quinta-feira, 30 de junho de 2016

Sede nacional do Partido dos Trabalhadores é atacada em São Paulo

A sede nacional do Partido dos Trabalhadores foi atacada em São Paulo, tendo sido depredada, prosseguindo a escalada golpista,  fascista e macarthista no Brasil.

Anteriormente, na semana passada, a própria Polícia Federal havia invadido a sede do PT, agora,  ao que parece, está impulsionando organização para-militar.

Ontem,  o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) e ex-deputado federal gaúcho, Paulo Ferreira, entregou-se à Polícia Federal. Ele estava com prisão preventiva decretada, em razão da “Operação Custo Brasil”.

A Polícia Federal, ao que tudo indica, segue agindo sob o comando da CIA, sendo que na semana passada, numa operação nazi-fascista invadiu a sede nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), em São Paulo. Além disso, prendeu o ex-ministro Paulo Bernardo, marido da senadora do PT, Gleisi Hoffman, e mais 4 pessoas, na chamada “Operação Custo Brasil”, numa operação “cinematográfica”, usando até helicóptero. O ex-ministro foi libertado em razão de uma decisão monocrática (isolada) de um ministro do Supremo Tribunal Federal. Mas não nos iludamos com o STF, como “instituição” participa ativamente do golpe.

A Polícia Federal transformou-se na polícia política do golpe, numa versão moderna das SS nazistas da Alemanha de Hitler.

A Polícia Federal implementa a política do juiz federal e suposto agente da CIA e do PSDB, Sérgio Moro, que condenou Zé Dirceu novamente sem provas, agora a 23 anos de prisão, verdadeira prisão perpétua se considerarmos a idade de Dirceu (70 anos), a exemplo do que fizera o Supremo Tribunal Federal, com a nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato”. O STF rasgou a Constituição faz tempo, quando acabou com o princípio da presunção de inocência. Essa Corte tem muita tradição nesse tipo de decisão ditatorial e nazi-fascista, tendo entregue Olga Benário a Hitler.

Inclusive, ontem na Rádio Bandeirantes, no final da tarde, o jornalista nazi-fascista Cláudio Humberto, disso claramente que os alvos da “Operação Lava-Jato” são Zé Dirceu e o ex-predidente Lula.

Como disse o dramaturgo alemão Bertold Brecht, “Infeliz da nação que precisa de heróis.”

No ano passado, em um debate no Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, em que denunciamos a “Teoria do Domínio do Fato” como nazi-fascista e colocamos a necessidade de se lutar contra o golpe nas ruas, após a nossa intervenção, o deputado federal Wadih Damous defendeu a “Teoria do Domínio do Fato”, argumentando que ela não era nazi-fascista, sendo que ela permitiu que houvesse a condenação dos nazistas no Tribunal de Nuremberg, dando a entender que ela foi concebida pelos aliados, os Estados Unidos, Inglaterra e França.

Todavia, sem razão o deputado, pois mesmo que ela tenha sido elaborada pelos Aliados, estes eram tão cruéis quanto os nazistas, pois basta lembrar as bombas atômicas que os Estados Unidos jogaram em Hiroshima e Nagasaki, que matando 166 mil pessoas na primeira cidade e 80 mil na segunda. Isso é o imperialismo “democrático”!

A conjuntura ditatorial vivida pelo Brasil, lembra o filme “Z”, do cineasta grego, Costa- Grava, “um filme franco-argelino de 1969, baseado no romance homônimo de Vassilis Vassilikos”, que retratou a luta da Resistência francesa contra a ocupação nazista alemã e o governo colaboracionista de Vichy. Numa passagem do filme, as forças da Resistência mataram um nazista. Em seguida, em represália, os alemães exigiram dos colaboracionistas que pegassem 7 pessoas presas e as condenassem à morte, dando preferência para comunistas e judeus. Um dos presos apresentados, era comunista e judeu. Aí o guarda perguntou aos nazistas e aos colaboracionistas o que fazer com o condenado: devemos matá-lo duas vezes? É esse o judiciário e a polícia política que temos hoje, com as “delações premiadas” e a a Nova Guantánamo de Curitiba.

À caçada ao PT, seguirá a caçada aos demais partidos operários e de esquerda e aos movimentos populares e sociais, aos sindicatos e às centrais de trabalhadores.

A votação do “impeachment” será comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, a mesma Corte que para maquiar o golpe, fez uma cirurgia plástica afastando apenas formamente Eduardo Cunha da presidência da Câmara (continua recebendo e atuando para a consolidação do golpe. Apenas não comparece nas dependências da Câmara, o resto ele continua fazendo exatamente igual), apenas depois que ele fez todo o trabalho sujo, pavimentando o terreno para o golpe.

O universo dos golpistas está mais do que claro: a imprensa, o Congresso Fantoche, o Supremo Tribunal Federal e o juiz  Sérgio Moro, suspeito de ser agente da CIA, , o Ministério Público Federal, a Polícia Federal (a polícia política do golpe), e as Forças Armadas. 

A maioria dessas instituições burguesas, são ocupadas por usurpadores que não se submeteram ao sufrágio universal, ao voto,  ou seja ao controle do povo, que permanentemente defendem os interesses da burguesia e do imperialismo norte-americano, agindo sempre politicamente.

A “Operação Lava Jato” e as demais “operações” foram montadas pela CIA e pelo imperialismo norte-americano apenas para perseguir os dirigentes petistas e os empreiteiros e empresários que apoiaram os governos do PT de Lula e Dilma. Tanto isso é verdade, que o capitão do golpe, o deputado Eduardo Cunha, segue firme e forte, nada lhe acontecendo, nem as suas esposa e filha cúmplices. Inclusive, Cunha e a esposa foram fotografados jantando em restaurante grã-fino, conforme divulgação da imprensa.

A  Polícia Federal (PF) tornou-se a polícia política do golpe, adquirindo as características das SS nazistas, a exemplo do que vem fazendo não só em São Paulo como, por exemplo, no Paraná, onde Curitiba tornou-se a Nova Guantánamo, com as pessoas sendo presas sem culpa formada (ou seja, sem acusação), por meio de prisões “preventivas” e “provisórias”, para obtenção de “confissões” e “delações premiadas”, sob clara tortura, a exemplo do que ocorre na prisão norte-americana em Guantánamo e ocorreu na época nazista de Hitler, reproduzindo o DOI-CODI da ditadura de 1964, nesta ditadura de 2016.

Os golpistas, ao mesmo tempo em que estão retirando os direitos trabalhistas, os programas sociais e previdenciários dos trabalhadores e da maioria oprimida nacional, estão caçando o PT, seus dirigentes e sua militância.

Agora com o golpe consumado, com a instauração da ditadura Temer/Cunha, a resistência têm de dar um salto de qualidade, com um trabalho paciente de explicação aos operários, aos trabalhadores, aos camponeses, aos jovens e aos estudantes, preparando-os para a luta pelas liberdades democráticas, como também para enfrentar os ataques que virão do “programa econômico” da ditadura Temer, sempre utilizando os métodos de luta da ação direta das massas, motivo pelo qual o movimento operário e popular deve preparar e organizar, uma greve geral por tempo indeterminado, com a eleição dos comandos de greve, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas empresa rurais, nas escolas e nas universidade, bem como organizar milícias operárias e populares a partir dos sindicatos, para derrubar a ditadura Temer/Cunha, para que esta seja apenas um curto episódio histórico no Brasil.

- Liberdade para os presos políticos!

- Pelas liberdades democráticas!

- Liberdade de manifestação e expressão!

- Liberdade de associação e organização!

- Abaixo a repressão!

- Pela dissolução da polícia militar e da polícia federal (a polícia política do golpe)!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- O povo na rua derruba a ditadura!

- Fora Temer, Fora Cunha!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário




quarta-feira, 29 de junho de 2016

Segue a caçada ao Partido dos Trabalhadores: ditadura, fascismo e macarthismo no Brasil

O ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) e ex-deputado federal gaúcho, Paulo Ferreira, entregou-se à Polícia Federal. Ele estava com prisão preventiva decretada, em razão da “Operação Custo Brasil”.

A Polícia Federal, ao que tudo indica, segue agindo sob o comando da CIA, sendo que na semana passada, numa operação nazi-fascista invadiu a sede nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), em São Paulo. Além disso, prendeu o ex-ministro Paulo Bernardo, marido da senadora do PT, Gleisi Hoffman, e mais 4 pessoas, na chamada “Operação Custo Brasil”, numa operação “cinematográfica”, usando até helicóptero.

A Polícia Federal transformou-se na polícia política do golpe, numa versão moderna das SS nazistas da Alemanha de Hitler.

