, deliberou a paralisação para o dia 10/5 contra o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano, que agora pretende impor como ditador o ex-chefe de polícia (eufemisticamente chamado de Secretário de Segurança Pública) de São Paulo, o qual foi testemunha do Coronel torturador do DOI-CODI, Carlos Alberto Brilhante Ulstra. 

Embora a Tendência Marxista-Lenininsta entenda que é necessária uma greve geral por tempo indeterminado para derrotar o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano, a paralisação (apenas 1 dia) marcada para o dia 10/5 é um passo importante rumo à greve geral por prazo indeterminado.

Os trabalhadores não devem ter ilusão nas “instituições” golpistas, como Câmara dos Deputados, Senado Federal, Poder Judiciário, Supremo Tribunal Federal, Ministério Público Federal, Polícia Federal (a polícia política do golpe), porque tais “instituições” são controladas de forma permanente pelo burguesia pró-imperialista, por meio de usurpadores que não são eleitos, não são submetidos ao sufrágio universal, ao voto, isto é, não são controlados pelo povo.

O movimento operário e popular cada vez mais vem intensificando a sua mobilização, abrangendo e alcançando novos setores e camadas populares, com o aumento significativo das manifestações, passeatas, inclusive muitas totalmente espontâneas que têm ocupado a Avenida Paulista, o Vale do Anhangabaú, em São Paulo, como nas demais cidades do País. No dia 1º de maio, também aconteceram manifestações em todo país contra o golpe.

Por outro lado, a burguesia segue a matança, sobretudo de assassinatos de lideres camponeses e indígenas, ou com tentativas, como aconteceu com a moça do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, em Itapecerica da Serra, que foi baleada em uma manifestação.

Em São Paulo, Rio de Janeiro e demais estados do país, os estudantes secundaristas estão travando batalhas contra os governos estaduais de traços nazi-fascistas, como o paulista, onde as crianças e os adolescentes estão sendo atacados pela Polícia Militar covarde que nem a SS nazista de Hitler.

A Tendência Marxista-Leninista entende que essas mobilizações têm de dar um salto de qualidade, sempre utilizando os métodos de luta de ação direta das massas, motivo pelo qual estará preparando e organizando a Greve Geral do dia 10/5, defendendo a eleição dos comandos de greve, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas empresa rurais, nas escolas e nas universidades, com o objetivo de paralisar os transportes públicos (ônibus, trens e metrô), fechando as estradas, as rodovias, os portos e aeroportos, impedindo, assim, a votação no Senado e eventual posse de Temer.

Assim, objetivo da Greve Geral do dia 10/5, amanhã, é paralisar totalmente o País, exatamente no dia antecederá à votação do golpe no Senado Federal, dando um importante passo, rumo à greve geral por tempo indeterminado para derrotar o golpe de Temer.

- Não ao golpe!

- Fascistas não passarão!

- Preparar e organizar a greve geral!

- Fora Temer!

sábado, 7 de maio de 2016

Imperialismo americano ataca o espanhol por causa do golpe no Brasil

Quando vimos numa rede social a declaração à Folha de S. Paulo, em 10/4, do presidente do Banco Santander, no Brasil, Sérgio Rial, de que contra o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano, ao dizer que “Não é a ruptura que vai levar a uma solução. Aliás, não há solução na ruptura. Só há o caos.”, tivemos a certeza, na hora, que essa “rebeldia” do imperialismo espanhol  não passaria impune, ou seja, que ele seria atacado pelo imperialismo norte-americano, pela CIA e o Departamento do Estado, por meio de seus agentes no Brasil, como o juiz nazi-fascista Sérgio Moro, ou mesmo, das “instituições” golpistas, como o Poder Judiciário, o Ministério Público Federal,  a Polícia Federal (a polícia política do golpe), ocupadas por usurpadores que não se submeteram aos sufrágio universal, ao controle do povo, ao voto.

Não se pode perder de vista que o imperialismo é a fase de decadência do capitalismo, da fusão do capital industrial com o bancário, do capital financeiro, dos monopólios, do fim da concorrência, da reação em toda linha, corrida armamentista (OTAN), de guerra e revoluções. Ao contrário do que pensava o alemão Karl Kautsky, não houve um desenvolvimento pacífico do imperialismo, pelo contrário, houve um acirramento das disputas inter-imperialistas, dando razão ao revolucionário russo, Vladimir Lênin, como neste caso, entre Estados Unidos e a Espanha.

Tínhamos certeza que aconteceria o mesmo que está acontecendo com os empreiteiros (Marcelo Odebrecht, por exemplo) e até mesmo banqueiros (André Esteves, por exemplo) que apoiaram e se aproveitaram dos governos Lula e Dilma. Sérgio Rial que se prepare para ir para a cadeia ou senão se manda para a Espanha, porque os falcões da Casa Branca são implacáveis na defesa dos interesses gerais do imperialismo e quando necessário sacrificam seus comparsas. A Nova Guantánamo é aqui.