A Polícia Federal implementa a política do juiz federal e suposto agente da CIA e do PSDB, Sérgio Moro, que condenou Zé Dirceu novamente sem provas, agora a 23 anos de prisão, verdadeira prisão perpétua se considerarmos a idade de Dirceu (70 anos), a exemplo do que fizera o Supremo Tribunal Federal, com a nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato”. O STF rasgou a Constituição faz tempo, quando acabou com o princípio da presunção de inocência. Essa Corte tem muita tradição nesse tipo de decisão ditatorial e nazi-fascista, tendo entregue Olga Benário a Hitler.

Como disse o dramaturgo alemão Bertold Brecht, “Infeliz da nação que precisa de heróis.”

No ano passado, em um debate no Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, em que denunciamos a “Teoria do Domínio do Fato” como nazi-fascista e colocamos a necessidade de se lutar contra o golpe nas ruas, após a nossa intervenção, o deputado federal Wadih Damous defendeu a “Teoria do Domínio do Fato”, argumentando que ela não era nazi-fascista, sendo que ela permitiu que houvesse a condenação dos nazistas no Tribunal de Nuremberg, dando a entender que ela foi concebida pelos aliados, os Estados Unidos, Inglaterra e França.

Todavia, sem razão o deputado, pois mesmo que ela tenha sido elaborada pelos Aliados, estes eram tão cruéis quanto os nazistas, pois basta lembrar as bombas atômicas que os Estados Unidos jogaram em Hiroshima e Nagasaki, que matando 166 mil pessoas na primeira cidade e 80 mil na segunda. Isso é o imperialismo “democrático”!

A conjuntura ditatorial vivida pelo Brasil, lembra o filme “Z”, do cineasta grego, Costa- Grava, “um filme franco-argelino de 1969, baseado no romance homônimo de Vassilis Vassilikos”, que retratou a luta da Resistência francesa contra a ocupação nazista alemã e o governo colaboracionista de Vichy. Numa passagem do filme, as forças da Resistência mataram um nazista. Em seguida, em represália, os alemães exigiram dos colaboracionistas que pegassem 7 pessoas presas e as condenassem à morte, dando preferência para comunistas e judeus. Um dos presos apresentados, era comunista e judeu. Aí o guarda perguntou aos nazistas e aos colaboracionistas o que fazer com o condenado: devemos matá-lo duas vezes? É esse o judiciário e a polícia política que temos hoje, com as “delações premiadas” e a a Nova Guantánamo de Curitiba.

À caçada ao PT, seguirá a caçada aos demais partidos operários e de esquerda e aos movimentos populares e sociais, aos sindicatos e às centrais de trabalhadores.

A votação do “impeachment” será comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, a mesma Corte que para maquiar o golpe, fez uma cirurgia plástica afastando apenas formamente Eduardo Cunha da presidência da Câmara (continua recebendo e atuando para a consolidação do golpe. Apenas não comparece nas dependências da Câmara, o resto ele continua fazendo exatamente igual), apenas depois que ele fez todo o trabalho sujo, pavimentando o terreno para o golpe.

O universo dos golpistas está mais do que claro: a imprensa, o Congresso Fantoche, o Supremo Tribunal Federal e o juiz  Sérgio Moro, suspeito de ser agente da CIA, , o Ministério Público Federal, a Polícia Federal (a polícia política do golpe), e as Forças Armadas. 

A maioria dessas instituições burguesas, são ocupadas por usurpadores que não se submeteram ao sufrágio universal, ao voto,  ou seja ao controle do povo, que permanentemente defendem os interesses da burguesia e do imperialismo norte-americano, agindo sempre politicamente.

A “Operação Lava Jato” e as demais “operações” foram montadas pela CIA e pelo imperialismo norte-americano apenas para perseguir os dirigentes petistas e os empreiteiros e empresários que apoiaram os governos do PT de Lula e Dilma. Tanto isso é verdade, que o capitão do golpe, o deputado Eduardo Cunha, segue firme e forte, nada lhe acontecendo, nem as suas esposa e filha cúmplices. Inclusive, Cunha e a esposa foram fotografados jantando em restaurante grã-fino, conforme divulgação da imprensa.

A  Polícia Federal (PF) tornou-se a polícia política do golpe, adquirindo as características das SS nazistas, a exemplo do que vem fazendo não só em São Paulo como, por exemplo, no Paraná, onde Curitiba tornou-se a Nova Guantánamo, com as pessoas sendo presas sem culpa formada (ou seja, sem acusação), por meio de prisões “preventivas” e “provisórias”, para obtenção de “confissões” e “delações premiadas”, sob clara tortura, a exemplo do que ocorre na prisão norte-americana em Guantánamo e ocorreu na época nazista de Hitler, reproduzindo o DOI-CODI da ditadura de 1964, nesta ditadura de 2016.

Os golpistas, ao mesmo tempo em que estão retirando os direitos trabalhistas, os programas sociais e previdenciários dos trabalhadores e da maioria oprimida nacional, estão caçando o PT, seus dirigentes e sua militância.

Agora com o golpe consumado, com a instauração da ditadura Temer/Cunha, a resistência têm de dar um salto de qualidade, com um trabalho paciente de explicação aos operários, aos trabalhadores, aos camponeses, aos jovens e aos estudantes, preparando-os para a luta pelas liberdades democráticas, como também para enfrentar os ataques que virão do “programa econômico” da ditadura Temer, sempre utilizando os métodos de luta da ação direta das massas, motivo pelo qual o movimento operário e popular deve preparar e organizar, uma greve geral por tempo indeterminado, com a eleição dos comandos de greve, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas empresa rurais, nas escolas e nas universidade, bem como organizar milícias operárias e populares a partir dos sindicatos, para derrubar a ditadura Temer/Cunha, para que esta seja apenas um curto episódio histórico no Brasil.

- Liberdade para os presos políticos!

- Pelas liberdades democráticas!

- Liberdade de manifestação e expressão!

- Liberdade de associação e organização!

- Abaixo a repressão!

- Pela dissolução da polícia militar e da polícia federal (a polícia política do golpe)!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- O povo na rua derruba a ditadura!

 - Fora Temer, Fora Cunha!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário







sábado, 25 de junho de 2016

Capitalismo europeu está se desmanchando: construir a Internacional

O capitalismo europeu vive uma enorme crise, praticamente está se desmanchando. 

Agora o Reino Unido, liderado pela Inglaterra, retirou-se da União Europeia.

Além disso, a democracia na França, país imperialista avançado, acabou, com o governo do presidente François Hollande e o primeiro-ministro Manoel Valls governando em estado de sítio (com o eufemismo de estado de emergência), sendo que a classe operária francesa se levantou contra a supressão dos direitos trabalhistas e previdenciários, saindo as ruas do país.

A Europa vive a crise de desemprego, dos refugiados e emigrantes, com o crescimento da extrema-direita xenófoba, tudo isso resultado da política imperialista na Ucrânia, no Norte da África, Líbia, Mali, e Oriente Médio, Síria, Palestina, etc.

O referendo no Reino Unido votou pela saída da União Europeia (“Brexit”), por 51,9%, sendo que 17.410.742 eleitores votaram pela saída, enquanto 16.141.242 votaram pela permanência.

A saída do Reino Unido da União Europeia derrubou as Bolsas da Ásia e os mercados futuros da Europa e dos Estados Unidos, enquanto a Bolsa de Tóquio, no Japão, desabou 8%.

Além disso, derrubou o primeiro-ministro britânico, David Cameron. 

O referendo, formalmente, não é vinculante, mas com certeza, nenhum governante inglês terá coragem de descumprir essa decisão.

Ainda, provavelmente, aumentarão as forças centrífugas dentro do Reino Unido, com a Escócia, a Irlanda querendo se separar da Inglaterra, o que poderá ferir de morte o capitalismo britânico.

Tal conjuntura demonstra a inviabilidade da União Europeia capitalista, do Tratado de Maastricht.

Já passou da hora do proletariado europeu tomar o poder, expropriar os capitalistas e erigir os Estados Unidos Socialistas da Europa. 

Não se pode perder de vista que o imperialismo é a fase de decadência do capitalismo, da fusão do capital industrial com o bancário, dos monopólios, do fim da concorrência, da reação em toda linha, corrida armamentista (OTAN), de guerra e revoluções. E que a Organização das Nações Unidas (ONU), como disse Lênin de sua antecessora, a Sociedade das Nações, não passa de um covil de bandidos.

Atualmente, os imperialismos norte-americano e europeu têm concorrência dos imperialismos chinês e russo, que lideram os Brics (Brasil, Rússia, China e África do Sul), e fundaram o Banco do Brics, com um aporte de mais de 100 bilhões de dólores, colocando em xeque a hegemonia do dólar e os Acordos estabelecidos nas Conferências de Bretton Woods, que regem as relações comerciais e financeiras mundiais desde julho de 1944. 

Agora, com a débâcle do imperialismo europeu, a tendência é que as disputas inter-imperialistas vão se acirrar.