Dito e feito. Hoje na mesma Folha (7/5), saiu um artigo anunciando que “Santander vira alvo da Procuradoria do DF”, com o subtítulo “Banco é acusado de negociar pagamentos ilegais para se livrar de multas no Carf”.

Com certeza, isso é mais uma das armações da embaixadora americana, golpista profissional, Liliana Ayalde (que atuou durante o golpe no Paraguai e Maduro expulsou da Venezuela, mas infeliz e desgraçadamente ela acabou vindo para o Brasil).

O imperialismo norte-americano, para Lula assumir a presidência da República em 2002, exigiu que ele cumprisse os contratos, logicamente com eles (conforme a Carta aos  Brasileiros).  Com a crise da Bolha imobiliária de 2008, os Estados Unidos perdeu espaço nas relações comerciais e financeiras no Brasil, agora ele quer quebrar os contratos do Brasil com a China e a Rússia, para recuperar o terreno perdido, adotando novamente a doutrina Monroe, “A América para os norte-americanos”.

O golpe orquestrado pelo Estados Unidos no Brasil visava principalmente quebrar os contratos do Brasil com o imperialismo chinês e o russo, que, com a crise do capitalismo norte-americano da Bolha imobiliária, haviam ganho espaço nas relações comerciais e financeiras com o nosso país. Além disso, China e Rússia lideram os Brics (Brasil, Rússia, China e África do Sul), e fundaram o Banco do Brics, com um aporte de mais de 100 bilhões de dólores, colocando em xeque a hegemonia do dólar e os Acordos estabelecidos nas Conferências de Bretton Woods, que regem as relações comerciais e financeiras mundiais desde julho de 1944.

Agora, em razão da declaração do presidente do Santander contra o golpe, o Estados Unidos se voltaram também contra o imperialismo espanhol e, com certeza, buscará quebrar os contratos espanhóis.

Os falcões da Casa Branca são uns capetas, com a ditadura Temer o Brasil poderá virar um inferno, como em 1964/1985, como na “República” do Paraná (os professores e os sem-terra que o digam!), como no Estado de São Paulo (os estudantes secundaristas que o digam!), ou seja, o Brasil poderá se tornar a Nova Guantánamo.  

Para evitar que a nossa vida se transforme nesse tormento, o movimento operário e popular de preparar e organizar a Greve Geral para o dia 10/5, elegendo comandos de greve, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, no campo, nas empresas rurais, nas escolas e nas universidades. 

- Greve Geral dia 10/5!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- Fascistas e nazistas não passarão!

- Fora o FMI! Fora o imperialismo!

Erwin Wolf

Governo Alckmin reprime duramente estudantes secundaristas

O governo do PSDB tucano de Geraldo Alckmin, no Estado de São Paulo, ontem reprimiu duramente estudantes secundaristas e os expulsou de forma covarde, brutal e violenta, do Centro Paula Souza, através da tropa de choque da Polícia Militar, armada até os dentes, contra crianças e adolescentes, que. pela manhã, que desde o dia 28/4 faziam ocupação em protesto contra a Máfia da merenda, sob investigação de que é liderada pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Fernando Capez, do PSDB.

Os estudantes secundaristas, mesmo expulsos, continuaram seus protestos nas ruas e prometeram que continuarão a luta até acabar com os desvios da Máfia da merenda do Governo do Estado.

Na luta, os estudantes que ocuparam o Centro Paula Souza, obtiveram a solidariedade dos estudantes do Colégio Fernão Dias, em Pinheiro, e da E. E. Diadema, que também ocuparam suas respectivas escolas, além de muitas outras unidades do Estado de São Paulo.

Ao que parece, o movimento estudantil está se espalhando: neste sábado, 7/5, 15 escolas estão ocupadas no Estado.

Isso é o resultado do política do Secretário Estadual da Educação, o fascista José Renato Nalini, para quem educação não é prioridade, como declarou, o qual recentemente substituiu o nazista Herman Voorwald, que foi derrubado pelos estudantes, porque tentou fechar escolas, o que o atual secretário vem fazendo de forma escondida.

O movimento operário e popular, com o governo Alckmin, já tem um ideia do que poderá ser o governo Temer, ex-chefe de polícia do Estado de São Paulo, onde a política do “estado mínimo” poderá prevalecer, com o aumento da repressão aos movimentos populares e sociais, estabelecendo-se uma verdadeira ditadura.

- Todo apoio à luta dos estudantes contra a Máfia da merenda!

- Abaixo a repressão!

- Liberdade de manifestação e expressão!

- Dissolução da Polícia Militar!

Aparecida Garibaldi