Tal quadro poderá debilitar de conjunto o imperialismo mundial, enfraquecendo o ataque do imperialismo norte-americano na América do Sul, onde ele derrubou o governo da presidenta eleita Dilma Rousseff no Brasil; colocou Macri, na Argentina, que, embora eleito, governa por decreto de forma ditatorial, tendo efetuado a prisão da líder indígena Milagro Sala e se aproximado do Estado terrorista e sionista de Israel; e agora segue tentanto derrubar Nicolás Maduro, na Venezuela.

Todavia, o capitalismo mundial não vai cair de podre. Se não for construída uma Internacional comunista, operária e revolucionária ele vai continuar se estribuchando.

Como assinalou Trotsky no Programa de Transição de 1938, mas parece que foi escrito agora: 

“A situação política mundial no seu conjunto caracteriza-se, antes de mais nada, pela crise histórica da direção do proletariado.

A condição econômica necessária para a revolução proletária já alcançou, há muito, o mais alto grau de maturação possível sob o capitalismo.

(...)

Sob as condições da crise social de todo o sistema capitalista, as crises conjunturais sobrecarregam as massas com privações e sofrimentos cada vez maiores. O crescimento do desemprego aprofunda, por sua vez, a crise financeira do Estado e enfraquece os sistemas monetários instáveis. Os governos, tanto democráticos quanto fascistas, vão de uma bancarrota a outra.

(...)

Tampouco o panorama das relações internacionais possui melhor aspecto. Sob a crescente pressão da desintegração capitalista, os antagonismos imperialistas alcançaram um limite onde, em seu ponto mais alto, os conflitos isolados e os distúrbios) devem, infalivelmente, convergir numa conflagração de dimensões mundiais. Sem dúvida, a burguesia conhece o perigo mortal que uma nova guerra representa para seu domínio. Mas essa classe é agora infinitamente menos capaz de preveni-la do que às vésperas de 1914.

Todo falatório, segundo o qual, as condições objetivas não estariam “ maduras” para o socialismo, são apenas produto da ignorância ou de um engano consciente. As premissas objetivas necessárias para a revolução proletária não estão somente maduras: elas começam a apodrecer. Sem vitória da revolução socialista no próximo período histórico, toda a humanidade está ameaçada de ser conduzida a uma catástrofe. Tudo depende agora do proletariado, ou seja, antes de mais nada, de sua vanguarda revolucionária. A crise histórica da humanidade reduz-se à crise da direção revolucionária.” 

Assim, é urgente construir a Internacional comunista, operária e revolucionária, tarefa que a Tendência Marxista-Leninista, por uma partido operário marxista revolucionário, está empenhada, fazendo um chamamento aos revolucionários, bolcheviques e internacionalistas para que se juntem a nós.

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Polícia Federal transformou-se nas modernas SS nazistas e caça o PT

A Polícia Federal, ao que tudo indica, agindo sob o comando da CIA, invadiu hoje a sede nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), em São Paulo. Além disso, prendeu o ex-ministro Paulo Bernardo, marido da senadora do PT, Gleisi Hoffmann, e mais 4 pessoas, na chamada “Operação Custo Brasil”.

A PF transformou-se na polícia política do golpe, numa versão moderna das SS nazistas da Alemanha de Hitler.

A PF implementa a política do juiz federal e suposto agente da CIA, Sérgio Moro, que condenou Zé Dirceu novamente sem provas, agora a 23 anos de prisão, verdadeira prisão perpétua se considerarmos a idade de Dirceu (70 anos), a exemplo do que fizera o Supremo Tribunal Federal, com a nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato”. O STF rasgou a Constituição faz tempo, quando acabou com o princípio da presunção de inocência.

A votação do “impeachment” será comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, a mesma Corte que para maquiar o golpe, fez uma cirurgia plástica afastando apenas formalmente Eduardo Cunha da presidência da Câmara (continua recebendo e atuando para a consolidação do golpe. Apenas não comparece nas dependências da Câmara, o resto ele continua fazendo exatamente igual), apenas depois que ele fez todo o trabalho sujo.

O universo dos golpistas está mais do que claro: a imprensa, o Congresso Fantoche, o Supremo Tribunal Federal e o juiz  Sérgio Moro, suspeito de ser agente da CIA, , o Ministério Público Federal, a Polícia Federal (a polícia política do golpe), e as Forças Armadas.

A maioria dessas instituições burguesas, são ocupadas por usurpadores que não se submeteram ao sufrágio universal, ao voto,  ou seja ao controle do povo, que permanentemente defendem os interesses da burguesia e do imperialismo norte-americano, agindo sempre politicamente.

A “Operação Lava Jato” foi montada pela CIA e pelo imperialismo norte-americano apenas para perseguir os dirigentes petistas e os empreiteiros e empresários que apoiaram os governos do PT de Lula e Dilma. Tanto isso é verdade, que o capitão do golpe, o deputado Eduardo Cunha, segue firme e forte, nada lhe acontecendo, nem as suas esposa e filha cúmplices.

A  Polícia Federal (PF) tornou-se a polícia política do golpe, adquirindo as características das SS nazistas, a exemplo do que vem fazendo não só em São Paulo como, por exemplo, no Paraná, onde Curitiba tornou-se a Nova Guantánamo, com as pessoas sendo presas sem culpa formada (ou seja, sem acusação), por meio de prisões “preventivas” e “provisórias”, para obtenção de “confissões” e “delações premiadas” sob clara tortura, a exemplo do que ocorre na prisão norte-americana em Guantánamo e ocorreu na época nazista de Hitler, reproduzindo o DOI-CODI da ditadura de 1964, nesta ditadura de 2016.

Os golpistas, ao mesmo tempo em que estão retirando os direitos trabalhistas, os programas sociais e previdenciários dos trabalhadores e da maioria oprimida nacional, estão caçando o PT, seus dirigentes e sua militância.

Agora com o golpe consumado, com a instauração da ditadura Temer/Cunha, a resistência têm de dar um salto de qualidade, com um trabalho paciente de explicação aos operários, aos trabalhadores, aos camponeses, aos jovens e aos estudantes, preparando-os para a luta pelas liberdades democráticas, como também para enfrentar os ataques que virão do “programa econômico” da ditadura Temer, sempre utilizando os métodos de luta da ação direta das massas, motivo pelo qual o movimento operário e popular deve preparar e organizar, uma greve geral por tempo indeterminado, com a eleição dos comandos de greve, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas empresa rurais, nas escolas e nas universidade, bem como organizar milícias operárias e populares a partir dos sindicatos, para derrubar a ditadura Temer/Cunha, para que esta seja apenas um curto episódio histórico no Brasil.

- Liberdade para os presos políticos!
- Pelas liberdades democráticas!
- Liberdade de manifestação e expressão!
- Abaixo a repressão!
- Pela dissolução da polícia militar e da polícia federal (a polícia política do golpe)!
- Eleição dos juízes!
- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!
- O povo na rua derruba a ditadura!
- Fora Temer, Fora Cunha!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Segue a ocupação dos metalúrgicos da Karmann-Ghia em São Bernardo

A ocupação da fábrica da Karmann-Ghia pelos 200 metalúrgicos completou mais de um mês.

A Karmann-Ghia antigamente produziu o automóvel, mas nos últimos tempo tornou-se uma empresa de autopeças, produzindo para as grandes montadores da região, como a Scania, a Volkswagen, e a Mercedes-Benz, Toyota, etc.

A empresa entrou em crise sobretudo em razão de desentendimentos dos patrões, o que levou à paralisia da Karmann-Ghia, deixando de pagar salários e as verbas rescisórias e liberar o FGTS, motivo pelo qual desde 13 de maio os operários ocuparam a fábrica.

Os operários, que ocupam a fábrica, tentam garantir a manutenção do patrimônio da empresa para que possam ser ressarcidos em seus direitos trabalhistas. Além disso, têm ideia de fazer funcionar a empresa, seguindo a produção de autopeças e, inclusive, voltar a fabricar o automóvel Karmann-Ghia. 

Essa é a perspectiva que a Tendência Marxista-Leninista entende como a melhor, até para que os trabalhadores, neste momento de crise terminal do capitalismo, já familiarizem com o controle da produção e, a partir da experiência da Karmann-Ghia, a qual se somará às experiências de outras fábricas ocupadas pelo País.

Todavia, é fundamental que os metalúrgicos rompam com a política de conciliação e de colaboração de classes da direção da Central Única dos Trabalhadores (CUT), do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e do Partido dos Trabalhadores (PT).

O que está colocado  é a luta de classes contra os patrões, contra a burguesia nacional e imperialista das montadoras do ABC. 

A burguesia e o imperialismo não querem nem saber: tentam jogar o ônus da crise nas costas dos trabalhadores e camponeses, jovens e estudantes e da maioria oprimida nacional. Elevam os juros bancários lá em cima, arrocham os salários, despedem os trabalhadores, praticam o genocídio da população jovem, pobre e negra das periferias das cidades por meio da Polícia Militar. Derrubaram uma presidenta eleita democraticamente, instalando um estado de exceção, a ditadura Temer/Cunha. 

Assim, os metalúrgicos do ABC  não devem aceitar o chamado “Programa de Proteção ao Emprego” (PPE) que permite a redução de salário; não devem aceitar o lay-off  (supensão temporário do contrato de trabalho, com os salários sendo pagos em parte com recursos do FAT – Fundo de Amparo do Trabalhador);  e  nem os programas de demissão voluntária (PDVs).

Por outro lado, os operários do ABC devem exigir o cumprimento dos acordos coletivos que garantem estabilidade no emprego, uma vez que as metalúrgicas vira e mexe quebram esses acordos.

Infelizmente, a direção do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC está iludida com relação ao Programa de Proteção do Emprego  (PPE) do Ministro Levy, dizendo que na Alemanha há um programa semelhante que ajudou à manutenção dos empregos, com a redução dos salários, sendo que o país germânico está se recuperando e saindo da crise antes que os demais países da Europa. 

A Tendência Marxista-Leninista denuncia tal posição, entendendo que é uma ilusão muito grande para se dizer o mínimo. Em primeiro lugar, a Alemanha não é o Brasil. A Alemanha é um país capitalista avançado e imperialista (país que oprime outras nações), que juntamente com a França, domina a União Europeia, aliada dos Estados Unidos e flerta com os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Além disso, essa política do PPE e os acordos celebrados com a patronal, não só na Mercedes, como na General Motors de São José dos Campos e na Volkswagen de Taubaté, derrotam uma das principais bandeiras da classe trabalhadora, ou seja, a redução da jornada de trabalho, sem redução de salário; a qual se combina com a escala móvel de salários, o aumento do salário de acordo com a inflação.

O que tem faltado é ousadia e resolução no sentido de impulsionar a luta dos trabalhadores, fazendo campanhas salariais de verdade (e não de faz de conta), organização reuniões, realizando assembleias e ocupando as fábricas, como ensinaram os grandes mestres:

“As greves, com ocupação de fábricas, escapam aos limites do regime capitalista normal. Independentemente das reivindicações dos grevistas, a ocupação temporária das empresas golpeia no cerne a propriedade capitalista. Toda greve com ocupação coloca na prática a questão de saber quem é o dono da fábrica: o capitalista ou os operários.” (Leon Trotsky).

Com tal ousadia e resolução, com certeza a patronal teria recuado e os trabalhadores teriam conquistado suas reivindicações de reintegração dos demitidos, estabilidade e aumento salarial e, com certeza, a burguesia nacional e o imperialismo norte-americano não teriam dado o golpe  contra a presidenta Dilma e instalado a ditadura Temer/Cunha.

Assim, neste momento, está colocado para a categoria metalúrgica fazer um balanço das lutas travadas neste último período e uma autocrítica, visando a luta contra as demissões, a redução da jornada de trabalho e a retomada dos aumentos salariais de acordo com a inflação e a luta contra o golpe de estado da burguesia e do imperialismo.

- Todo apoio à aos metalúrgicos da Karmann-Ghia!

- Todo apoio à ocupação da Karmann-Ghia!

- A Karmann-Ghia é dos trabalhadores!

- Todo apoio para fazer a fábrica funcionar, com a produção sob controle dos operários!

- Por uma Assembleia Geral da categoria  metalúrgica para organizar a luta contra as demissões, a redução da jornada de trabalho e a retomada dos aumentos salariais de acordo com a inflação, tanto no ABC paulista como no Vale do Paraíba.

- Campanha salarial de verdade! 

- Organizar a greve geral contra as demissões, contra a terceirização/precarização, contra a redução do seguro-desemprego, contra a redução das pensões, contra a redução da aposentadoria, para derrubar a ditadura Temer/Cunha!

- Organizar as milícias operárias e populares, a partir do Sindicato!

Erwin Wolf, Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

sábado, 18 de junho de 2016

Reflexões sobre a eliminação da Seleção brasileira na Copa América

A Seleção brasileira de futebol foi eliminada pelo Peru, ainda na fase de grupos na Copa América Centenário, que está sendo realizada no Estados Unidos.

A imprensa considerou precoce e surpreendente a eliminação da Seleção brasileira e pediu a cabeça de Dunga e de Gilmar Rinaldi, ou seja, de toda a Comissão Técnica.

Todavia, é necessário analisar as mudanças que ocorreram no futebol nos últimos anos.

Houve uma grande evolução do futebol mundial, o qual passou a ser praticado em todos os lugares do mundo: África, Ásia, Oriente Médio e América do Norte.

Além disso, houve um grande desenvolvimento técnico e tático do futebol europeu a partir de 1974, com a Seleção da Holanda, “a laranja mecânica”, do técnico de Rinus Michels. O futebol praticado pela Alemanha, Espanha, França e Itália é excelente. 

Na América do Sul também houve um importante desenvolvimento, embora não tão expressivo como o europeu. Além de Brasil e Argentina, a Colômbia, o Equador e o Peru praticam um bom futebol, enquanto a Venezuela que sempre foi o pior futebol sul-americano, hoje também pratica um bom futebol.

Assim, o resultado em que o Brasil perdeu de 7 a 1 para Alemanha, embora seja um resultado surpreendente, não é um resultado absurdo, que pode ocorrer. Por exemplo, na Copa de 1954, na fase de grupos a Hungria venceu a Alemanha, por  8 a 4, embora tenha perdido a final para a própria Alemanha, por 2 a 1. Futebol é futebol! Uma caixinha de surpresas! Tudo pode acontecer, por isso o encanto do futebol.

Então, voltemos à partida com o Peru, que resultou na eliminação da Seleção brasileira. O Brasil dominou o primeiro tempo, com o Peru, dirigido pelo ex-técnico do Palmeira, o argentino Ricardo Gareca, ficando basicamente na marcação atrás da linha da bola, sem incomodar a defesa e  goleiro brasileiro. No segundo tempo, Gareca soltou mais a Seleção peruana, que passou a fazer alguns contra-atraques, dando umas pontadas. Aos poucos o Peru passou a equilibrar o jogo e começou a ameaçar o Brasil, até que saiu o gol irregular, de braço, de mão, de Ruidíaz, faltando apenas 16 minutos para o final. Aí a Seleção e Dunga, o técnico brasileiro, se perderam completamente, sendo dominados pelo Peru. Inclusive, Dunga deixou de fazer duas substituições que ainda restavam, como aliás havia ocorrido na Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, demonstrando o seu despreparo para ocupar o cargo, ao menos emocional, pois ficou passivo e inerte, não esboçando reação. Qualquer treinador minimamente preparado teria feito as duas substituições.

A estratégia de Ricardo Gareca, técnico do Peru, repetiu-se novamente na partida de ontem contra a Colômbia, quando o time peruano novamente fez uma marcação forte, atrás da linha da bola, no primeiro tempo, para na etapa complementar se soltar mais, conseguindo um empate de 0 a 0 no tempo normal e sendo desclassificada apenas nos pênaltis por 4 a 2.  

A escolha de Tite e a perspectiva da Seleção brasileira

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo del Nero, convidou novamente Adenor Leonardo Bachi, Tite, o técnico do Corinthians, para ser o novo técnico. 

Marco Polo del Nero está sendo perseguido pelo CIA e o FBI em razão de disputas do imperialismo norte-americano com o europeu pelo domínio da Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA) - assunto que abordaremos no final deste artigo, sendo que Tite anteriormente havia firmado um abaixo-assinado pela saída de Marco Polo da CBF.

Embora Tite indubitavelmente seja mais preparado do que Dunga tecnicamente, não restam dúvidas de que pouco poderá fazer para reverter a situação vivida pela Seleção brasileira.

Hoje em dia, houve um desenvolvimento enorme da preparação física. Com isso o campo ficou “pequeno”. O futebol de campo virou “futebol de salão”. A chamada “marcação alta” (a marcação feita pelos atacantes) e a dita “recomposição da equipe” é a marcação do futebol de salão aplicada e adaptada ao futebol de campo. 

O 4-2-3-1 de Tite aplica essa tática.

Não obstante, há a necessidade de treinamento diário. Há necessidade do trabalho coletivo, o que é muito difícil de fazer com os jogadores brasileiros, uma vez que a quase totalidade dos convocados atuam na Europa, dependendo da liberação dos clubes europeus, os quais não os liberam com a devida antecedência para os treinamentos. Tal fato faz com que a nossa Seleção se apresente com um “catadão” (“cata” um jogador aqui outro ali) nos torneios sem que esteja preparada e treinada. Isso não vemos  perspectiva de mudança.

Além disso, ao que tudo indica, há ingerência dos patrocinadores da Seleção, grandes empresas internacionais e bancos, inclusive na convocação dos jogadores. Observamos que é muito comum um jogador, que está sendo encaminhado para os clubes europeus, ser convocado pela Seleção, como “vitrine”, sendo “valorizado”, antes da venda para o exterior. Isso em detrimento de outro ou outros jogadores em melhores condições. E tal quadro também não vai ser alterado.

Assim, o Brasil, com certeza, terá dificuldades de fazer uma boa campanha nas Olimpíadas do Rio 2016, o que dirá vencê-la, obtendo um título inédito. Da mesma forma, o Brasil está fora da zona de classificação nas Eliminatórias sul-americanas, em sexto lugar, sendo que, em setembro, enfrentará as fortes equipes de Equador e Colômbia, correndo o risco de não se classificar, embora deva ir à Copa do Mundo da Rússia, em 2018, em razão da repescagem com alguma fraca equipe da Oceania.  

Por que então o nosso ceticismo? Porque todo o esquema corrupto da CBF é inerente ao capitalismo. É o mesmo esquema da Fifa. É o esquema dos clubes, das federações, das confederações, sendo certo que nesse quadro a indicação de Tite não será panaceia para resolução de todos os males do nosso futebol.

A disputa do imperialismo norte-americano e o europeu na Fifa

A Fifa, em 26 de fevereiro, elegeu Gianni Infantini como o novo presidente da entidade, todavia as disputas vão se acirrar, devido à decisão dos Estados Unidos de monopolizar os  “negócios do futebol”, desde o ano passado.

Em, 27 de maio do ano passado, na Suíça, ocorreram as prisões midiáticas (para o delírio da imprensa venal, da pequena-burguesia e da classe média brasileira) de dirigentes do futebol mundial, vinculados à FIFA, acusados de corrupção, prisões essas ordenadas pelos Estados Unidos, que sobre o pretexto de uma investigação, em razão dos interesses americanos (essas apurações haviam sido submetidas à apreciação de juiz alemão que não deu a mínima para as mesmas, com certeza por ter entendido que se tratava de querela entre usurários e bandidos).

Os EUA continuam se arvorando a polícia do planeta. É a “pax americana”, a exemplo da “pax romana”.  Como Lênin ensinou, a época dos monopólios, do capital financeiro (industrial + bancário), é a época imperialista, da reação em toda linha, de guerra e revoluções.

Perseguem Edward Snowdem, ex-agente de uma empresa ligada à CIA, que revelou as arbitrariedades e os crimes os de espionagem do Império e Julian Assange, do WikiLeaks, que também fez revelações sobre a podridão yankee, sendo que, no caso deste último, até a própria ONU (nunca esquecer o que disse Lênin de sua antecessora, a Sociedade das Nações: “um covil de bandidos”) condenou os Estados Unidos, o Inglaterra e a Suécia por causa da perseguição.

Com relação à Fifa, com certeza os Estados Unidos moveram-se por causa de seus interesses financeiros contrariados, ou seja, em virtude de empresas como Nike, Red Bull, Coca-cola etc., pois perderam a disputa pelas sedes de 2018 para a Rússia e 2022 para o Catar. 

Agora o que o EUA estão fazendo é correr atrás do prejuízo de suas empresas, querem recuperar o dinheiro que perderam ou deixaram de ganhar, com os expedientes de extorsão, como a conhecida nazi-fascista delação premiada (lembram-se na Alemanha nazista os filhos eram incentivados a delatarem os pais), processo esse que já se iniciou com a transação do brasileiro J. Hawilla, da Traffic, empresa de marketing esportivo, que “concordou” em devolver U$ 158 milhões dólares, mais ou menos 473 milhões de reais. É ainda prejudicar ou inviabilizar a Copa da Rússia. 

Se fosse por problema de corrupção mesmo, deveriam antes ter apurado a compra das sedes das Olimpíadas de Atlanta em 1996  e de Salt Lake City em  2002. Sem falar da Copa do Mundo de Futebol de 1994, realizada nos Estados Unidos.  Pura hipocrisia!

As investidas americanas se dão por bem e por mal. Anteriormente, empreenderam uma aproximação com Cuba, preocupados com a construção pelo Brasil do porto na Ilha, que poderá impulsionar o comércio da Refinaria brasileira de Pasadena.

Antes, ainda, os EUA apoiaram golpes em Honduras, Paraguai; derrubaram Kadafi, na Líbia; apoiaram um golpe nazi-fascista na Ucrânia; atacam as Repúblicas de Donbass e Donest; apoiaram golpe militar para derrubar governo eleito democraticamente no Egito; armaram e usaram o Estado Islâmico contra o Iraque e a Síria, desestabilizando a região; tudo isso como forma de apoiar o Estado sionista e terrorista de Israel contra o povo palestino.

Os EUA tem dado origem, também recentemente, a uma série de escaramuças com a China em razão do mar do Sul da China.

Começa a pegar fogo a luta entre o imperialismo dos EUA e da União Europeia e o Bloco Eurásico, Rússia e China, formado por ex-estados operários, hoje imperialistas.

O capitalismo vive uma crise, que ameaça até deflagração da III Guerra Mundial e não vai ser diferente na Fifa.

Paz nos estádios, união das torcidas e expropriação dos clubes, das federações, e da CBF

Os clubes, as federações e a Confederação Brasileira de Futebol estão organizados como entidades privadas (na verdade são empresas privadas).

A Tendência Marxista-Leninista defende que as torcidas, os torcedores de todos os clubes, que são operários, trabalhadores, camponeses, jovens e estudantes se unam,  para que haja paz nos estádios para o fortalecimento da luta pela expropriação dos clubes, das federações e da CBF, sob controle dos torcedores, dos trabalhadores.

Essa união é fundamental para que os clubes, as federações e as confederações sejam administrados pelos torcedores, pelos trabalhadores.

Neste momento, essa luta passa pelo fortalecimento da luta desenvolvida pela torcida organizada do Corinthians contra o roubo da merenda escolar pela máfia do governo do Estado de São Paulo e contra o golpe da burguesia nacional entreguista e do imperialismo norte-americano, que vem sendo duramente reprimida pela Polícia Militar. 

Simultaneamente, é fundamental a luta pela construção de um partido operário marxista revolucionário, com a perspectiva de instauração de um governo operário e camponês, para a realização das tarefas democráticas, com expulsão do imperialismo, reforma e revolução agrária, com a expropriação das empresas, das fábricas, dos bancos, do campo, dos latifúndios, das empresas agrícolas, com monopólio do comércio exterior e economia planificada, rumo ao socialismo. 

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Não ao “Acordão Nacional”: é capitulação aos golpistas

A imprensa noticiou que, na terça-feira, dia 14, a presidenta Dilma participou de encontro com representantes de movimentos sociais e senadores, como Roberto Requião do PMDB do Paraná, Lídice da Mata do PSB da Bahia, Jorge Viana do PT do Acre e Armando Monteiro Neto do PTB de Pernambuco, e que ela teria o esboço de uma “Carta ao Senado”, assumindo uma série de compromissos, caso haja suspensão da farsa do “impeachment”, como a realização de um plebiscito para que a população decida sobre a convocação ou não de eleições.

Essa proposta na verdade é uma capitulação aos golpistas, seguindo a estratégia da conciliação e da colaboração de classes do próprio PT, embora ela tenha sido na verdade proposta pelo Senador Roberto Requião do Paraná, que é do PMDB golpista.

Como a TML insiste, a saída para o movimento operário e popular é apostar na ação direta das massas para derrotar e esmagar o golpe. 

Essa é a única alternativa que vai garantir os direitos trabalhistas e previdenciários, garantir o SUS, garantir os bancos estatais como o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e a Petrobrás, etc. etc.

A mobilização do dia 10 de junho foi significativa no sentido de marcar a retomada das lutas de forma organizada e centralizada, pois após a destituição da presidenta Dilma, passaram a ocorrer enorme quantidade de manifestações, protestos, passeatas, ocupações, fechamento de ruas, avenidas e estradas, enfim,  conflitos generalizados, mas de forma espontânea.

A ditadura Temer/Cunha está afundando em razão da resistência, pois já perdeu 3 ministros em apenas duas semanas, vivendo uma grande crise, que, com certeza, fará com que ela se afunde completamente em breve.

Assim, foi fundamental esse passo de retomada das lutas de forma centralizada e organizada para por abaixo o governo e esmagar aos golpistas, sendo certo que essa luta deve seguir a todo vapor. Este é o caminho!

Está claro que o movimento operário e popular vai entrar em conflito com o governo golpista que, para salvar o capitalismo, buscar retirar todos os direitos trabalhistas e previdenciários dos trabalhadores e se apoderar do patrimônio nacional, como os bancos e as empresas estatais, como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Petrobrás (esta para entregá-la à Chevron e à Shell).

As mobilizações do dia 10 de junho foram importantes porque marcam a reorientação do movimento e a retomada das ruas para esmagar o golpe e os golpistas, no sentido de priorizar a ação direta das massas, sem ilusão do parlamento fantoche e nas demais instituições golpistas do Estado burguês, como o Poder Judiciário, o Supremo Tribunal Federal, o Ministério Público Federal, a Polícia Federal (a polícia política do golpe), o Tribunal de Contas da União, e as Forças Armadas. Como sempre assinala a Tendência Marxista-Leninista, a maioria dessas instituições golpistas são compostas por membros que não se submetem ou submeteram ao sufrágio universal, ao voto, ou seja, ao controle do povo.

Da mesma forma que o Supremo Tribunal Federal golpista “removeu”  Eduardo Cunha (continua recebendo e atuando da mesma maneira que antes, só não comparece nas dependências da Câmara dos Deputados), para maquiar o golpe e depor a presidenta Dilma, agora para consolidar o golpe e deflagrar a guerra civil anunciada contra a classe trabalhadora, agora o Ministério Público Federal e o STF enviaram o processo de Lula para o juiz Sérgio Moro, suspeito de ser agente da CIA, visando a decretação da prisão do líder operário.

O enfrentamento do movimento operário e a burguesia entreguista e o imperialismo norte-americano, com certeza, provocará uma situação revolucionária, porque os “de baixo” não querem e os “de cima” não podem continuar vivendo à moda antiga.

A classe trabalhadora não pode ter ilusão na votação no Senado, não pode ter ilusão parlamentarista, não pode ter ilusão legalista ou constitucional. O golpe somente poderá ser derrotado a partir das ruas, sendo necessário o esmagamento dos golpistas.

Para tanto, é fundamental que seja reparada e organizada uma greve geral, com eleição de comandos de greves, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas escolas e nas universidades. Além disso, devem ser ampliados os comitês de lutas contra o golpes, bem como devem ser formados comitês de autodefesa e milícias operárias e populares, a partir dos sindicatos.

- Não ao "Acordão Nacional"!

- Ampliar os comitês antigolpistas!

- Formar os comitês de autodefesa a partir dos sindicatos: milícias operárias e populares!

- Liberdade para os presos políticos! Liberdade para Zé Dirceu e João Vaccari!

- Pelas liberdades democráticas!

- Abaixo a repressão!

- Dissolução da polícia militar e da polícia federal (a polícia política do golpe)!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- Derrubar todas as instituições golpistas!

- O povo na rua derruba a ditadura Temer/Cunha!

- Esmagar os golpistas!

- Fora Temer e todos os golpistas!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

sábado, 11 de junho de 2016

Mais um gigante do xadrez nos deixou: agora foi a vez de Vitor Korchnoi

*J. Aragão especial para a TML

Ainda recentemente perdemos o Grande Mestre espanhol, Arturo Pomar, agora perdemos Vitor Korchnoi, no dia 6 de junho, que faleceu em Wohlen, na Suíça. Korchnoi nasceu em Leningrado, em 23 de março de 1931.

Kortchnoi foi um fortíssimo jogador de ataque, tendo ganhado 4 vezes o campeonato da União Soviética, nos anos 1960, 1962, 1964 e 1970.

Korchnoi tornou-se Mestre Internacional em 1954 e Grande Mestre Internacional em 1956.

Além disso, ganhou diversos torneios internacionais, tendo ficado em segundo lugar no Interzonal de 1967, em Sousse, na Tunísia, e ganho o Interzonal de 1972.

Korchnoi disputou duas vezes o título mundial contra Karpov, em 1978, em Baguio, nas Filipinas, e em 1981, em Merano na Itália, embora não tenha obtido o título mundial.

Korchnoi acabou se exilando na Suíça, rompendo com o regime estalinista, principalmente porque a URSS privilegiava ao enxadrista Anatole Karpov, o campeão mundial. Não foi o primeiro grande enxadrista a romper com o regime soviético. O próprio campeão mundial franco-russo Alexander Alekine, segundo consta, conseguiu sair da Rússia Soviética, devido à intervenção do próprio Leon Trotsky, em 1918.

A Escola de Xadrez da União das Repúblicas Soviéticas foi a maior de todos os tempos até hoje, criada praticamente pelo campeão mundial Mikail Botivinik, campeões como Vissily Smislov, Mikail Tal, Boris Spasky, Gary Kasparov e fortes jogadores como Victor Kortchnoi e Paul Keres,  vice-campeões mundiais.

O sucesso do xadrez soviético e da URSS nos esportes deveu-se à Revolução Russa de 1917, onde a classe operária tomou o poder com o Partido Bolchevique, liderado por Vladimir Lênin e Leon Trotsky, expropriando a burguesia, passando a adotar o monopólio do comércio exterior e a economia planificada, liberando as forças produtivas (para vencer a lei do valor do capitalismo), numa sociedade de transição para o socialismo que foi uma experiência vitoriosa, nos seus 74 anos de existência, apesar da degeneração da burocracia stalinista, que propiciou a restauração capitalista.

No Brasil, Korchnoi ficou conhecido em razão da disputa com o nosso maior enxadrista de todos os tempos, Henrique da Costa Mecking, o Mequinho, na disputa para ser o candidato ao título mundial, na época nas mãos de Anatole Karpov. Kochnoi venceu Mequinho, tornando-se o desafiante do campeão mundial. Mequinho passou a ser considerado o 3º jogador do mundo.

Korchnoi, embora não tenha obtido o título de campeão mundial, com certeza, foi um dos maiores jogadores de xadrez de todos os tempos.

O povo voltou às ruas para derrotar o golpe no Brasil

Ontem, sexta-feira, 10 de junho, aconteceram grandes manifestações pelo Brasil inteiro contra o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano.

O ato foi convocado pela Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo, tendo sido realizadas grandes manifestações em todos os Estados da federação, nas capitais e nas grandes cidades, sendo que, em São Paulo, a Avenida Paulista foi ocupada pelos manifestantes que colocaram a necessidade da derrubada da ditadura Temer/Cunha. Inclusive, no exterior, em Nova Iorque e nas principais capitais europeias, como Paris, aconteceram protestos contra os golpistas da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano. 

A mobilização de ontem é significativa no sentido de marcar a retomada das lutas de forma organizada e centralizada, pois após a destituição da presidenta Dilma, passaram a ocorrer enorme quantidade de manifestações, protestos, passeatas, ocupações, fechamento de ruas, avenidas e estradas, enfim,  conflitos generalizados, mas de forma espontânea.

A ditadura Temer/Cunha está afundando em razão da resistência, pois já perdeu 3 ministros em apenas duas semanas, vivendo uma grande crise, que, com certeza, fará com que ela se afunde completamente em breve.

Assim, foi fundamental esse passo de retomada das lutas de forma centralizada e organizada para por abaixo o governo e esmagar aos golpistas.

Está claro que o movimento operário e popular vai entrar em conflito com o governo golpista que, para salvar o capitalismo, busca retirar todos os direitos trabalhistas e previdenciários dos trabalhadores e se apoderar do patrimônio nacional, como os bancos e as empresas estatais, como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Petrobrás (esta para entregá-la à Chevron e à Shell).

As mobilizações de ontem foram importantes porque marcam a reorientação do movimento e a retomada das ruas para esmagar o golpe e os golpistas, no sentido de priorizar a ação direta das massas, sem ilusão do parlamento fantoche e nas demais instituições golpistas do Estado burguês, como o Poder Judiciário, o Supremo Tribunal Federal, o Ministério Público Federal, a Polícia Federal (a polícia política do golpe), o Tribunal de Contas da União, e as Forças Armadas. Como sempre assinala a Tendência Marxista-Leninista, a maioria dessas instituições golpistas são compostas por membros que não se submetem ou submeteram ao sufrágio universal, ao voto, ou seja, ao controle do povo, sendo ocupadas por usurpadores.

Da mesma forma que o Supremo Tribunal Federal golpista “removeu” o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (continua recebendo e atuando da mesma maneira que antes, só não comparece nas dependências da Câmara dos Deputados), para maquiar o golpe e depor a presidenta Dilma, agora para consolidar o golpe e deflagrar a guerra civil anunciada contra a classe trabalhadora, o Ministério Público Federal e o STF enviaram o processo de Lula para o juiz Sérgio Moro, suspeito de ser agente da CIA, visando a decretação da prisão do líder operário.

O enfrentamento do movimento operário e a burguesia entreguista e o imperialismo norte-americano, com certeza, provocará uma situação revolucionária, porque os “de baixo” não querem e os “de cima” não podem continuar vivendo à moda antiga, como nos ensinou Vladimir Lênin.

A classe trabalhadora não pode ter ilusão na votação no Senado, não pode ter ilusão parlamentarista, não pode ter ilusão legalista ou constitucional. O golpe somente poderá ser derrotado a partir das ruas, sendo necessário o esmagamento dos golpistas.

Para tanto, é fundamental que seja preparada e organizada uma greve geral, com eleição de comandos de greves, nas fábricas, nas empresas, nos bancos, nas repartições públicas, nos campos, nas escolas e nas universidades. Além disso, devem ser ampliados os comitês de lutas contra o golpe, bem como devem ser formados comitês de autodefesa e milícias operárias e populares, a partir dos sindicatos.

- Ampliar os comitês antigolpistas!

- Formar os comitês de autodefesa a partir dos sindicatos: milícias operárias e populares!

- Liberdade para os presos políticos! Liberdade para Zé Dirceu e João Vaccari!

- Pelas liberdades democráticas!

- Abaixo a repressão!

- Dissolução da polícia militar e da polícia federal (a polícia política do golpe)!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- Derrubar todas as instituições golpistas!

- O povo na rua derruba a ditadura Temer/Cunha!

- Esmagar os golpistas!

- Fora Temer e todos os golpistas!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

terça-feira, 7 de junho de 2016

As prisões de Janot: o verdadeiro objetivo é prender Lula e Dilma

A imprensa está noticiando hoje que o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, requereu ao Supremo Tribunal Federal, as prisões do ex-presidente José Sarney, do presidente do Senando, Renan Calheiros, do senador e ex-ministro do planejamento do ditador Temer, Romero Jucá, e do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Aparentemente, seria uma medida louvável do Ministério Público Federal, em termos jurídicos, não fosse uma manobra política dos golpistas.

O verdadeiro objetivo da manobra é aquele de “entregar os anéis para não perder os dedos”, ou seja, o Ministério Público Federal finge que “prende” os golpistas Sarney, Renan, Jucá e Cunha (logicamente com tornozeleira, porque ninguém é de ferro e outras comodidades e confortos!) e logo se lança à caça de Lula e Dilma e demais dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT), que são os alvos da farsa da “Operação Lava Jato.”

Lula, que não é bobo, já falou em não concorrer em 2018, pensando que é só com isso que os golpistas estão preocupados, mas ledo engano: o que os golpistas querem é prender Lula e Dilma e os demais dirigentes do PT e depois seguir perseguindo o movimento operário e popular, os sindicatos, etc. etc., para aplicarem o programa do imperialismo norte-americano e da burguesia entreguista, apresentado pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), “Uma ponte para o futuro”, uma verdadeira guerra civil contra a população, retirando os direitos trabalhistas e os programas sociais, recolonizando o País e escravizando o povo.

O universo dos golpistas está mais do que claro: a imprensa, o Congresso Fantoche, o Supremo Tribunal Federal e o juiz  Sérgio Moro, suspeito de ser agente da CIA, , o Ministério Público Federal, a Polícia Federal (a polícia política do golpe), e as Forças Armadas. Devem ter chegado a um consenso para colocar em andamento essa manobra, dada a fragilidade que o governo Temer/Cunha tem demonstrado, com as vacilações e o ministério dar a impressão que está despencando, pois boa parte dos ministros estão caindo e em razão da resistência popular a golpe e inclusive a condenação internacional aos golpistas.

A maioria dessas instituições burguesas são ocupadas por usurpadores que não se submeteram ao sufrágio universal, ao voto,  ou seja ao controle do povo, que permanentemente defendem os interesses da burguesia e do imperialismo norte-americano, agem politicamente.

A “Operação Lava Jato” foi montada apenas para perseguir os dirigentes petistas e os empreiteiros e empresários que apoiaram os governos do PT de Lula e Dilma.

A  Polícia Federal (PF) tornou-se a polícia política do golpe, adquirindo as características das SS nazistas, a exemplo do que vem fazendo não só em São Paulo como, por exemplo, no Paraná, onde Curitiba tornou-se a Nova Guantánamo, com as pessoas sendo presas sem culpa formada (ou seja, sem acusação), por meio de prisões “preventivas” e “provisórias”, para obtenção de “confissões” e “delações premiadas” sob clara tortura, a exemplo do que ocorre na prisão norte-americana em Guantánamo e ocorreu na época nazista de Hitler.

Os trabalhadores e o movimento popular não podem ter ilusões nessas instituições burguesas, nem ilusões parlamentaristas, legalistas e constitucionalistas, devendo priorizar a ação direta das massas.
Para tanto, é sumamente importante que todos saiam às ruas no próximo dia 10 de junho na manifestação convocada pela Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo, rumo à greve geral, com a perspectiva da derrubada revolucionária da ditadura Temer/Cunha.

- Liberdade para os presos políticos!

- Pelas liberdades democráticas!

- Abaixo a repressão!

- Pela dissolução da polícia militar e da polícia federal (a polícia política do golpe)!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- O povo na rua derruba a ditadura!

 - Fora Temer e todos os golpistas!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

sábado, 4 de junho de 2016

10 de junho: derrotar o golpe nas ruas

A Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo convocaram para o dia 10 de junho, na próxima sexta-feira, a mobilização nacional para derrotar o golpe nas ruas.

Assim, é fundamental que ocupemos as ruas e avenidas do País, para derrotar os golpistas da ditadura Temer/Cunha (este último afastado apenas formalmente pelo Supremo Tribunal golpista, sendo que somente não comparece nas dependências da Câmara dos Deputados, mas continua sua atuação golpista da mesma maneira que antes).

A ditadura Temer/Cunha perdeu 3 ministros em apenas duas semanas, vivendo uma grande crise, que, com certeza, fará com que ela se afunde completamente em breve. 

Para tanto, é sumamente importante que todos saiam às ruas no próximo dia 10 de junho.

O golpe somente poderá ser derrotado a partir das ruas.

- Ampliar os comitês antigolpistas!

- Formar os comitês de autodefesa a partir dos sindicatos: milícias operárias e populares!

- Liberdade para os presos políticos!

- Pelas liberdades democráticas!

- Abaixo a repressão!

- Dissolução da polícia militar e da polícia federal (a polícia política do golpe)!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- Derrubar todas as instituições golpistas!

- O povo na rua derruba a ditadura Temer/Cunha!

- Fora Temer e todos os golpistas!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Golpe é golpe: não adianta ter ilusão legalista

O ministro José Eduardo Cardozo divulgou vídeo o onde denuncia que no processo do golpe  (“impeachment”) o presidente da Comissão do Senado, Antônio Anastasia, não está permitindo que se junte provas de áudio (escuta telefônica) dos golpistas, ou seja, não está permitindo o contraditório e ampla defesa, conforme a Constituição.

Inclusive, o ministro Cardozo demonstra uma certa surpresa com o que está acontecendo no Senado.  

Ocorre que os dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT) e seus parlamentares, quando foi aprovado, na Câmara dos Deputados, o encaminhamento do processo de  “impeachment” para o Senado Federal, semearam a ilusão de que no Senado as coisas seriam diferentes, que a presidente Dilma teria condições de fazer sua defesa com calma, que haveria discussão, etc. etc. 

Agora os dirigentes do PT estão vendo como é que é a coisa: golpe é golpe.

Tomara que cai a ficha, que pegue no tranco! É necessário parar de jogar areia nos olhos do povo!

O juiz federal e suposto agente da CIA, Sérgio Moro, condenou Zé Dirceu novamente sem provas, agora a 23 anos de prisão, verdadeira prisão perpétua se considerarmos a idade de Dirceu (70 anos), a exemplo do que fizera o Supremo Tribunal Federal, com a nazi-fascista “Teoria do Domínio do Fato”. O STF rasgou a Constituição faz tempo, quando acabou com o princípio da presunção de inocência.

A votação do “impeachment” será comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, a mesma Corte que, para maquiar o golpe, fez uma cirurgia plástica afastando apenas formalmente Eduardo Cunha da presidência da Câmara (continua recebendo e atuando para a consolidação do golpe; apenas não comparece nas dependências da Câmara, o resto ele continua fazendo exatamente igual), ou seja, Cunha foi afastado somente depois que ele fez todo o trabalho sujo.

O universo dos golpistas está mais do que claro: a imprensa, o Congresso Fantoche, o Supremo Tribunal Federal e o juiz  Sérgio Moro, suspeito de ser agente da CIA, o Ministério Público Federal, a Polícia Federal (a polícia política do golpe), e as Forças Armadas. 

A maioria dessas instituições burguesas são ocupadas por usurpadores que não se submeteram ao sufrágio universal, ao voto,  ou seja, ao controle do povo, que permanentemente defendem os interesses da burguesia e do imperialismo norte-americano, agindo politicamente.

A “Operação Lava Jato” foi montada apenas para perseguir os dirigentes petistas e os empreiteiros e empresários que apoiaram os governos do PT de Lula e Dilma, visando o golpe.

A  Polícia Federal (PF) tornou-se a polícia política do golpe, adquirindo as características das SS nazistas, a exemplo do que vem fazendo não só em São Paulo como, por exemplo, no Paraná, onde Curitiba tornou-se a Nova Guantánamo, com as pessoas sendo presas sem culpa formada (ou seja, sem acusação), por meio de prisões “preventivas” e “provisórias”, para obtenção de “confissões” e “delações premiadas” sob clara tortura, a exemplo do que ocorre na prisão norte-americana em Guantánamo e ocorreu na época nazista de Hitler.

Assim, embora seja importante continuar denunciando o que está ocorrendo no Senado Federal, utilizando-se dessa tribuna, essa luta deve estar subordinada à ação direta das massas, à mobilização da classe operária, dos trabalhadores, dos camponeses, dos estudantes e da juventude para derrubar revolucionariamente nas ruas a ditadura Temer/Cunha.

Para tanto, é sumamente importante que todos saiam às ruas no próximo dia 10 de junho na manifestação convocada pela Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo.

- Liberdade para os presos políticos!

- Pelas liberdades democráticas!

- Abaixo a repressão!

- Pela dissolução da polícia militar e da polícia federal!

- Eleição dos juízes!

- Abaixo o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano!

- O povo na rua derruba a ditadura!

- Fora Temer!

Tendência Marxista-Leninista, por um partido operário marxista revolucionário

quarta-feira, 1 de junho de 2016

O mundo do xadrez perdeu o Grande Mestre Arturo Pomar

* J. Aragão, especial para a TML

O xadrez perdeu o Grande Mestre espanhol Arturo Pomar que faleceu no dia 27 de maio, aos 84 anos de idade, num hospital de Barcelona.

Arturo foi um menino prodígio, tendo aos 12 anos empatado com o campeão mundial franco-russo Alexandre Alekine.

Era considerado o Mozart do xadrez e era tão famoso como hoje é Rafael Nadal e Lionel Messi, conforme disse o dirigente de xadrez, Leonxo Garcia, a Inforchess. 

O Grande Mestre russo Alexander Kotov disse que se Arturo tivesse nascido na União Soviética teria sido candidato ao título mundial.

A Escola de Xadrez da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas foi a maior de todos os tempos até hoje, criada praticamente pelo campeão mundial Mikail Botvinik, campeões como Vissily Smislov, Mikail Tal, Boris Spassky, Gary Kasparov e fortes jogadores como Victor Kortchnoi e Paul Keres,  vice-campeões mundiais.

O sucesso do xadrez soviético e da URSS nos esportes deveu-se à Revolução Russa de 1917, onde a classe operária tomou o poder com o Partido Bolchevique, liderado por Vladimir Lênin e Leon Trotsky, expropriando a burguesia, passando a adotar o monopólio do comércio exterior e a economia planificada, liberando as forças produtivas (para vencer a lei do valor do capitalismo), numa sociedade de transição para o socialismo que foi uma experiência vitoriosa, nos seus 74 anos de existência, apesar da degeneração da burocracia stalinista, que propiciou a restauração capitalista.

Arturo foi 7 vezes campeão espanhol, tendo vencido inúmeros torneios internacionais em sua carreira, tendo ganhado a medalha de bronze na Olimpíada de Xadrez de Leipzig, em 1960 e empatado com Bob Fischer, o grande campeão norte-americano, no Interzonal de Estocolmo, em 1962.

Infelizmente, é mais um astro do xadrez que se apaga.

CIA e a Polícia Federal seguem atacando todos que apoiaram os governos do PT


A CIA, agência de inteligência do monstro imperialista norte-americano, e a Polícia Federal brasileira seguem atacando todos que apoiaram e participaram dos governos do Partido dos Trabalhadores (PT). Agora foi a vez do presidente do banco Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, de ser indiciado.

O maior crime do Bradesco e de Luiz Carlos Trabuco foi dar apoio e participar dos governos de colaboração de classes, frente populistas, de Lula e de Dilma.

É o mesmo crime da Odebrecht e de Sérgio Rial, presidente do banco espanhol Santander.

Reproduzimos a seguir os comentários que a Tendência Marxista-Leninista fez quando do início da perseguição ao presidente do banco Santander:

“Quando vimos numa rede social a declaração à Folha de S. Paulo, em 10/4, do presidente do Banco Santander, no Brasil, Sérgio Rial de que contra o golpe da burguesia entreguista e do imperialismo norte-americano, ao dizer que “Não é a ruptura que vai levar a uma solução. Aliás, não há solução na ruptura. Só há o caos.”, tivemos a certeza, na hora, que essa “rebeldia” do imperialismo espanhol  não passaria impune, ou seja, que ele seria atacado pelo imperialismo norte-americano, pela CIA e o Departamento do Estado, por meio de seus agentes no Brasil, como o juiz nazi-fascista Sérgio Moro, ou mesmo, das “instituições” golpistas, como o Poder Judiciário, o Ministério Público Federal,  a Polícia Federal (a polícia política do golpe), ocupadas por usurpadores que não se submeteram aos sufrágio universal, ao controle do povo, ao voto.

Não se pode perder de vista que o imperialismo é a fase de decadência do capitalismo, da fusão do capital industrial com o bancário, dos monopólios, do fim da concorrência, da reação em toda linha, corrida armamentista (OTAN), de guerra e revoluções.

Tínhamos certeza que aconteceria o mesmo que está acontecendo com os empreiteiros (Marcelo Odebrecht, por exemplo) e até mesmo banqueiros (André Esteves, por exemplo) que apoiaram e se aproveitaram dos governos Lula e Dilma. Sérgio Rial que se prepare para ir para a cadeia ou senão se manda para a Espanha, porque os falcões da Casa Branca são implacáveis na defesa dos interesses gerais do imperialismo e quando necessário sacrificam seus comparsas. A Nova Guantánamo é aqui.

Dito e feito. Hoje na mesma Folha (7/5), saiu um artigo anunciando que “Santander vira alvo da Procuradoria do DF”, com o subtítulo “Banco é acusado de negociar pagamentos ilegais para se livrar de multas no Carf”.

Com certeza, isso é mais uma das armações da embaixadora americana, golpista profissional, Liliana Ayalde (que atuou durante o golpe no Paraguai e Maduro expulsou da Venezuela, mas infelizmente e desgraçadamente ela acabou vindo para o Brasil).

O imperialismo norte-americano, para Lula assumir a presidência da República em 2002, exigiu que ele cumprisse os contratos, logicamente com eles (conforme a Carta aos  Brasileiros).  Com a crise da Bolha imobiliária de 2008, os Estados Unidos perdeu espaço nas relações comerciais e financeiras no Brasil, agora ele quer quebrar os contratos do Brasil com a China e a Rússia, para recuperar o terreno perdido, adotando novamente a doutrina Monroe, “A América para os norte-americanos”.

O golpe orquestrado pelo Estados Unidos no Brasil visava principalmente quebrar os contratos do Brasil com o imperialismo chinês e o russo, que com a crise do capitalismo norte-americano, com a Bolha imobiliária, haviam ganho espaço nas relações comerciais com o nosso país. Além disso, China e Rússia lideram os Brics (Brasil, Rússia, China e África do Sul), e fundaram o Banco do Brics, com um aporte de mais de 100 bilhões de dólores, colocando em xeque a hegemonia do dólar e os Acordos estabelecidos nas Conferências de Bretton Woods, que regem as relações comerciais e financeiras mundiais desde julho de 1944.

Agora, em razão da declaração do presidente do Santander contra o golpe, o Estados Unidos se voltaram também contra o imperialismo espanhol e, com certeza, buscará quebrar os contratos espanhóis.

Os falcões da Casa Branca são uns capetas, com a ditadura Temer o Brasil poderá virar um inferno, como em 1964/1985, como na “República” do Paraná (os professores e os sem-terra que o digam!), como no Estado de São Paulo (os estudantes secundaristas que o digam!), ou seja, o Brasil poderá se tornar a Nova Guantánamo.”

Seguem as torturas na Nova Guantánamo, Curitiba, com as prisões/torturas (“prisões temporárias e preventivas”), com as “delações premiadas”,  com as “confissões” da época medieval da Inquisição e do fascismo de Mussolini e nazismo de Hitler, como a Tendência Marxista-Leninista vem denunciando, como está acontecendo com Marcelo Odebrecht que está sendo torturado para “entregar” Lula, o que dará o pretexto e permitirá à CIA e à Polícia Federal para prender o maior líder operário brasileiro, tudo isso com o objetivo de escravizar a classe trabalhadora brasileira e se apoderarem do patrimônio nacional, como a Petrobrás, a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e os Correios para entregarem aos Estados Unidos, como este fez no Iraque, na Líbia, na Ucrânia, etc. etc.

Assim, está cada vez mais clara a política do Departamento de Estado e da CIA para o Brasil: os Estados Unidos querem recolonizar o País, transformando-o numa nova Palestina, transformando a América Latina num novo Oriente Médio. É a política de terra arrasada dos falcões da Casa Branca, de Washington.

A classe operária, o conjunto dos trabalhadores, dos camponeses pobres e da juventude e dos estudantes devem ir para as ruas no próximo dia 10 de junho, na manifestação marcada pela Frente Brasil Popular, com o objetivo de se preparar para derrubar de forma revolucionária a ditadura Temer/Cunha, em defesa dos direitos dos trabalhadores, das liberdades democráticas, libertação dos presos políticos, pela realização das tarefas democráticas de expulsão do imperialismo e da revolução e reforma agrária, por um governo operário e camponês, expropriação dos fábricas, das empresas, dos bancos, do campo, dos latifúndios, das empresas agrícolas, das escolas e das universidades.  

Erwin Wolf